A apropriação cultural da política. Quando Tolkien se torna de direita

Em Roma, a primeira-ministra Giorgia Meloni visita a exposição dedicada ao escritor e filólogo britânico J. R. R. Tolkien.

Escolha o seu nível de leitura:

PADRÃO

A apropriação cultural da política. Quando Tolkien se torna de direita

Escrito por Valentina Isernia

No âmbito do 50º aniversário da morte do escritor J.R.R. Tolkien, o governo italiano liderado por Giorgia Meloni criou uma exposição estatal dedicada ao pai da literatura fantástica que reacendeu um debate ético, que tem estado a acontecer silenciosamente há algum tempo, sobre a apropriação cultural que a política faz de símbolos e personagens do imaginário coletivo.

A exposição “Tolkien. Man, Professor, Author“, dedicada ao escritor, filólogo, ideolinguista (aquele que inventa línguas artificiais) e linguista britânico considerado o pai da literatura fantástica, terminou a 11 de fevereiro a Galleria Nazionale d’Arte Moderna e Contemporanea, em Roma. Um evento que, aparentemente, faz parte da promoção cultural normal de um país, mas que levantou muitas questões: o governo e o partido Fratelli d’Italia, do qual a primeira-ministra preside, estão a usar politicamente o autor de O Senhor dos Anéis?


 A pergunta é quase retórica e tem as suas raízes num debate que, na verdade, se prolonga, silenciosamente, há mais de 50 anos. Um debate marcadamente italiano, dado que noutros países nunca teve qualquer relevância: Tolkien era de esquerda ou de direita?

As raízes históricas da questão: “Hobbit Camps” e “Shire Gatherings”

A primeira edição de O Senhor dos Anéis, de Tolkien, chegou à Itália no auge dos “Anos de Chumbo”, quando o Movimento Social Italiano procurava uma identidade que já não o ligasse à fortemente repudiada identidade do fascismo. A publicação da história completa ocorreu em 1970 e a editora Rusconi confiou o prefácio do volume a Elémire Zolla – muito próximo das ideologias da Nova Direita – que exaltou o choque entre o progresso tecnológico e o poder subjugador de uma autoridade incorpórea e de um grupo de camaradas corajosos que representavam, cada um de maneira diferente,  os valores da tradição, da pureza, da espiritualidade. Lembremo-nos também que Tolkien era um católico fervoroso.

Desde a sua publicação, seguiu-se toda uma série de iniciativas, promovidas pela Frente da Juventude em resposta aos movimentos de rua da esquerda, inspiradas na história de Tolkien; como os “Hobbit Camps” ou os “Shire Gatherings”: eventos culturais, sociais e de entretenimento que prosperaram até o início dos anos 90 com a intenção de fazer networking entre jovens militantes “nerd” de direita. A referência à ideologia de Tolkien era apenas externa e pouco importava que muito mais da sua poética fosse deixada de lado e não fosse de todo aderente à identidade partidária.

Numa jogada inteligente, a direita apropriou-se de algo que os militantes de esquerda rejeitaram fortemente: a estratégia de marketing que levou à publicação de Tolkien em Itália, na verdade, queria atrair o público de esquerda à semelhança do que tinha acontecido nos EUA.

Também foi afixada na primeira reimpressão uma manga de livro que dizia: “A Bíblia dos hippies”. Os críticos literários italianos da época, no entanto, não dispostos a fazer referências espirituais e à mitologia celta, imediatamente rejeitaram o livro como “de direita”, “racista e reacionário”.

Como explica o conhecido professor de História Medieval Franco Cardini num artigo: “Nos EUA, Tolkien tornou-se o guru dos meninos Flower Power e Easy Rider, daqueles que se opuseram à guerra do Vietname e que sonhavam no autocarro mágico de Cabul. Com um aparente paradoxo, em Itália essas vozes de protesto e aquelas exigências de renovação dos horizontes dos jovens não foram bem recebidas pela “esquerda” oficial, que entre os anos sessenta e setenta monopolizou e regulou a vida cultural, mas por “oposição” às franjas de esquerda e de direita. Mas, se a esquerda radical tinha os seus ídolos no Vietname, em Cuba e em Che Guevara, Tolkien tornou-se antes a bandeira de uma pequena, mas interessante, patrulha de direita, que, inspirada sobretudo no pensamento antitotalitário e comunitário da Nouvelle Droite de Alain de Benoist, rompendo com o neofascismo estéril do oficial MSI.

Um embate quente e silencioso

Nas décadas que se seguiram, dois marcos importantes aconteceram:

–  Em Itália, duas fações fortemente opostas foram formadas, lideradas por associações que logo se tornaram um ponto de referência para o fandom de Tolkien: uma batalha começou, especialmente com publicações, ensaios e discussões na web, para decretar a quem Tolkien pertencia, se à esquerda ou à direita;

–  As obras de Tolkien tornaram-se crossmedia: a adaptação cinematográfica de O Senhor dos Anéis, de Peter Jackson, chegou aos cinemas; a difusão do merchandising e a criação de jogos e videojogos, levaram as histórias de Tolkien a estarem ao alcance de um público muito mais vasto, atingindo mesmo aquela parte para a qual a escrita do autor era demasiado articulada e difícil.

Giorgia Meloni: a primeira-ministra “nerd” e a sua exposição estatal

Desde que assumiu o cargo, a primeira-ministra Giorgia Meloni começou cada vez mais – em entrevistas, comícios, em alguns passeios públicos e na sua autobiografia – a enfatizar a sua paixão por Tolkien e a falar sobre ter sido “nerd” quando era criança. O termo é usado da forma mais imprópria e cosmética porque sabemos que a cultura nerd é muito mais complexa e articulada.

A partir de uma história de si mesma como pessoa, alavancando componentes emocionais, usou depois o autor como fonte de inspiração para a sua linha partidária, culminando numa grande e dispendiosa exposição estatal – portanto paga pelos contribuintes – que, como também destaca a imprensa estrangeira – do  Times de Londres ao  Guardian, passando pelo El Pais – parece incomum ser dedicada a uma figura que não tem muito a ver com a nação.

Outra apropriação fantasiosa da direita italiana, ainda hoje perpetrada por Fratelli d’Italia e Giorgia Meloni, diz respeito ao evento anual Atreju, nomeada em associação ao protagonista de A História Interminável,  do escritor alemão Michael Ende. Uma escolha contestada pelos herdeiros do autor, que expressaram publicamente a proibição de usar o nome para fins políticos: “Uma obra de arte pertence a toda a humanidade e não a um grupo político. É incompreensível que um movimento político se aproprie de uma obra de arte e a utilize para os seus próprios fins. Estamos gratos aos leitores italianos que protestam contra esta instrumentalização.”

Também neste caso, como aponta o escritor Roberto Saviano, as razões pelas quais Atreju deveria representar a direita parecem incompreensíveis: “Não há nenhuma parte de A História Interminavel que possa sugerir que há uma proximidade espiritual ou factual entre o personagem Atreju e o que aqueles que se identificam com a manifestação política da Fratelli d’Italia advogam.”

As razões e os perigos da apropriação cultural

Se não há ligações estreitas com o pensamento e a visão de um autor, porque apropriar-se dos seus símbolos? Voltemos às motivações dos anos 70: criar uma imagem de fachada mais limpa e lisonjeira e vencer o adversário político, com referências culturais que agora estão ainda mais enraizadas e populares graças à  difusão crossmedia  que se verificou ao longo dos anos.

A gravidade da apropriação indevida desses símbolos reside na imposição de uma  leitura errada, uma distorção da visão da realidade que no campo da literatura é um processo normalmente subjetivo, interpretativo e pessoal, mas na política torna-se instrumentalização propagandística. Porque as palavras são importantes, e se a mente captar uma à qual atribui um significado positivo, vai estar preparada para assumir eventos e mensagens de uma forma positiva.  

Infelizmente, os autores já não estão connosco para poderem responder e a apropriação indevida do seu pensamento, que eles queriam universalizar expressando-o com a alegoria do fantástico, é por isso ainda mais fácil de manipular. 

Actividades complementares

FACIL

A apropriação cultural da política. Quando Tolkien se torna de direita

Escrito por Valentina Isernia

No âmbito do 50º aniversário da morte do escritor J.R.R. Tolkien, o governo italiano liderado por Giorgia Meloni criou uma exposição estatal dedicada ao pai da literatura fantástica que reacendeu um debate ético, que tem estado a acontecer silenciosamente há algum tempo, sobre a apropriação cultural que a política faz de símbolos e personagens do imaginário coletivo.

A exposição “Tolkien. Man, Professor, Author“, dedicada ao escritor considerado o pai da literatura fantástica, terminou a 11 de fevereiro a Galleria Nazionale d’Arte Moderna e Contemporanea, em Roma. Um evento que levantou muitas questões: o Governo e o partido Fratelli d’Italia, do qual a primeira-ministra preside, estão a usar politicamente o autor de O Senhor dos Anéis?

A questão tem as suas raízes na história da política italiana, e levou muitos a discutir calorosamente sobre qual era a posição política de Tolkien: ele era de esquerda ou de direita?

As raízes históricas da questão: “Hobbit Camps” e “Shire Gatherings”

Quando O Senhor dos Anéis, de Tolkien, foi publicado na Itália, o Movimento Social italiano procurava uma identidade que já não o ligasse ao fascismo. A publicação ocorreu em 1970 e a editora Rusconi confiou o prefácio do volume a Elémire Zolla – muito próximo das ideologias da Nova Direita – que exaltou o choque entre o progresso tecnológico e o poder de uma autoridade sem rosto e de um grupo de camaradas corajosos que representam tradição, pureza, espiritualidade. Após a publicação, a Frente da Juventude iniciou uma série de atividades culturais inspiradas no conto de Tolkien, como os ” Hobbit Camps ” ou os ” Shire Gatherings “. O objetivo era reunir e ligar jovens militantes “nerd” de direita com uma referência muito superficial à ideologia de Tolkien.

Foi uma jogada inteligente para vencer os seus adversários políticos ao nível cultural, já que os críticos literários italianos da época acusaram o livro de ser “de direita”, “racista e reacionário”. Noutros países, como os Estados Unidos, foi muito apreciado, especialmente por jovens de esquerda.

Um embate quente e silencioso

Nas décadas seguintes, duas coisas importantes aconteceram:

– Os fãs de Tolkien estão divididos, liderados pelas associações que são o seu ponto de referência, e começa uma batalha para decretar a quem Tolkien pertence, se à esquerda ou à direita;

–  As obras de Tolkien tornam-se crossmedia: surgem filmes, jogos e videojogos; o merchandising e as histórias tornam-se acessíveis a um público muito mais vasto.

Giorgia Meloni: a primeira-ministra “nerd” e a sua exposição estatal

Desde que tomou posse, a primeira-ministra italiana Giorgia Meloni começou a manifestar cada vez mais – em entrevistas, comícios, em algumas aparições públicas e na sua autobiografia – a sua paixão por Tolkien e a falar sobre ter sido, quando era criança, uma “nerd”. Mesmo que o termo seja usado incorretamente e não respeite a cultura que representa.

A partir de uma história de si mesma como pessoa, ela começa a usar o pensamento do autor também para falar sobre a linha do seu partido, que se concretiza numa grande e cara exposição estatal –é feita com dinheiro dos contribuintes – que muitos consideraram incomum, pois não dizia respeito a um personagem que fazia parte da história italiana.

Outro nome ligado à literatura fantástica usado pela direita italiana e pela Fratelli d’Italia é o de Atreju, o protagonista de A História Interminável, do escritor alemão Michael Ende, que agora é utilizado como o nome de um comício político anual. Os próprios herdeiros do escritor expressaram publicamente a proibição de usar o nome para fins políticos, declarando que uma obra de arte pertence a toda a humanidade e não a um grupo político.

Tal como acontece com o pensamento de Tolkien, não há uma ligação real entre o pensamento de Atreju e a política da direita.

As razões e os perigos da apropriação cultural

Então, porque usar nomes e símbolos que não pertencem totalmente ao partido? Para criar uma imagem mais limpa e positiva de si mesmo e vencer o adversário político, referindo-se a personagens que são ainda mais conhecidos e apreciados atualmente.

Trata-se de uma ação séria, porque através da utilização de um nome ou símbolo positivo é possível mudar como a realidade das coisas é percebida e fazer propaganda.

Os autores já não estão connosco para poderem responder e os seus pensamentos, que transmitiram de forma universal através do uso de histórias fantásticas, são, por isso, ainda mais fáceis de manipular.

☑️ Teste os seus conhecimentos

Questionário de compreensão de leitura. A apropriação cultural da política. Quando Tolkien se torna de direita

Passo 1 de 3

Quem era J.R. Tolkien?
saltar para o conteúdo