Os desenhos da guerra na Ucrânia

Uma menina ucraniana conforta o seu irmão de seis anos enquanto se preparam para deixar um abrigo apoiado pela UNICEF na Roménia para o seu próximo destino. Imagem UNICEF-Alex Nicodim.

Escolha o seu nível de leitura:

PADRÃO

Os desenhos da guerra na Ucrânia

Escrito por Andrea Gabarró

A psicóloga Núria Casanovas analisa os desenhos de sete crianças que viveram a guerra em Kiev, a capital da Ucrânia, ameaçada de invasão pelas tropas de Vladimir Putin há mais de um ano.

A expressão “uma imagem vale mais do que mil palavras” também pode ser aplicada aos desenhos das crianças. Um desenho pode evocar mais do que mil palavras e emoções. As imagens falam, e os desenhos também. Num mundo em que os adultos falam muitas vezes em nome das crianças, ou em que estas ainda não dispõem de ferramentas suficientes para exprimir a complexidade das suas emoções, existem técnicas que ajudam a decifrar os sentimentos. Núria Casanovas, psicóloga especializada em infância e família, dedicou a sua carreira a analisar e interpretar os desenhos das crianças. Na realidade, também escreveu um livro que serve como um pequeno guia de introdução a este ramo da psicologia.

As crianças sofrem frequentemente as consequências das ações dos adultos, e muitas vezes não temos consciência de como isso as pode afetar. Na Ucrânia, a guerra dura há quase dois anos. Um conflito armado que, até agora e de acordo com os números da Organização das Nações Unidas (ONU), custou milhares de vidas (foram registadas 24 900 vítimas civis), causou uma destruição incalculável e deixou quase 18 milhões de pessoas a precisar de ajuda humanitária.

Se estes números não fossem suficientemente esmagadores, poderíamos acrescentar que existem atualmente 1 060 ataques verificados a estruturas de saúde, que 30% dos postos de trabalho anteriores à guerra foram eliminados e que quase 10 milhões de pessoas, incluindo 7,8 milhões de crianças, correm o risco de sofrer de perturbações agudas de stress pós-traumático.

Tivemos acesso aos desenhos de crianças de diferentes idades, que vivem em Kiev, antes e durante a guerra. As suas histórias são diferentes, mas têm um traço comum: estão a viver a sua infância na guerra. Em Kiev, os alarmes do ataque aéreo soam diariamente e fazem parte da banda sonora da vida quotidiana. Quando os alarmes soam, os centros comerciais, os grandes armazéns e os edifícios administrativos são evacuados e os professores levam as crianças – em conformidade com os regulamentos – para abrigos na cave das escolas. Aí, as aulas prosseguem até que o alarme de fim soe, assinalando o fim do perigo.

Estas crianças, que nunca saíram de Kiev, viveram a guerra desde o seu início. Durante os primeiros meses do conflito, não frequentaram as aulas, porque as escolas foram utilizadas como abrigos para os deslocados internos das zonas mais afetadas. Sofreram ataques aéreos, bombardeamentos maciços e as consequências da destruição das instalações elétricas, que os deixaram sem eletricidade, água e aquecimento.

Segundo Núria Casanovas, a guerra pode afetar as crianças a todos os níveis: emocionalmente, neurologicamente e nas suas relações com os outros, porque as leva a viver situações em que perdem o sentido de proteção e confiança, facto que também pode influenciar a sua aprendizagem.

“O corpo, por vezes, dá prioridade à sobrevivência e, por isso, tem de dedicar muita energia à digestão e à gestão do stress vivido”, defende a psicóloga. “Isto interfere nos processos de aprendizagem e nas capacidades cognitivas; as situações traumáticas podem mesmo criar dissociação.

Mas, como tudo o resto, a situação de guerra pode afetar cada criança de forma diferente, pois há muitas variáveis a ter em conta, como o apoio familiar, as capacidades de inteligência, os recursos emocionais ou a história anterior, alerta a psicóloga. “No entanto, o que por vezes se observa é que, a curto prazo, as crianças pequenas parecem sofrer menos com a guerra, porque são mais resistentes e, em muitos casos, continuam a ter uma vida normal. “As consequências destas situações traumáticas vividas na primeira infância podem tornar-se um fator de dificuldade emocional a longo prazo, se não forem tratadas posteriormente. É importante que as crianças sejam acompanhadas por profissionais para que, no futuro, não sofram essas consequências. Neste sentido, é necessário trabalhar sobre estas questões, bem como no sentimento de segurança ou de proteção. Noutros casos, é também necessário trabalhar os traumas criados pela guerra, e estes requerem profissionais especializados. Não deve ser um tratamento imediato, porque há crianças que têm uma capacidade de resiliência muito forte e, mesmo com o apoio do pai, da mãe ou da escola, conseguem aguentar-se.

Como explica Casanovas, embora algumas crianças sejam muito resistentes, os adultos podem transmitir-lhes uma sensação de stress. “Mesmo que não estejam na zona quente da guerra e não vejam uma bomba diretamente, sentem o stress do seu ambiente, o que faz com que tenham uma sensação de sofrimento. “A criança sente-o indiretamente”.

Para ajudar as crianças a canalizarem uma situação como a guerra, Núria Casanovas explica que a primeira coisa a fazer é detetar como é que isso as está a afetar. Acrescenta que, em idades em que ainda não sabem exprimir-se tão bem como gostariam, a análise dos desenhos é uma boa ferramenta para conhecer o estado de saúde mental da criança.

1. Varia, 4 anos.

O primeiro desenho é o de Varia, de 4 anos. Depois de o analisar, Núria conclui que o tipo de gotas que ele faz mostra que é uma criança muito sensível, muito emotiva. A chuva aparece no canto direito, o que significa que Varia se está a projetar no futuro; “significa que a solução para esta criança, quando se sentir mal ou stressada, será pensar no que vai ser bom para ela no futuro, porque isso vai ajudá-la a sentir-se melhor”, defende a psicóloga. “O outro desenho, o da casa, é positivo porque o sol está desenhado à esquerda, e isso normalmente fala-nos de resiliência; ao mesmo tempo, o tipo de casa que desenha significa que mantém muita força interior, devido ao seu temperamento, apesar dos momentos difíceis que teve de viver”.

2. Violetta, 4 anos.

Como podemos ver, o desenho da casa feito por Violetta é semelhante ao de Varia, o que denota muita força e resiliência. “Para além disso, a porta – que tem uma forte presença na casa – fala de uma boa capacidade de comunicação e de interação com os outros”.

Violetta, por outro lado, não desenha um guarda-chuva para se proteger da chuva, e “isto indica que ela precisa de algum recurso para lidar com o stress, como relaxar ou aprender a gerir os seus pensamentos. Além disso, esta projeção da figura humana à chuva no lado direito da folha indica que ela tem tendência para pensar no futuro como um recurso para se sentir melhor em situações de stress”.

3. David, 5 anos.

O desenho seguinte, de David, de5 anos, mostra algum desconforto emocional. “Já podemos ver que a figura humana é mais desenhada com facas. Isto fala mais de uma tensão a nível emocional que é expressa no desenho”. As mãos – que falam da relação com a família – estão vermelhas e cerradas; por isso, podem expressar que há tensão a nível familiar ou que os pais estão mais tensos”.

Na imagem abaixo, a árvore da direita, que é muito grande, mostra uma necessidade de se apoiar na mãe. Ao mesmo tempo, tem orelhas muito grandes, o que indica que é uma criança muito sensível ao que sente e, por isso, as coisas devem ser-lhe ditas de uma forma muito positiva. Ao mesmo tempo, Casanovas salienta que talvez se deva evitar dizer-lhe coisas que são destinadas a adultos ou coisas que o possam preocupar demasiado.

4. Zlata, 4 anos.

Tal como o desenho de David, o desenho de Zlata denota uma necessidade da figura da mãe, que é representada pela grande árvore à esquerda. A casa tem uma janela no topo, o telhado e o círculo, que está ligado a uma necessidade de consciencialização. “Assim, Zlata precisa de estar muito consciente do porquê das coisas e do que pode e não pode fazer. No entanto, ela afasta a porta do chão, o que significa que sente que precisa de proteção.”

Na parte inferior do desenho, um arco-íris destaca-se sobre a figura humana, o que é um sinal de transformação. “Esta criança está a ver que as coisas estão a mudar para melhor.

5. Zoriana, 6 anos.

No desenho de Zoriana, destaca-seuma erva muito comprida, tão alta como as suas pernas, o que significa que ela projeta a sua necessidade de sentir ternura e muito positivismo na comunicação. A figura abaixo segura uma espécie de balão, o que denota a necessidade de controlo, ou seja, seria interessante deixar esta criança decidir as coisas, para evitar que se sinta desamparada. “O balão também remete para a necessidade de redescobrir a criança interior; indica que Zoriana tem a necessidade de preservar essa vida de criança, que brinca apesar da gravidade da situação que a rodeia”.

6. Orest, 6 anos.

O desenho de Orest é bastante positivo, pois a figura humana é maior do que a casa. À direita do telhado há duas linhas; uma delas, distorcida, pode indicar que a criança sente que a proteção está a ser enfraquecida. Normalmente, o lado direito está ligado ao pai, pelo que uma possibilidade é que Orest sinta uma potencial falta de proteção por parte do pai, talvez por este ter ido para a guerra ou por recear ter de partir no futuro. O desenho de uma árvore de cada lado da casa explica que ele está a desenvolver os recursos necessários para se sentir mais protegido.

7. Orest, 6 anos.

O outro desenho desta figura humana com a cabeça e os pés amarelos à chuva é interessante, porque contém um guarda-chuva muito bom e, portanto, indica que Orest tem a capacidade de pôr em ação as coisas com que se sente protegido. É de salientar uma nuvem, que denota o sentimento da criança de que “tudo me acontece, tudo dentro de mim cai”. É também de notar que os seus recursos são eficazes e que o facto de a personagem não ter cabelo indica que a situação que atravessa está a afetar a sua autoestima”. Podemos também ver que desenha o sol à direita, ao lado da nuvem. Isto significa que, apesar da presença de dificuldades e do stress que pode estar a viver, também é capaz de ver que há coisas positivas.

8. Rita, 5 anos.

Finalmente, no desenho da Rita, de 5 anos, a falta de recursos sobressai: “a pessoa à chuva não tem guarda-chuva e, embora pareça uma criança feliz e sensível – devido às pestanas e aos olhos cor-de-rosa que desenha -, esta falta de um instrumento de proteção no desenho denota uma necessidade de recursos a que se agarrar numa situação difícil da vida real”.

“No desenho da árvore destaca-se – devido ao tipo de copa e às rachas – que talvez esteja a sofrer de preocupações a nível mental, pois a copa está ligada ao nível mental da pessoa”. “A casa também é cor-de-rosa, tal como o rosto em baixo, por isso, apesar das preocupações e tensões, há um aspeto doce que é importante e que seria positivo”, conclui a psicóloga.

“Nestes desenhos, um dos aspetos importantes das representações de pessoas à chuva é o facto de levarem ou não guarda-chuvas. A maior parte das personagens não tem guarda-chuva, ou este não é muito funcional, o que sugere que as personagens não se sentem bem protegidas”. “Isto significa que são crianças que não têm recursos ou defesas para se protegerem de situações difíceis”.

“Se são filhos da guerra, apesar da sua capacidade, viveram uma situação da qual não conseguiram escapar: são afetados por situações de stress.

No entanto, Casanovas salienta que os desenhos são bastante positivos, talvez devido à zona onde estas crianças vivem. A psicóloga sublinha que analisou diferentes desenhos de crianças da Ucrânia que tiveram a ajuda da Cruz Vermelha aqui na Catalunha, e que “estes desenhos canalizavam situações extremamente traumáticas”. “Mostram crianças partidas, pessoas com sangue, pessoas mortas, cadáveres e metralhadoras. E é aí que o desenho nos permite canalizar aquilo que por vezes a criança não explica, porque não quer ou não pode”.

Actividades complementares

FACIL

Os desenhos da guerra na Ucrânia

Escrito por Andrea Gabarró

A psicóloga Núria Casanovas analisa os desenhos de sete crianças que viveram a guerra em Kiev, a capital da Ucrânia, ameaçada de invasão pelas tropas de Vladimir Putin há mais de um ano.

No complexo mundo emocional das crianças, os desenhos podem muitas vezes ser um canal de comunicação mais poderoso do que as palavras. Este é o princípio que a psicóloga Núria Casanovas abraçou na sua carreira, especializando-se na interpretação dos desenhos das crianças como uma janela para os seus pensamentos e sentimentos. Além disso, partilhou a sua experiência através de um livro que serve de guia para os interessados em compreender melhor este aspeto da psicologia infantil.

Entretanto, em locais como a Ucrânia, as crianças enfrentam desafios únicos devido à guerra. Desde que o conflito começou, há quase dois anos, deixou um rasto de devastação, terminando com vidas e deixando milhões de pessoas a precisar de ajuda humanitária. As crianças de cidades como Kiev, onde a guerra se tornou uma parte inquietante da vida quotidiana, debatem-se com a ansiedade e o trauma de uma realidade marcada por alarmes de ataques aéreos e bombardeamentos.

De acordo com os números da Organização das Nações Unidas (ONU), as consequências da guerra na Ucrânia são desoladoras: milhares de vidas perdidas, uma destruição incalculável e milhões de pessoas a necessitar de assistência. Além disso, o tecido social e económico do país foi gravemente afetado, com ataques frequentes a infraestruturas críticas e um declínio significativo do emprego, deixando milhões de pessoas, incluindo muitas crianças, em risco de sofrer de perturbações de stress pós-traumático.

Através dos desenhos de crianças que vivem em Kiev, é possível vislumbrar as várias formas como a guerra afetou as suas vidas. Desde a perturbação da sua rotina diária até à perda de entes queridos e à destruição do seu ambiente, estas crianças estão a viver a sua infância no meio do caos e da incerteza. Muitas vezes, as escolas, que deveriam ser refúgios seguros para elas, foram transformadas em abrigos improvisados para quem fugiu de outras zonas do país, deixando estas crianças expostas a uma realidade cruel e incompreensível.

A psicóloga Núria Casanovas salienta a importância de compreender como a guerra afeta as crianças a todos os níveis: emocional, neurológico e nas suas relações com os outros. A perda de um sentimento de segurança e de confiança pode ter um impacto significativo no seu desenvolvimento cognitivo e emocional, o que torna essencial proporcionar-lhes o apoio adequado para lidarem com esta situação.

Embora algumas crianças demonstrem uma capacidade de resistência notável, é fundamental reconhecer que a guerra pode deixar marcas emocionais profundas que exigem cuidados a longo prazo. É fundamental que as crianças afetadas sejam acompanhadas por profissionais formados para as ajudar a processar as suas experiências e a desenvolver estratégias para lidar com o trauma.

Neste sentido, a análise dos desenhos das crianças pode ser uma ferramenta valiosa para compreender o seu estado emocional e oferecer-lhes o apoio de que necessitam. Através dos desenhos e imagens que criam, as crianças podem expressar o que muitas vezes não conseguem exprimir por palavras, proporcionando uma visão única do seu mundo interior e das suas necessidades emocionais. Num contexto de guerra e trauma, compreender e responder a estas expressões artísticas pode fazer toda a diferença no caminho para a cura e a recuperação emocional destas crianças vulneráveis.

1. Varia, 4 anos.

O primeiro desenho é o de Varia, de 4 anos. Depois de o analisar, Núria conclui que o tipo de gotas que ele faz denota que é uma criança muito sensível, muito emotiva. A chuva aparece no canto direito, o que significa que Varia se está a projetar no futuro; “significa que a solução para esta criança, quando se sentir mal ou stressada, será pensar no que vai ser bom para ela no futuro, pois isso vai ajudá-la a sentir-se melhor”, defende a psicóloga. “O outro desenho, o da casa, é positivo porque o sol está desenhado à esquerda, e isso normalmente fala-nos de resiliência; ao mesmo tempo, o tipo de casa que desenha significa que mantém muita força interior, devido ao seu temperamento, apesar dos momentos difíceis que teve de viver”.

2. Violetta, 4 anos.

Como podemos ver, o desenho da casa feito por Violetta é semelhante ao de Varia, o que denota muita força e resiliência. “Para além disso, a porta – que tem uma forte presença na casa – fala de uma boa capacidade de comunicação e de interação com os outros”.

Violetta, por outro lado, não desenha um guarda-chuva para se proteger da chuva, e “isto indica que ela precisa de algum recurso para lidar com o stress, como relaxar ou aprender a gerir os seus pensamentos. Além disso, esta projeção da figura humana à chuva no lado direito da folha indica que ela tem tendência para pensar no futuro como um recurso para se sentir melhor em situações de stress”.

3. David, 5 anos.

O desenho seguinte, de David, de 5 anos, mostra algum desconforto emocional. “Já podemos ver que a figura humana é mais desenhada com facas. Isto fala mais de uma tensão a nível emocional que é expressa no desenho”. As mãos – que falam da relação com a família – estão vermelhas e cerradas; por isso, podem expressar que há tensão a nível familiar ou que os pais estão mais tensos”.

Na imagem abaixo, a árvore da direita, que é muito grande, mostra uma necessidade de se apoiar na mãe. Ao mesmo tempo, tem orelhas muito grandes, o que indica que é uma criança muito sensível ao que sente e, por isso, as coisas devem ser-lhe ditas de uma forma muito positiva. Ao mesmo tempo, Casanovas salienta que talvez se deva evitar dizer-lhe coisas que são pretendidas pelos adultos ou coisas que o possam preocupar demasiado.

4. Zlata, 4 anos.

Tal como o desenho de David, o desenho de Zlata denota uma necessidade da figura da mãe, que é representada pela grande árvore à esquerda. A casa tem uma janela no topo, o telhado e o círculo, o que está ligado a uma necessidade de consciencialização. “Assim, Zlata precisa de estar muito consciente do porquê das coisas e do que pode e não pode fazer. No entanto, ela afasta a porta do chão, o que significa que sente que precisa de proteção.”

Na parte inferior do desenho, um arco-íris destaca-se sobre a figura humana, o que é um sinal de transformação. “Esta criança está a ver que as coisas estão a mudar para melhor.

5. Zoriana, 6 anos.

No desenho de Zoriana, destaca-se uma erva muito comprida, tão alta como as suas pernas, o que significa que ela projeta a sua necessidade de sentir ternura e muito positivismo na comunicação. A figura abaixo segura uma espécie de balão, o que denota a necessidade de controlo, ou seja, seria interessante deixar esta criança decidir as coisas, para evitar que se sinta desamparada. “O balão também remete para a necessidade de redescobrir a criança interior; indica que Zoriana tem a necessidade de preservar essa vida de criança, que brinca apesar da gravidade da situação que a rodeia”.

6. Orest, 6 anos.

O desenho de Orest é bastante positivo, pois a figura humana é maior do que a casa. À direita do telhado há duas linhas; uma delas, distorcida, pode indicar que a criança sente que a proteção está a ser enfraquecida. Normalmente, o lado direito está ligado ao pai, pelo que uma possibilidade é que Orest sinta uma potencial falta de proteção por parte do pai, talvez por este ter ido para a guerra ou por recear ter de partir no futuro. O desenho de uma árvore de cada lado da casa explica que ele está a desenvolver os recursos necessários para se sentir mais protegido.

7. Orest, 6 anos.

O outro desenho desta figura humana com a cabeça e os pés amarelos à chuva é interessante, porque contém um guarda-chuva muito bom e, portanto, indica que Orest tem a capacidade de pôr em ação as coisas com que se sente protegido. É de salientar uma nuvem, que denota o sentimento da criança de que “tudo me acontece, tudo dentro de mim cai”. É também de salientar que os seus recursos são eficazes e que o facto de a personagem não ter cabelo indica que a situação que atravessa está a afetar a sua autoestima”. Vemos também que ele desenha o sol à direita, ao lado da nuvem. Isto significa que, apesar da presença de dificuldades e do stress que pode estar a viver, ele também é capaz de ver que há coisas positivas.

8. Rita, 5 anos.

Finalmente, no desenho da Rita, de 5 anos, a falta de recursos sobressai: “a pessoa à chuva não tem guarda-chuva e, embora pareça uma criança feliz e sensível – devido às pestanas e aos olhos cor-de-rosa que desenha -, esta falta de um instrumento de proteção no desenho denota uma necessidade de recursos a que se agarrar numa situação difícil da vida real”.

“No desenho da árvore destaca-se – devido ao tipo de copa e às rachaduras – que talvez esteja a sofrer de preocupações a nível mental, pois a copa está ligada ao nível mental da pessoa. “A casa também é cor-de-rosa, tal como o rosto em baixo, por isso, apesar das preocupações e tensões, há um aspeto doce que é importante e que seria positivo”, conclui a psicóloga.

“Nestes desenhos, um dos aspetos importantes das representações de pessoas à chuva é o facto de levarem ou não guarda-chuvas. A maior parte das personagens não tem guarda-chuva, ou este não é muito funcional, o que sugere que as personagens não se sentem bem protegidas”. “Isto significa que são crianças que não têm recursos ou defesas para se protegerem de situações difíceis”.

“Se são filhos da guerra, apesar da sua capacidade, viveram uma situação da qual não conseguiram escapar: são afetados por situações de stress.

No entanto, Casanovas salienta que os desenhos são bastante positivos, talvez devido à zona onde estas crianças vivem. A psicóloga sublinha que analisou diferentes desenhos de crianças da Ucrânia que foram ajudadas pela Cruz Vermelha aqui na Catalunha, e que “estes desenhos canalizavam situações extremamente traumáticas”. “Mostram crianças partidas, pessoas com sangue, pessoas mortas, cadáveres e metralhadoras. E é aí que o desenho nos permite canalizar aquilo que por vezes a criança não explica, porque não quer ou não pode”.

☑️ Teste os seus conhecimentos

Questionário de compreensão de leitura. Os desenhos da guerra na Ucrânia

Passo 1 de 3

Que papel desempenham os desenhos das crianças de Kiev no contexto do texto?
saltar para o conteúdo