O impacto da solidão indesejada nos jovens

Um em cada quatro jovens espanhóis sente-se só. Imagem da Câmara Municipal de Barcelona.

Escolha o seu nível de leitura:

PADRÃO

O impacto da solidão indesejada nos jovens

Escrito por Laura Casamitjana

Um quarto dos espanhóis entre os 16 e os 29 anos é afetado pelo problema, segundo um estudo.

Uma pessoa idosa, sem redes familiares – ou com uma muito pobre -, que vive sozinha e pode ter alguns problemas de autonomia. Este é o perfil clássico que surge na mente quando se fala de solidão indesejada. No entanto, um relatório refere outro grupo vulnerável: os jovens.

O “Estudo sobre os jovens e a solidão indesejada em Espanha”, realizado pela SoledadES em colaboração com a Ayuda en Acción, indica que um em cada quatro jovens é afetado pela solidão indesejada. Ou seja, 25,5% das pessoas com idades compreendidas entre os 16 e os 29 anos. Do total de pessoas em situação de solidão indesejada, há fatores diferenciais que são mais prevalentes entre as pessoas que fazem parte de grupos historicamente discriminados. Trata-se das mulheres (31,1%), das pessoas com deficiência (54,4%), do grupo LGBTQI+ (39,7%) e das pessoas de origem estrangeira (32,8%).

A qualidade e a quantidade das relações sociais são determinantes.

A base da solidão indesejada reside na qualidade e na quantidade das relações. Nesta fase da vida, os amigos desempenham um papel crucial, “as relações de amizade são as que têm maior impacto na solidão dos jovens, acima da família, do trabalho ou dos estudos”, explica o relatório. O relatório refere que ter menos relações com os amigos do que o desejado é “um fator significativo, que aumenta a probabilidade de sofrer de solidão indesejada mais do que qualquer outro, em 4,7 vezes”.

Toda esta questão está interligada com as competências e atitudes sociais. As pessoas que se sentem sós confiam muito menos nos outros e o ceticismo pode, por sua vez, estar enraizado em acontecimentos traumáticos: “a percentagem de pessoas que foram vítimas de bullying na escola ou no trabalho em algum momento das suas vidas é quase o dobro entre os jovens que experimentam uma solidão indesejada (58,1% foram vítimas de bullying) do que entre os jovens que não o foram (32,1% foram vítimas de bullying)”.

Causalidades, uma moeda de várias faces

O fenómeno é multicausal. O desemprego e a desigualdade são dois grandes eixos de relação direta: “os desempregados apresentam uma prevalência de solidão 5 pontos mais elevada do que os que estudam ou trabalham […] a prevalência entre os jovens de agregados familiares com dificuldades económicas é quase duas vezes superior à dos jovens de agregados familiares que conseguem fazer face às despesas (36% contra 19,4%)”, refere o relatório. O relatório acrescenta categoricamente que “a análise multivariada revela que a relação entre pobreza e solidão é significativa”.

Um dos principais fatores de estudo foi a forma como a digitalização afeta os “nativos digitais” da geração Z.

Verificou-se que o face a face continua a ganhar aos ecrãs: “as pessoas que têm relações com amigos principalmente online têm duas vezes mais probabilidades de sofrer de solidão indesejada.

No entanto, ter relações principalmente online ou à distância com membros da família ou em ambiente de trabalho ou de estudo não tem um efeito significativo na solidão”. A questão, portanto, está na qualidade do face a face, pois o mundo digital em determinadas situações pode ser um aliado.

Outra questão que preocupa a gen z  é a saúde mental. Neste caso, também tem uma influência bidirecional, e uma saúde mental deficiente e um maior risco de vulnerabilidade estão diretamente relacionados: “As pessoas que sofrem de solidão sofrem, na grande maioria dos casos, de alguma forma de ansiedade ou depressão, 77,8% dos casos, em comparação com 34,8% entre aqueles que não sofrem de solidão. Além disso, os jovens que se sentem sós têm um nível de autoestima mais baixo do que os que não se sentem sós”. Considerando a saúde de uma forma mais genérica, outro facto relevante demonstrado no estudo é que as pessoas que “percecionam o seu estado de saúde de uma forma negativa ou regular têm 42,2% mais probabilidades de sofrer de solidão indesejada”.

Prevenir, detetar, intervir: as três ferramentas para combater o fenómeno

Para atenuar a solidão indesejada, SoledadES salienta a necessidade de prevenção, deteção e intervenção. O ecossistema educativo é fundamental para levar a cabo esta tarefa, por exemplo, estão empenhados em promover a educação emocional e a inclusão em todos os níveis de ensino. Nesta linha de trabalho, outra abordagem do relatório é “reforçar o pessoal educativo para melhorar os rácios, a qualidade da educação e, por conseguinte, a equidade educativa e os níveis de sucesso, ou reforçar e adaptar as políticas ativas de emprego para os jovens”. Desenvolver serviços específicos de assistência aos jovens com vista a reduzir a solidão, reforçar os sistemas de proteção e de alerta precoce ligados à saúde mental, promover a participação dos jovens na conceção e na aplicação das políticas públicas na matéria e favorecer os espaços de interação social são algumas das outras iniciativas destinadas a reduzir o impacto do problema.

Actividades complementares

FACIL

O impacto da solidão indesejada nos jovens

Escrito por Laura Casamitjana

Um quarto dos espanhóis entre os 16 e os 29 anos é afetado pelo problema, segundo um estudo.

Uma pessoa idosa, sem redes familiares – ou com uma muito pobre -, que vive sozinha e pode ter alguns problemas de autonomia. Este é o perfil clássico que surge na mente quando se fala de solidão indesejada. No entanto, um relatório refere outro grupo vulnerável: os jovens.

O “Estudo sobre os jovens e a solidão indesejada em Espanha”, realizado pela SoledadES em colaboração com a Ayuda en Acción, indica que um em cada quatro jovens é afetado pela solidão indesejada. Ou seja, 25,5% das pessoas com idades compreendidas entre os 16 e os 29 anos. Do total de pessoas em situação de solidão indesejada, existem fatores diferenciais que são mais prevalentes entre as pessoas que fazem parte de grupos historicamente discriminados. Trata-se das mulheres (31,1%), das pessoas com deficiência (54,4%), do grupo LGBTQI+ (39,7%) e das pessoas de origem estrangeira (32,8%).

A qualidade e a quantidade das relações sociais são determinantes.

A importância das amizades na luta contra a solidão dos jovens foi destacada num relatório recente. De acordo com o estudo, as amizades desempenham um papel crucial na vida dos jovens, ultrapassando mesmo as relações familiares, profissionais ou académicas. Verificou-se que ter menos amigos do que o desejado aumenta significativamente o risco de sentir solidão indesejada em até 4,7 vezes.

Esta análise revela igualmente que a confiança interpessoal e as experiências traumáticas estão estreitamente relacionadas com a solidão dos jovens. De acordo com os dados, a percentagem de jovens que foram vítimas de bullying na escola ou no trabalho é quase duas vezes superior entre os que sofrem de solidão indesejada, em comparação com os que não sofrem. Estes resultados sublinham a necessidade de abordar os desafios sociais e emocionais enfrentados pelos jovens para combater a solidão indesejada nesta fase da vida.

Causalidades, uma moeda de várias faces

A solidão entre os jovens têm várias causas. De acordo com um relatório, o desemprego e a desigualdade económica são dois dos principais fatores. As pessoas desempregadas têm 5% mais probabilidades de se sentirem sós do que as que trabalham ou estudam. Além disso, a solidão é quase duas vezes mais elevada entre os jovens de famílias economicamente desfavorecidas do que entre os de famílias mais abastadas (36% contra 19,4%).

Outra questão importante é a forma como a tecnologia afeta os jovens. Embora a Geração Z esteja muito familiarizada com o mundo digital, as relações cara-a-cara continuam a ser fundamentais para evitar a solidão. As pessoas que mantêm a maioria das suas relações online têm duas vezes mais probabilidades de se sentirem sozinhas. No entanto, ter relações online com familiares ou colegas de trabalho/estudo não aumenta a perceção de solidão.

A saúde mental também desempenha um papel importante. A maioria das pessoas que se sentem sós têm problemas de ansiedade ou depressão, muito mais do que as pessoas que não se sentem sós. Têm também uma autoestima mais baixa. Outra descoberta interessante é que as pessoas que consideram a sua saúde negativa ou razoável têm 42,2% mais probabilidades de se sentirem sozinhas. Estes resultados sublinham a importância de abordar não só questões sociais, mas também emocionais e de saúde mental para combater a solidão entre os jovens.

Prevenir, detetar, intervir: as três ferramentas para combater o fenómeno

Para combater a solidão indesejada, SoledadES coloca o foco na prevenção, na deteção e na intervenção. Sublinha a importância do sistema educativo, propondo mais educação emocional e inclusão a todos os níveis. Além disso, sugere a melhoria das condições do pessoal educativo para garantir um ensino de qualidade e equitativo.

O relatório defende igualmente a adaptação das políticas de emprego às necessidades dos jovens. Propõe a criação de serviços específicos de assistência aos jovens, o reforço dos sistemas de proteção da saúde mental e o incentivo à participação ativa dos jovens na formulação das políticas públicas. A promoção de espaços de interação social é outra iniciativa fundamental para reduzir o impacto da solidão indesejada.

☑️ Teste os seus conhecimentos

Questionário de compreensão de leitura. O impacto da solidão indesejada nos jovens

Passo 1 de 3

Que percentagem de jovens entre os 16 e os 29 anos é afetada pela solidão indesejada, de acordo com o "Estudo sobre a juventude e a solidão indesejada em Espanha"?
saltar para o conteúdo