“Orfandade social”, uma doença endémica da Ucrânia que a guerra tornou visível

  • A família de acolhimento de Katarina Dolgova e os seus dez filhos desfrutam do jantar num dia qualquer. | David Melero.

Escolha o seu nível de leitura:

PADRÃO

“Orfandade social”, uma doença endémica da Ucrânia que a guerra tornou visível

Escrito por Andrea Gabarró

A guerra virou todas as atenções para a Ucrânia. E para além da tragédia do conflito, estão a surgir problemas endémicos da sociedade. Um dos mais graves é a "orfandade social", as mais de 100.000 crianças que vivem em instituições herdadas do sistema "pós-soviético".

Para além da delicada condição da orfandade na Ucrânia, com um sistema de orfanatos pós-soviético em lenta reforma, existe o complicado estatuto do “órfão social”. Os órfãos sociais são as crianças que não têm figuras parentais devido à negligência dos pais e não à morte. Problemas com o abuso de álcool, o sistema judicial ou uma economia cada vez mais enfraquecida são algumas das razões pelas quais as crianças são retiradas das mãos dos pais pelos serviços sociais. Um problema endémico que, com o conflito armado que começou em 2014, parece ser cada vez mais evidente.

Dez cabeças regressam a casa na traseira de uma carrinha conduzida por uma mulher ruiva de cabelo curto. Uma cruz pendurada no espelho retrovisor central é abanada ao ritmo da estrada e, ao fundo, os êxitos musicais transmitidos pelo programa das 17 horas. Por baixo, um crachá azul e amarelo é orgulhosamente exibido. Atrás, Veronika, vestida de cor-de-rosa da cabeça aos pés, sorri maliciosamente enquanto diz à sua irmã mais velha, Marichka, ao colo da qual se senta, para dar lugar aos convidados que hoje vêm lanchar a sua casa. Sasha e Sashko, ambos com 13 anos, murmuram em ucraniano sobre o plano para esta tarde, enquanto Maksym, com uma cara travessa, olha pela janela em busca de um sítio que lhe diga que está perto de poder voltar a correr. Os dez irmãos partilham anedotas e atritos quotidianos no banco de trás do veículo. Não se trata de uma adaptação ucraniana de Os Serranos, mas da Família de Acolhimento que Katarina Dolgova construiu ao longo dos anos.

Os termos foster care ou fostering, traduzem-se como “cuidados de acolhimento” ou “acolhimento”, são utilizados nos Estados Unidos e na Europa para designar os cuidados prestados a uma criança em contextos familiares sem relação de parentesco, geralmente numa base temporária (embora possa ser de longa duração). Trata-se de uma colocação administrada e regulada pelo Estado, que acontece durante o período de espera por opções permanentes de vida, como o regresso à família de origem, a adoção ou a maioridade. Este conceito ganhou particular destaque no país nos últimos anos, uma vez que o governo ucraniano tomou medidas para reformar o sistema de proteção da criança, com o objetivo de passar dos cuidados institucionais para os cuidados familiares. De acordo com o psicólogo da saúde Blanca Inés Santa María, especialista em terapia familiar e gestão emocional, o acolhimento numa família dá às crianças a experiência de que existem outras realidades para além da sua. “Dá-lhes outra oportunidade de experimentar a família, de ver outros tipos de relações, interações e dinâmicas familiares mais saudáveis; outros tipos de linguagens amorosas”, explica Santa Maria. Muitas vezes, as famílias de onde estas crianças provêm são muito desestruturadas, com “muitos problemas e um elevado nível de agressividade e de emoções alteradas: muita expressão emocional muito intensa – gritos, insultos, agressões verbais e físicas, quebra de mobiliário, etc.”, continua a psicóloga. É por isso que, segundo Blanca Inés, dar-lhes mais recursos para progredirem é dar-lhes “outra oportunidade de vida”. Apesar de todas as vantagens do acolhimento familiar em relação ao modelo tradicional de orfanato, os progressos têm sido lentos e há ainda muitos desafios a enfrentar.

Esta professora de teologia e história decidiu, há alguns anos, que queria ser mãe adotiva e iniciou todos os procedimentos junto dos serviços sociais para o poder fazer. A sua irmã mais velha foi também uma criança de acolhimento e vê-se refletida nestas crianças. “Desde pequena que adoro crianças, estava sempre a tomar conta dos filhos dos meus vizinhos, é algo de que sempre gostei muito”, diz Katarina. Outra razão pela qual decidiu criar uma família de acolhimento foi o facto de, enquanto diretora de um orfanato, se ter apercebido de que as crianças órfãs não eram assim tão difíceis de lidar. “Vi que as crianças são aquilo que os adultos lhes permitem ser”, explica Dolgova. “Percebi que o sistema de cuidados institucionais estava a falhar e que era necessário para o futuro das crianças ter a oportunidade de experimentar a vida no seio de uma família”, continua.

Katarina Dolgova conta como acabou por ter dez crianças ao seu cuidado atualmente e quinze desde que começou como mãe de acolhimento: “Peguei nas primeiras crianças do orfanato onde estava a trabalhar. Eram crianças bastante difíceis, mas eu tinha orgulho nelas e queria mostrar-lhes que podiam mudar”, diz. “Sofri muito por essas crianças, mas agora posso dizer que não tenho medo de nada”, continua. Explica que os mais velhos estão bem: um deles está prestes a licenciar-se, tem um emprego e vai casar-se no outono. Recebe frequentemente visitas dos seus filhos adotivos e estes ajudam-na em tudo o que precisa. Pouco depois de se mudar para Lviv, tornou-se mãe de mais duas crianças: Yeyhen e a sua irmã mais velha, Marta. “Aceitei-as simplesmente, foram-me confiadas e eu, que acredito em Deus, sei que se ele permite algo, é porque eu preciso”, explica Dolgova calmamente. Mais tarde, acolheu Solomiya, cuja cuidadora – a sua avó – adoeceu e não pôde tomar conta dela, e também Sasha. Este último tinha 5 anos e Katarina hesitou em acolhê-lo por causa da situação delicada da mãe, que estava na prisão e pensava que, quando saísse, o levaria de volta e seria um cenário muito complicado.

Veronika, Marishcka, Maksym, Yura, Sasha, Sashko, Volodia, Ivan, Solomiya e Stepan a caminho de casa na parte de trás da carrinha de Katarina. | David Melero.

Na altura, já tinha sete crianças a seu cargo e precisava de acolher mais algumas para poder ser considerada uma casa de acolhimento. “Pedi aos serviços sociais que me dessem crianças mais novas, eu só tinha adolescentes”, ri-se. Assim, entraram mais três crianças na sua vida: Marichka, de sete anos, Sashko, de seis, e Volodia, de quatro. Adriana deixou a família e Tanya chegou, e assim viveram durante cerca de cinco anos, até que Mykhailo partiu, seguido de Tanya. No espaço de um ano e meio, recebeu Veronika e Maksym, de três e quatro anos, cujo irmão mais velho já vivia com Katarina. “Depois descobri que Marichka, Sasha e Volodya tinham mais dois irmãos e começámos a acompanhar o processo de acolhimento: estabelecemos contacto com eles, as crianças visitaram os irmãos num orfanato”, conta Katarina. Finalmente, quando obtiveram o estatuto legal de crianças privadas dos pais, Stepan e Marta puderam juntar-se à família.

A situação das crianças na Ucrânia

A situação das crianças na Ucrânia é invulgar, com o maior número de crianças da Europa colocadas numa vasta, opaca e frequentemente disfuncional rede de orfanatos, internatos ou instituições para deficientes. Cerca de 160.000 crianças vivem ao cuidado do Estado na Ucrânia e, segundo as Nações Unidas, quase 100.000 estavam espalhadas pelos mais de 600 orfanatos do país quando a guerra rebentou. A ONU alerta também, no seu último relatório, para o facto de metade destas crianças ter algum tipo de deficiência. Além disso, de acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), muitas destas crianças são consideradas órfãs sociais, ou seja, crianças que foram separadas dos pais devido à pobreza, negligência ou abuso, e não devido à morte dos pais.

Havia “dezenas de milhares de crianças a viver nestas instituições antes da guerra, é enorme”, alertou Geneviève Colas, coordenadora do coletivo Juntos Contra o Tráfico de Seres Humanos da Caritas França, numa conferência de imprensa há alguns anos. Um estudo realizado em 2016 pela organização Hope and Homes for Children concluiu que existe uma falha no extenso sistema de orfanatos e outras instituições da Ucrânia para proteger as crianças vulneráveis. O estudo, que compila dados de 663 orfanatos ucranianos, alega que, num país com uma das taxas mais elevadas de acolhimento institucional na Europa, existe um sistema “estagnado”, com os diretores a recategorizarem as suas instituições num processo de “reforma fictícia”.

A auditoria integral do sistema, monitorizada pela Hope and Homes for Children em 2016, teve como objetivo compreender como e porquê as crianças são colocadas em instituições, as condições em que vivem e o impacto que isso tem no seu desenvolvimento e oportunidades de vida. Após a realização do estudo, as declarações da organização são desanimadoras: “a proteção das crianças na Ucrânia ainda depende de uma rede institucional extensa, do tamanho de uma cidade, onde as crianças vivem isoladas do resto da sociedade, condenadas a regulamentos arbitrários e rotinas impessoais”, escrevem os membros da organização num artigo. “Em termos de atitude em relação às crianças e de compreensão das suas necessidades, pouco mudou no sistema de proteção infantil da Ucrânia desde os tempos soviéticos”, afirmou Halyna Postoliuk, diretora da organização na Ucrânia em 2016.

Katarina segura orgulhosa e sorridente um retrato feito pela sua filha adotiva Marishka. | David Melero.

Infelizmente, a situação não se alterou muito desde que o estudo foi efetuado. Na Ucrânia, os orfanatos são chamados “internatos” e são normalmente instituições geridas pelo governo que acolhem crianças que ficaram órfãs.

As crianças em internatos podem viver em dormitórios com várias outras crianças ou em pequenos grupos familiares, embora estes últimos sejam a exceção. Normalmente, recebem as necessidades básicas, como alimentação, vestuário e cuidados médicos, mas a qualidade destes serviços pode variar consoante as condições do estabelecimento. Os internatos têm geralmente recursos e pessoal limitados, o que pode afetar a qualidade dos cuidados e do apoio que as crianças recebem. As crianças podem frequentar a escola nas instalações ou em escolas próximas.

Dependências, abusos ou instabilidade económica: algumas das razões pelas quais tantas crianças ficam órfãs, apesar de terem pais.

De acordo com um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), em 2021, estima-se que 100 000 crianças viviam em instituições na Ucrânia e cerca de 75% delas eram órfãs sociais.

A dura infância de crianças cujos pais sofrem de alcoolismo numa região tão conturbada como o Donbass – uma zona do leste da Ucrânia que faz fronteira com a Rússia e que, desde o início da guerra do Donbass, em 2014 e após o início da invasão russa no ano passado, é uma área fragmentada agora sob domínio russo – é captada em A House Made of Splinters, um documentário do realizador dinamarquês Simon Lereng. “A nossa ideia era tornar visíveis as crianças que já estavam no degrau mais baixo de uma sociedade totalmente devastada pelas feridas do conflito entre a Rússia e a Ucrânia”, disse Lereng em entrevista à EFE. A maioria das crianças apresentadas no filme ficou vulnerável depois de os serviços sociais as terem retirado da custódia de pais que sofriam de alcoolismo e não tinham capacidade para cuidar delas. As histórias de Eva, Sasha, Polina e Kolya – as crianças do orfanato que constituem o enredo do filme – são as histórias das cerca de 100.000 crianças ucranianas que estão ao cuidado do Estado. Um número que irá, seguramente, aumentar nos próximos anos devido ao atual conflito armado.

“Houve algumas melhorias pontuais, mas, de um modo geral, os governos não lançaram as bases necessárias para evitar a desintegração familiar e garantir uma abordagem integrada à proteção dos direitos das crianças”, afirma Halyna Postoliuk, Diretora da Hope and Homes for Children na Ucrânia. O acolhimento institucional continua a ser a resposta mais comum das autoridades às crianças cujas famílias têm dificuldade em cuidar delas, em grande parte devido à pobreza e à deficiência.

Assim, um dos principais problemas na Ucrânia é a falta de proteção das crianças, que, afinal, serão o futuro do país. O problema dos órfãos sociais na Ucrânia pode dever-se a muitos fatores. Sofia Vasylechko, educadora social no orfanato Orphans Care Center, destaca os seguintes como os mais importantes:

Uma das principais razões é a instabilidade económica e social que a Ucrânia tem vivido desde que se tornou independente da União Soviética, em 1991. Esta instabilidade conduziu a elevados níveis de pobreza, desemprego e desigualdade social, tornando difícil a vida de muitas famílias. Além disso, o atual conflito no leste da Ucrânia também teve um impacto significativo no número de órfãos sociais. Desde o início do conflito em 2014, milhares de pessoas foram mortas e muitas mais foram deslocadas das suas casas, o que levou a um aumento do número de crianças que ficaram sem pais ou cuidadores. Outros fatores que contribuíram para o elevado número de órfãos sociais na Ucrânia, diz Sofia, incluem o inadequado sistema de proteção infantil do país, a falta de acesso à educação e aos cuidados de saúde e uma elevada prevalência de abuso de substâncias e violência doméstica.

A delicada situação burocrática dos órfãos sociais

Katarina explica que, para poder ser uma tutora de acolhimento, é necessário passar por um processo que faz parte de um programa governamental destinado a melhorar a situação das crianças na Ucrânia, tendo em vista a desinstitucionalização. Através deste processo, o Estado paga uma determinada quantia para ajudar a criar cada criança e também dá dinheiro para a manutenção da casa. Durante o processo, são investigados diferentes aspetos da vida do requerente: educação, saúde física e mental, situação económica, etc. Além disso, o candidato é submetido a vários testes e entrevistas.

Sasha e Saschko oferecem aos seus convidados da tarde uma variedade de frutas, biscoitos, café e chocolates preparados por eles próprios sob a orientação da sua mãe de acolhimento Katarina. | David Melero.

Existe ainda outro obstáculo para que uma criança cujos pais ainda estão vivos tenha acesso a um lar de acolhimento: os pais têm de ser oficialmente privados dos seus direitos parentais, o que é um processo longo e delicado. É também de salientar que, segundo Blanca Inés Santa María, privar os pais dos seus filhos pode ser muito frustrante e pode levar a perturbações do estado anímico, resultantes da situação, ou agravar a situação prévia de que essas pessoas sofriam: uma mãe que sofria de problemas de alcoolismo pode beber ainda mais se os seus filhos lhe forem retirados. “A experiência partilhada pela maioria dos pais que são privados dos seus filhos é que são maus pais e isso é doloroso para qualquer pai, independentemente da razão pela qual não estão preparados para o ser e de saberem que é melhor para os seus filhos estarem longe deles”, afirma Santa Maria.

Que papel desempenham as figuras materna e paterna no desenvolvimento de um indivíduo?

Para as crianças, a família é o núcleo onde se estabelecem os laços afetivos desde os primeiros tempos. Normalmente, os laços que se estabelecem com a família de origem têm um impacto que se reflete ao longo da vida. A família é o lugar onde as crianças estabelecem um vínculo afetivo dependente que visa a sobrevivência e o desenvolvimento adequado. Para além disso, a família constitui uma fonte de apoio emocional necessária para um crescimento psicologicamente saudável. O modelo oferecido pela família é vital para lhes proporcionar a autoconfiança e a segurança em si próprios que se refletirão no resto da sua vida adulta (Palacios e Rodrigo, 1998). Esther Càceres, psicóloga da saúde, sublinha a importância da primeira infância e do tipo de vínculo pais-filhos que aí se estabelece, porque, segundo a terapeuta, “é através do vínculo e da socialização primária – sobretudo com aqueles que exercem a função paterna e materna – que se desenvolve a personalidade da criança”. E acrescenta que “estima-se que a personalidade dos indivíduos cristaliza 65% até aos sete anos de idade”. Blanca Inés Santa Maria, psicóloga da saúde especializada em terapia familiar, explica que a vinculação é a forma como nos ligamos e nos relacionamos com os outros, “por isso, tem uma grande influência na socialização e na autoestima”, continua. Acrescenta ainda que “a relação que construímos com os nossos pais e o tipo de vinculação que temos com eles condiciona o resto da nossa vida: a nossa saúde mental, física e emocional e a nossa esfera social”.

Além disso, viver num colégio interno pode ser um desafio para as crianças, que podem sentir-se isoladas e sem apoio emocional, para não falar do impacto emocional da morte ou separação dos pais. Os peritos demonstraram que as crianças que frequentam internatos têm maior probabilidade de sofrer atrasos no desenvolvimento e problemas de saúde mental, como a depressão e a ansiedade. “Outro problema acrescido para estas crianças é o facto de, normalmente, não aprenderem a desenvolver-se socialmente, como qualquer outra pessoa”, afirma a educadora social Sofia Vasylechko. “Simplesmente não sabem o que fazer, onde viver, como cozinhar, como gerir a sua economia ou lidar com os serviços públicos e, muitas vezes, acabam por roubar para terem um sítio seguro onde estar”, continua Vasylechko. Hennadiy Melnychuk, que se formou, há 6 anos, num internato na região de Lviv e que agora trabalha para a ONG Care in Action, considera-se “sortudo” por ter encontrado o seu caminho na vida, uma vez que, como diz, “quando éramos crianças estávamos completamente sozinhos, a vida depois da instituição é muito difícil, a maioria das pessoas não se consegue adaptar a uma vida independente”. “Habituamo-nos a ter tudo pronto e programado, tudo é decidido por nós, porque, para a maior parte dos professores, não somos ninguém e não temos nome”, conta o jovem. O problema surge quando se sai: não se sabe como ganhar a vida. “É por isso que muitos começam a roubar, a jogar e a consumir álcool ou drogas”, explica Hennadiy.

Quais podem ser as consequências de viver como órfão num internato?

Uma reportagem do Los Angeles Times intitulada These are the long-term effects of separating children from their parents at the US border, according to experts – que examina as consequências para as crianças do facto de serem separadas dos pais devido à migração, à guerra ou à fome – aponta para uma conclusão firme: separar as crianças dos pais é prejudicial para a sua saúde física e mental. Há uma razão para que a infância nos seres humanos dure tanto tempo: “É preciso tempo para que o cérebro de uma criança amadureça até à idade adulta”, afirma, no artigo, o professor de psicologia da Universidade de Columbia, Nim Tottenham, especialista em desenvolvimento emocional.

As psicólogas Esther Càceres e Blanca Inés Santa María concordam que as crianças que tiveram uma figura cuidadora que exerceu o papel materno – o primeiro vínculo e a função mais exigida pelos bebés nos primeiros anos de vida – “sejam os pais, os avós ou os tios”, têm “uma estrutura psíquica e de personalidade moderadamente estável”. Pelo contrário, salientam que “as estatísticas indicam que as crianças que sofreram uma ausência desta figura durante os primeiros anos sofrem grandes dificuldades em termos de desenvolvimento motor e cognitivo e, nos anos seguintes, noutras áreas como o desenvolvimento psíquico, intelectual ou físico”. Melissa Healy, autora do relatório do Los Angeles Times, cita Tottenham: “O adulto que está presente regularmente, proporciona um enorme efeito de amortecimento do stress no cérebro da criança, numa altura em que esta ainda não o desenvolveu por si própria. Quando esse amortecedor fiável e a orientação de um pai ou de uma mãe são subitamente removidos, podem provocar um curto-circuito na aprendizagem que molda e forma o cérebro”, afirmou. Além disso, explica que “os cérebros das crianças que passaram por uma situação destas parecem tornar-se hiper vigilantes face a uma ameaça, uma caraterística da perturbação de stress pós-traumático. As regiões do cérebro que regem o comportamento de recompensa não respondem normalmente, tornando-as vulneráveis à depressão, à ansiedade e ao abuso de substâncias. Além disso, as estruturas corticais necessárias para a atenção, o planeamento, o julgamento e o controlo emocional não se desenvolvem adequadamente”.

Quando Hennadiy é questionado sobre as suas recordações do internato, diz que não tem más recordações, mas também não tem excelentes recordações. No entanto, salienta a sua boa sorte, pois “estava num muito bom”, um facto que compreende depois de falar com alunos de diferentes partes da Ucrânia. Define os orfanatos como “escolas de sobrevivência”, onde era extremamente importante a forma como nos posicionávamos para “estabelecer a nossa autoridade perante os professores e os colegas”, explica.

De acordo com Stepan Vovk, que passou por uma família de acolhimento, “estar numa família de acolhimento onde se é tratado como uma criança amada é uma alegria para todas as crianças, o valor da vida num orfanato de estilo familiar não pode ser subestimado”. Ele conta como a vida numa família de acolhimento o ensinou a “viver de forma independente, honesta e organizada”. Admite, emocionado, que para ele, os irmãos com quem partilhou uma família de acolhimento, são mais próximos do que os seus irmãos biológicos, e que ainda os vai visitar com frequência. “Estão sempre dispostos a ouvir, a ajudar, a envolver-se, o que é um sinal claro de uma família”, continua.

Kataryna com a sua filha adotiva. | David Melero.

Neste lar, as crianças recebem uma educação semelhante à que receberiam em qualquer outra família saudável. Ao contrário do que acontece nos centros de acolhimento ou nos orfanatos, aqui convivem dez crianças com uma única tutora: Kataryna. As crianças têm a oportunidade de praticar os seus desportos favoritos, tocar instrumentos e desfrutar de outros passatempos. A atmosfera da casa é calorosa e acolhedora, o que contribui para um ambiente de aprendizagem saudável para as crianças. Kataryna assegura que cada criança recebe atenção pessoal e se sente valorizada como indivíduo. É um lugar onde as crianças podem sentir-se seguras, felizes e apoiadas no seu crescimento pessoal e académico.

“Estou grato às autoridades locais por darem às crianças a oportunidade de viverem em orfanatos de tipo familiar, onde são asseguradas todas as condições necessárias, onde as crianças são amadas e educadas, onde os pais aceitam os órfãos como se fossem seus filhos”, diz Stepan. “A todos os que hesitam em acolher crianças, eu diria para não hesitarem”, diz Katarina. “É uma coisa ótima, dá-nos muita força, faz-nos crescer, enche-nos de amor e todos nós precisamos de amor”, explica. Diz também que estas crianças a tornaram numa pessoa menos dura e egoísta. Quando questionados sobre a sua experiência, tanto Stephan como Katarina estão infinitamente gratos por terem podido viver o amor tão de perto e fazer de estranhos a sua família para sempre. “Aprendi a viver e a ser feliz, apesar dos desafios; graças a eles, tive os momentos mais felizes da minha vida”, diz Katarina com uma voz ofegante enquanto acaricia docemente Veronika nos braços, que parece ter sido feita para ser amada por ela.

Actividades complementares

O orfanato social

FACIL

“Orfandade social”, uma doença endémica da Ucrânia que a guerra tornou visível

Escrito por Andrea Gabarró

A guerra virou todas as atenções para a Ucrânia. E para além da tragédia do conflito, estão a surgir problemas endémicos da sociedade. Um dos mais graves é a “orfandade social”, as mais de 100.000 crianças que vivem em instituições herdadas do sistema “pós-soviético”.

Na Ucrânia, a orfandade manifesta-se de formas complexas, exacerbadas pela presença dos chamados “órfãos sociais”. Ao contrário dos órfãos tradicionais, estas crianças perdem os cuidados parentais não por morte, mas devido a fatores como a negligência, o abuso de substâncias ou problemas legais. A situação tornou-se mais evidente com o conflito armado que começou em 2014, lançando luz sobre uma realidade cada vez mais preocupante.

Família de acolhimento de Katarina Dolgova: um abrigo na tempestade

No meio deste cenário, surge o exemplo inspirador de Katarina Dolgova, que criou aquilo a que chama uma “Família de Acolhimento”. Este modelo de “cuidado da criança” ou de “acolhimento” ganhou proeminência na Ucrânia, à medida que o governo procura passar dos cuidados institucionais para os cuidados baseados na família. Apesar dos benefícios óbvios, como a exposição a uma dinâmica familiar mais saudável, os progressos na implementação deste modelo têm sido lentos e subsistem desafios significativos.

Infância na Ucrânia: Orfanatos e desafios sociais

A infância na Ucrânia é marcada por um grande número de crianças numa vasta rede de orfanatos e instituições. A instabilidade económica, os conflitos armados e a falta de acesso a serviços básicos contribuem para que, segundo as estimativas, 160.000 crianças vivam ao cuidado do Estado no país. De acordo com a ONU, metade destas crianças são portadoras de deficiência.

Veronika, Marishcka, Maksym, Yura, Sasha, Sashko, Volodia, Ivan, Solomiya e Stepan a caminho de casa na parte de trás da carrinha de Katarina. | David Melero.

Fatores subjacentes: Falta de proteção e instabilidade

Sofia Vasylechko, uma educadora social, salienta que a instabilidade económica e social na Ucrânia, desde a sua independência em 1991, é uma das principais razões subjacentes à falta de proteção das crianças. Para além disso, o conflito no leste do país deixou muitas crianças sem pais ou cuidadores, aumentando assim o número de órfãos sociais. O sistema de proteção infantil do país, a falta de acesso à educação e aos cuidados de saúde, bem como a elevada prevalência de abuso de substâncias e de violência doméstica, também contribuem para esta situação alarmante.

Burocracia e desafios jurídicos: barreiras ao acolhimento

Apesar das vantagens do acolhimento familiar, existem obstáculos burocráticos e legais significativos. O processo para se tornar uma pessoa de acolhimento inclui avaliações exaustivas. No entanto, existe o obstáculo de que, para que uma criança cujos pais ainda estão vivos possa ser acolhida, os pais têm de ser oficialmente privados dos seus direitos parentais, um processo moroso e delicado.

Katarina segura orgulhosa e sorridente um retrato feito pela sua filha adotiva Marishka. | David Melero.

Importância das figuras materna e paterna no desenvolvimento

A ausência das figuras materna e paterna pode ter consequências a longo prazo no desenvolvimento cognitivo e emocional das crianças, segundo os especialistas. A família proporciona laços, apoio emocional e um modelo para um crescimento psicologicamente saudável.

Viver num internato: desafios emocionais e de desenvolvimento

Viver num lar residencial pode representar desafios para as crianças, incluindo sentimentos de isolamento e falta de apoio emocional. As crianças que vivem em instituições têm mais probabilidades de sofrer atrasos de desenvolvimento e problemas de saúde mental. A separação dos pais pode ter efeitos prejudiciais para a saúde física e mental das crianças, de acordo com estudos e especialistas.

Sasha e Saschko oferecem aos seus convidados da tarde uma variedade de frutas, biscoitos, café e chocolates preparados por eles próprios sob a orientação da sua mãe de acolhimento Katarina. | David Melero.

Educação em família de acolhimento: um ambiente saudável

A educação numa família de acolhimento proporciona um ambiente saudável e acolhedor. Katarina assegura que cada criança recebe atenção personalizada e se sente valorizada como indivíduo. As crianças têm a oportunidade de participar em atividades como o desporto, a música e os passatempos, contribuindo para um ambiente de aprendizagem saudável.

Impacto a longo prazo: mudança positiva e gratidão infinita

Apesar dos desafios, a experiência de fazer parte de uma família de acolhimento mudou positivamente a vida das crianças e proporcionou-lhes amor e apoio. A gratidão de quem viveu esta experiência realça a importância de proporcionar às crianças um ambiente familiar onde possam crescer, aprender e sentir-se amadas. Esta abordagem, não só tem impacto no presente das crianças, como também molda positivamente o seu futuro.

Kataryna com a sua filha adotiva. | David Melero.

A ligação afetiva e o apoio contínuo proporcionados nos contextos de acolhimento familiar podem fazer a diferença no desenvolvimento do jovens a longo prazo, permitindo-lhes ultrapassar as adversidades e contribuir, de forma significativa, para a sociedade. É fundamental continuar a avançar no sentido de um sistema de acolhimento de crianças mais centrado na família, enfrentando os desafios burocráticos e promovendo a sensibilização do público para a importância de proporcionar um lar afetuoso a quem mais precisa. Em última análise, o bem-estar das crianças na Ucrânia e em todo o mundo depende de um empenhamento contínuo na criação de ambientes seguros e atenciosos, onde cada criança possa prosperar e atingir o seu pleno potencial.

 

O orfanato social

☑️ Teste os seus conhecimentos

Perguntas de compreensão da leitura. “Orfandade social", uma doença endémica da Ucrânia que a guerra tornou visível

Passo 1 de 3

Segundo o texto, qual é o objetivo do modelo de "acolhimento familiar" na Ucrânia?
saltar para o conteúdo