Na escola da legalidade. Um apelo à luta contra a cultura mafiosa

Giovanni Falcone e Paolo Borsellino, magistrados de Palermo que se tornaram símbolos pelo seu empenhamento contra a Máfia, vítimas de atentados mortais com poucos meses de diferença.

Escolha o seu nível de leitura:

PADRÃO

Na escola da legalidade. Um apelo à luta contra a cultura mafiosa

Escrito por Stefania De Cristofaro

De uma escola de Palermo, foi apresentado um pedido ao Parlamento para que seja aprovada uma lei que inclua uma disciplina sobre "Cultura Anti-Máfia" como um ensino completo para os alunos.

Cosa Nostra, ‘Ndrangheta, Camorra e Sacra Corona Unita. Em Itália, o Estado está constantemente empenhado na luta contra as máfias, organizações criminosas que, consoante os contextos territoriais, assumem nomes diferentes, mas que se caracterizam pela violência, intimidação e omertà.

A máfia

A definição de máfia está contida no Código Penal Italiano (Artigo 416 bis):  “A associação é mafiosa quando aqueles que a integram utilizam a força intimidatória do vínculo associativo e da condição de subjugação e o consequente código de silêncio para cometer crimes, para adquirir direta ou indiretamente a gestão ou, em qualquer caso, o controlo de actividades económicas, concessões, autorizações, contratos e serviços públicos ou para obter lucros ou vantagens injustas para si ou para outros, ou para impedir ou dificultar o livre exercício do voto ou para obter votos para si ou para outros durante as consultas eleitorais”.  Ao longo dos anos, as organizações mafiosas alteraram o seu modo de atuação, reduzindo o número de homicídios, para operarem na sombra nos sectores do tráfico de droga (atividade que gera, de longe, o maior volume de negócios para as organizações criminosas), da extorsão, da usura, do jogo, da prostituição e para aperfeiçoarem a sua capacidade de se infiltrarem nas administrações públicas para pilotarem contratos públicos.

A polícia luta sem tréguas contra os criminosos, mas a luta pode por vezes parecer desigual.

Em 16 de janeiro de 2023, o fugitivo super chefe da cosa nostra, Matteo Messina Denaro, foi preso em Palermo. Era procurado há 30 anos. Em 25 de setembro do mesmo ano, morre em L’Aquila. Entre as acusações que lhe eram imputadas, contava-se a organização do rapto de Giuseppe Di Matteo, de 12 anos, para obrigar o seu pai Santino a retirar as declarações que tinha feito sobre o massacre de Capaci. Após 779 dias de cativeiro, o rapaz foi estrangulado e o seu cadáver dissolvido em ácido.

O massacre de Capaci foi um atentado contra o Estado e teve lugar em 23 de maio de 1992 na província de Palermo: os bombistas detonaram um engenho explosivo com 500 quilos de TNT no troço da autoestrada A29, às 17:57 horas, quando passava o carro que transportava o magistrado anti-máfia Giovanni Falcone e a sua escolta. Para além do juiz, morreram a sua mulher Francesca Morvillo, também magistrada, e os agentes da escolta. Matteo Messina Denaro foi condenado a prisão perpétua (prisão perpétua) como instigador do massacre pelo Tribunal de Assizes de Caltanissetta em 19 de julho de 2023.

O apelo da escola de Palermo

Uma escola da capital da Sicília lançou um apelo ao Parlamento para que a “cultura anti-máfia” seja incluída entre as disciplinas ensinadas em todas as escolas italianas. A iniciativa foi lançada pelo diretor do Instituto Compreensivo situado no bairro popular de Giusto Catania, perto do dia em memória das vítimas inocentes da Máfia, que se celebra todos os anos a 21 de março.

A escola tem o nome da jornalista siciliana Giuliana Saladino, do diário l’Ora, que, após o massacre de Capaci, em 23 de maio de 1992, no qual foram mortos o magistrado antimáfia Giovanni Falcone, a sua mulher Francesca Morvillo e os guardas de segurança Vito Schifani, Rocco Dicillo e Antonio Montinaro, criou o “Comité dos Lençóis”, juntamente com a sua filha Marta Cimino. Nessa altura, em Palermo, havia mensagens contra a Máfia em lençóis expostos nas varandas das casas.

Para o diretor de Giusto Catania, é necessário iniciar uma reforma capaz de repensar o papel da escola e dos professores, com o objetivo de definir uma nova pedagogia civil capaz de “quebrar as gaiolas da cultura mafiosa”, de modo a alimentar um círculo virtuoso capaz de sufocar a máfia, em todas as suas ramificações, todos os dias. O ponto de partida para o diretor siciliano é o testamento moral deixado pelo Professor Vito Mercadante, um diretor muito empenhado na frente anti-máfia após o assassinato de Piersanti Mattarella, Presidente da Região da Sicília (e irmão do Presidente da República Italiana, Sergio Mattarella), em 6 de janeiro de 1980, em Palermo. Nessa altura, Mercadante liderou a elaboração da lei regional (n.º 51 de 4 de junho de 1980) com a qual a luta contra a cultura mafiosa foi introduzida nas escolas. A lei intitulava-se “Disposições a favor das escolas sicilianas para contribuir para o desenvolvimento de uma consciência civil contra a criminalidade mafiosa”.

Declarações do diretor da escola

“A tarefa da escola em Palermo (e em Itália), a sua grande responsabilidade, é criar espaços para os jovens. Os jovens não conhecem a cidade, porque vivem fechados nos seus bairros. A escola tem então de abrir essas gaiolas, porque aqueles que são mafiosos muitas vezes não sabem que são mafiosos, imersos como estão na sua subcultura”, argumentou o Prof.

Numa entrevista ao jornal L’Ora de 7 de outubro de 1989, Mercadante afirmou que “a cultura mafiosa é a única razão pela qual as pessoas se recusam frequentemente a ir à escola” e que “o rapaz tem medo de revolucionar os valores em que toda a sua família cresceu”.

“É por aqui que temos de começar. Queremos partir do que já existe, desta legislação que não teve uma circulação nacional e que parou a nível local devido à falta de financiamento e às mudanças no sistema escolar com a introdução da cultura da legalidade após os massacres da máfia”, explica Giusto Catania.

Não há necessidade de iniciativas esporádicas e efémeras, mas é necessário ter um impacto concreto nas escolas e, consequentemente, na sociedade”, acrescenta. Por esta razão, o presidente da escola, Saladino, propôs, como primeiro passo dirigido às escolas de toda a Itália, a assinatura de um manifesto de 20 pontos para apelar à construção de uma cultura anti-Máfia como uma exigência nacional: “A Máfia acompanha a ação criminosa, bem como a ação cultural”, lê-se no documento ao qual aderiram 70 escolas entre Palermo e a província. “Consequentemente, é necessário trabalhar num projeto pedagógico de cultura anti-máfia, de modo a desenvolver um processo alternativo à cultura mafiosa”, explica o diretor da escola. “E, para isso, é necessário abordar o tema diariamente em todas as disciplinas, da história à matemática, passando pela arte e pela música.”

O manifesto para a educação para a legalidade

O manifesto começa da seguinte forma: “A educação para a legalidade não é suficiente para construir uma cultura anti-máfia, tanto mais que as máfias não se manifestam exclusivamente em contextos de ilegalidade”.

A máfia”, diz, “tende a esconder-se em espaços de legalidade, onde proliferam os seus interesses económicos. A máfia há muito que deu lugar à máfia que se infiltra nas instituições, nos santuários da finança e no branqueamento de dinheiro sujo em operações económicas lícitas e legais”.

“As escolas devem ensinar a distinguir o comportamento moralmente irrepreensível da legalidade aparente, fictícia e artificial”, recorda o manifesto. E ainda: “A educação para a legalidade colocou em primeiro plano o respeito pela lei. A história ensina-nos que o respeito pela legalidade e pelo direito pode perpetuar crimes que mortificam os direitos das pessoas e de povos inteiros. A cultura antimáfia, por outro lado, é implementada através da promoção, do respeito e da valorização dos direitos”. É, portanto, sobre “o respeito pelos direitos fundamentais da pessoa, a proteção dos direitos humanos, sociais e civis” que “representam o terreno mínimo e obrigatório” que devemos trabalhar “para construir uma cultura anti-máfia” porque a “máfia tem a caraterística de se regenerar na mortificação diária e/ou na anulação de todos os direitos”.

O manifesto termina reiterando que as escolas “tiram terreno à máfia praticando a democracia, a participação, descentralizando o poder e alargando os espaços de decisão”. E que “ensinar a democracia na escola é uma das missões pedagógicas mais importantes”.

O compromisso deve, de facto, ser o de respeitar as regras, princípio sobre o qual se constrói a convivência civil, mas deve ser explicado às crianças que esse respeito “não pode ser crítico”. A escola deve também ensinar a “desaprovar as regras erradas, as que conduzem à violência e à prevaricação” e que “a obediência nem sempre é uma virtude”.

A escola, portanto, “ensina a escrever, a ler, a calcular… \mas a função principal da escola é a formação de cidadãos conscientes, livres e honestos”. E “deve reescrever os seus objectivos de saída, centrando-os na justiça social, na democracia e no respeito pelo bem comum”.

Actividades complementares

FACIL

Na escola da legalidade. Um apelo à luta contra a cultura mafiosa

Escrito por Stefania De Cristofaro

De uma escola de Palermo, foi apresentado um pedido ao Parlamento para que seja aprovada uma lei que inclua uma disciplina sobre “Cultura Anti-Máfia” como um ensino completo para os alunos.

Cosa Nostra, ‘Ndrangheta, Camorra e Sacra Corona Unita. Em Itália, o Estado está constantemente empenhado na luta contra as máfias, organizações criminosas que, consoante os contextos territoriais, têm nomes diferentes, mas que se caracterizam pela violência, intimidação e omertà.

 A máfia

A definição de máfia está contida no Código Penal italiano (artigo 416 bis):  “A associação é mafiosa quando aqueles que a integram se servem da força intimidatória do vínculo associativo e da condição de subjugação e do código de silêncio que dele deriva para cometer crimes, para adquirir direta ou indiretamente a gestão ou, em qualquer caso, o controlo de atividades económicas, concessões, autorizações, contratos e serviços públicos ou para obter lucros ou vantagens injustas para si ou para outros, ou para impedir ou dificultar o livre exercício do voto ou para obter votos para si ou para outros por ocasião de consultas eleitorais”.  

A polícia luta sem tréguas contra os criminosos, mas a luta pode por vezes parecer desigual.

 O apelo da escola de Palermo

Uma escola da capital regional da Sicília lançou um apelo ao Parlamento no sentido de incluir a “cultura anti-máfia” entre as matérias lecionadas em todas as escolas italianas. A iniciativa foi lançada pelo diretor do Instituto Compreensivo situado no bairro popular de Giusto Catania, perto do dia em memória das vítimas inocentes da Máfia, que se celebra todos os anos a 21 de março.

Para o diretor Giusto Catania, é necessário iniciar uma reforma capaz de repensar o papel da escola e dos professores com o objetivo de definir uma nova pedagogia civil capaz de “quebrar as gaiolas da cultura mafiosa”, de modo a alimentar todos os dias um círculo virtuoso capaz de sufocar a máfia, em todas as suas articulações. O ponto de partida para o diretor siciliano é o testamento moral deixado pelo Professor Vito Mercadante, um diretor muito empenhado na frente anti-máfia após o assassinato de Piersanti Mattarella, Presidente da Região da Sicília (e irmão do Presidente da República Italiana, Sergio Mattarella) em 6 de janeiro de 1980 em Palermo. Nessa altura, Mercadante liderou a elaboração da lei regional (n.º 51 de 4 de junho de 1980) com a qual a luta contra a cultura mafiosa foi introduzida nas escolas. A lei intitulava-se “Disposições a favor das escolas sicilianas para contribuir para o desenvolvimento de uma consciência civil contra a criminalidade mafiosa”.

Declarações do diretor da escola

“A tarefa da escola em Palermo e sua grande responsabilidade (e em Itália) é criar espaços para os jovens. Os jovens não conhecem a cidade, porque vivem fechados nos seus bairros. A escola tem então de abrir essas gaiolas, porque aqueles que são mafiosos muitas vezes não sabem que são mafiosos, imersos como estão na sua subcultura”, argumentou o Professor.

“É por aqui que temos de começar. Queremos partir do que já existe, desta legislação que não teve uma circulação nacional e que parou a nível local devido à falta de financiamento e às mudanças no sistema escolar com a introdução da cultura da legalidade após os massacres da máfia”, explica Giusto Catania.

Não há necessidade de iniciativas esporádicas e efémeras, mas é necessário ter um impacto concreto nas escolas e, consequentemente, na sociedade”, acrescenta. Por esta razão, o presidente da escola, Saladino, propôs, como primeiro passo dirigido às escolas de toda a Itália, a assinatura de um manifesto de 20 pontos para apelar à construção de uma cultura anti-Máfia como uma exigência nacional: “A Máfia acompanha a ação criminosa, bem como a ação cultural”, lê-se no documento ao qual aderiram 70 escolas entre Palermo e a província. “Consequentemente, é necessário trabalhar num projeto pedagógico de cultura anti-máfia, de modo a desenvolver um processo alternativo à cultura mafiosa”, explica o diretor da escola. “E, para isso, é necessário abordar o tema diariamente em todas as disciplinas, da história à matemática, passando pela arte e pela música.”

O manifesto para a educação para a legalidade

O manifesto começa da seguinte forma: “A educação para a legalidade não é suficiente para construir uma cultura anti-máfia, tanto mais que as máfias não se manifestam exclusivamente em contextos de ilegalidade”.

A máfia”, diz, “tende a esconder-se em espaços de legalidade, onde proliferam os seus interesses económicos. A máfia há muito que deu lugar à máfia que se infiltra nas instituições, nos santuários da finança e no branqueamento de dinheiro sujo em operações económicas lícitas e legais”.

“As escolas devem ensinar a distinguir o comportamento moralmente irrepreensível da legalidade aparente, fictícia e artificial”, recorda o manifesto. E ainda: “A educação para a legalidade colocou em primeiro plano o respeito pela lei. A história ensina-nos que o respeito pela legalidade e pelo direito pode perpetuar crimes que mortificam os direitos das pessoas e de povos inteiros. A cultura anti-máfia, por outro lado, é implementada através da promoção, do respeito e da valorização dos direitos”. É, portanto, sobre “o respeito pelos direitos fundamentais da pessoa, a proteção dos direitos humanos, sociais e civis” que “representam o terreno mínimo e obrigatório” que devemos trabalhar “para construir uma cultura anti-máfia” porque a “máfia tem a caraterística de se regenerar na mortificação diária e/ou na anulação de todos os direitos”.

O manifesto termina reiterando que as escolas “tiram terreno à máfia praticando a democracia, a participação, descentralizando o poder e alargando os espaços de decisão”. E que “ensinar a democracia na escola é uma das missões pedagógicas mais importantes”.

☑️ Teste os seus conhecimentos

Perguntas de compreensão de texto - Na escola da legalidade. Um apelo à luta contra a cultura mafiosa.

Passo 1 de 3

A quem da Escola de Palermo se deve a proposta de uma nova disciplina de ensino?
saltar para o conteúdo