Inu-Oh: o rock japonês entre a interseccionalidade, o género fluido e a descolonialidade.

Inu-Oh.webp

Escolha o seu nível de leitura:

PADRÃO

Inu-Oh: o rock japonês entre a interseccionalidade, o género fluido e a descolonialidade.

Escrito por Antonella D'Autilia

O anime de Masaaki Yuasa é um manifesto político dedicado à Geração Z, que quer escolher as suas próprias palavras para se definir, a começar pelo género; uma prática que encontramos em antigas culturas indígenas, nativas americanas e aborígenes.

A história da animação japonesa está repleta de produtos politicamente empenhados. Desde as primeiras produções deste género, como O que importa no mundo é a força e as mulheres, realizada por Masaoka Kenzo nos anos 30, até aos dias de hoje. Basta pensar no toque ecocrítico e pacifista que emerge de muitas das obras de Hayao Miyazaki ou em longas-metragens muito recentes que abordam questões socialmente relevantes, como A forma de uma voz, de Naoko Yamada, ou O castelo invisível, realizado por Keiichi Hara.

Lançado nos cinemas japoneses em 2021, Inu-Oh, de Masaaki Yuasa, é um manifesto político centrado nos temas da interseccionalidade, identidade e luta social. Irreverente, visionária e única, a longa-metragem passa-se na Quioto do século XIV, no período Muromachi. Aqui, a história dos Heike, um clã massacrado pelo clã Genji, caiu no esquecimento ao ser reprimida pelos vencedores. Estes colonizaram o imaginário histórico oficial, impondo uma única versão dos factos e fazendo desaparecer das narrativas públicas qualquer referência à existência dos Heike. É neste quadro que entram os dois forasteiros cuja tarefa é trazer à superfície estas histórias proibidas. Ao fazê-lo, ambos iniciam uma jornada de autodeterminação e rebelião contra a ordem estabelecida.

E os dois protagonistas? O primeiro, Tomona, é um monge que toca biwa (alaúde típico de cabo curto). Depois de perder o pai na sequência da descoberta de um artefacto misterioso, Heike fica cego e, já adulto, procura saber a verdade sobre este destino junto do shogunato. Inu-Oh é uma criatura semi-demoníaca deformada desde o nascimento. Desprezado pelo pai e praticante do teatro Sarugaku, é obrigado a esconder o rosto atrás de uma máscara.

Uma das mensagens políticas mais importantes do filme emerge logo no primeiro encontro entre as duas personagens. À medida que se vão conhecendo, parecem quase imunes aos preconceitos, medos e rótulos estereotipados a que as pessoas fora do comum são frequentemente sujeitas nas sociedades.

O facto de Tomona, sendo cego, não se sentir de modo algum condicionado ou assustado pela deformidade de Inu-Oh é um convite a todos os indivíduos de todas as idades para que ultrapassem o seu ângulo visual para além das aparências e daquilo que certas perspetivas difusas e heterónomas nos querem fazer ver. Por seu lado, Inu-Oh parece fascinado pela cegueira e pelo génio rebelde do bonzo e, impulsionado pelo ritmo da sua música, descobre que tem talento para a dança.

A partir deste momento, o que entra em jogo é a vontade dos dois artistas de aparecerem juntos numa parceria humana e artística que os aproxima precisamente em virtude do seu estatuto de pessoas pertencentes a minorias, com vidas precárias. A sua aliança pode ser vista como uma aliança de corpos, onde os atos corporais se tornam um facto performativo. Vejamos como.

Quebrar as fronteiras de género no Japão antigo

Hoje em dia, cada vez mais crianças e adolescentes afirmam colocar-se fora das identidades sexuais atribuídas à nascença ou das expressões de género que lhes são dadas pela sociedade. Em 2019, o New York Times observou como os jovens da Geração Z preferiam escolher as suas próprias palavras para se descreverem, rejeitando rótulos pré-embalados.

Aqueles que se definem como fluidos de género dão origem a uma forma de ser, de aparecer, de sentir, que abrange um amplo espetro de configurações de identidade: masculino, feminino, neutro e não binário.

A ideia de que a fluidez dos géneros é uma caraterística típica da vida contemporânea está muito difundida, mas, na realidade, nas culturas indígenas, nativo-americanas e aborígenes existe há séculos.

Esta forma de escolher livremente o género no seu percurso biográfico pode ser encontrada na transformação física e moral de Tomona e Inu-Oh no Japão medieval. No decurso dos eventos, os dois intérpretes sofrerão uma metamorfose corporal, musical e espiritual, que envolverá o seu público popular e não só, num delírio estático e balançante.

Inu-Oh irá revolucionar-se a si próprio e à disciplina de Sarugaku, ofuscando os outros praticantes e a própria companhia de teatro do seu pai aos olhos da sociedade. Espetáculo após espetáculo, juntamente com Tomona (que assumirá o nome de Tomoari), derrubarão todos os obstáculos à livre manifestação de traços transgénero e/ou fluidos de género. Ambas adotam um visual que é uma hibridação de roupas tradicionais japonesas e roupas ou acessórios do estilo conhecido como glam rock, em voga nos anos 70 e 80 na América e na Europa. Os dois usam o cabelo comprido e em muitas cenas usam maquilhagem vistosa. Inu-Oh, nos seus movimentos e aparência, faz lembrar vocalistas muito famosos como Bowie, Freddy Mercury, Marc Bolan, Peter Gabriel; parece, por vezes, uma personagem de Velvet Goldmine (1998). Não é por acaso que a sua voz foi dobrada por Avu-chan, o famoso vocalista genderqueer da banda de rock japonesa Queen Bee.

Tomoari, com um visual muito andrógino, segue o estilo de grandes ícones como Zeppelin, Kiss, The Who, Iggy Pop. Ao misturar elementos extravagantes e tipicamente femininos com roupas transgressoras e combinações fora do comum, o tocador de biwa feminiza voluntariamente a masculinidade, como fizeram tantos artistas entre os anos 1950 e 1980. Entre outras coisas, a relação entre os dois protagonistas deixa entrever, de forma muito velada, que vai para além da mera comunhão artística.

O espetador tem a árdua tarefa de explorar, a partir de uma perspetiva interseccional, a forma como as várias linhas de identidade se cruzam à medida que emergem no conteúdo referencial da longa-metragem, observando as referências intertextuais, as mensagens, os estilos e as características do género.

Quebrar tradições com arte: uma rebelião descolonizadora

Para compreender plenamente Inu-Oh, é preciso ir ao cerne da mensagem que Yuasa quer transmitir: aprender sobre o que está por detrás das transformações que atravessam o homem e o mundo é a chave para nos aproximarmos da compreensão do que é a liberdade.

Em Inu-Oh, o poder expressivo da música transporta o homem para além de uma realidade colonizada pelos poderes históricos hegemónicos.

Através da ópera rock, presente, passado e futuro dialogam entre si, colocando em relação dialética a diversidade dos homens e os ideais políticos de uma época. A música, a política, as artes e a própria Quioto são transformadas pela rebeldia musical dos nossos heróis, numa fusão surrealista de tradicionalismo, folclore e modernidade.

Por exemplo, na atuação de Inu-Oh ao som das notas de Burial Mound of Arms, ao contar o destino dos Heike na batalha de Dan-no-ura, muitos elementos coreográficos fazem lembrar o videoclip Thriller de Michael Jackson. Isto é tanto em termos dos passos de dança, como coreograficamente ao nível da arquitetura do palco, onde os braços dos Heike como membros zombies pontuam o ritmo da narrativa teatral.

À medida que Inu-Oh prossegue com as suas atuações, o seu corpo começa a tornar-se humano, quebrando a maldição de que tinha sido vítima devido à ânsia de poder do seu pai. Porque é que isto acontece? Porque Inu-Oh traz de volta as histórias reprimidas dos Heike. Devolve-as ao povo japonês e permite assim que os espíritos do clã atinjam o nirvana. Ele muda a si próprio e, ao mesmo tempo, o mundo em que vive.

O mesmo acontece com Tomona. Ele é encarregado de narrar as façanhas de Inu-Oh, um aedo japonês, que conta as façanhas de um herói épico do Sol Nascente. Ao transgredir as regras musicais e de vestuário aprovadas pelo xogunato, ele chega à verdade sobre o parricídio ocorrido em seu passado.

Deixamos aos nossos leitores a tarefa de descobrir o final. Concluímos com as palavras da Wired, que apelidou o trabalho de Yuasa de “o mais belo concerto de rock animado (dos anos 1300)”, e com as de William Bibbiani, que, tal como explicado no trailer oficial do TheWrap, o descreveu como “a melhor ópera rock feudal-japonesa-hair-metal-demónica-curseira-série-assassina-política-tragédia do ano”.

Actividades complementares

FACIL

Inu-Oh: o rock japonês entre a interseccionalidade, o género fluido e a descolonialidade.

Escrito por Antonella D'Autilia

O anime de Masaaki Yuasa é um manifesto político dedicado à Geração Z, que quer escolher as suas próprias palavras para se definir, a começar pelo género; uma prática que encontramos em antigas culturas indígenas, nativas americanas e aborígenes.

A história da animação japonesa sempre teve uma dimensão política, com obras que abordam questões sociais e políticas. Desde os primeiros trabalhos, como “O que importa no mundo é a força e as mulheres”, de Masaoka Kenzo, na década de 1930, até trabalhos mais recentes, como “A forma da voz”, de Naoko Yamada, ou “O castelo invisível”, de Keiichi Hara.

“Inu-Oh”, de Masaaki Yuasa, lançado em 2021, é um manifesto político centrado em temas como a interseccionalidade, a identidade e a luta social. Passado na Quioto do século XIV, durante o período Muromachi, o filme explora a história esquecida dos Heike, massacrados pelos Genji, e a repressão da sua memória pelos vencedores que colonizaram a imaginação histórica oficial.

Os protagonistas, Tomona e Inu-Oh, são dois forasteiros encarregados de trazer à luz estas histórias proibidas. Tomona, um monge tocador de biwa (um tipo de alaúde), procura a verdade sobre a morte do seu pai ligada aos Heike, enquanto Inu-Oh esconde o seu rosto deformado atrás de uma máscara.

O filme transmite uma importante mensagem política desde o primeiro encontro entre as duas personagens, sublinhando a sua imunidade aos preconceitos e aos rótulos estereotipados. A cegueira de Tomona permite-lhe ignorar a deformidade de Inu-Oh, convidando o espetador a ultrapassar as aparências e as perspetivas impostas pela sociedade.

O enredo desenvolve-se à medida que Inu-Oh descobre o seu talento para a dança, e os dois artistas decidem formar uma parceria humana e artística, unindo as suas vidas precárias e reconhecendo-se como membros de uma minoria. A sua colaboração torna-se uma espécie de aliança de corpos, onde os atos corporais se tornam expressões performativas da sua individualidade e rebeldia. Vejamos como.

Quebrar as fronteiras de género no Japão antigo

Atualmente, cada vez mais jovens afirmam que não se identificam totalmente com os rótulos de género atribuídos à nascença ou impostos pela sociedade. Em 2019, o New York Times observou que os membros da Geração Z preferem escolher as suas próprias palavras para se descreverem, em vez de aceitarem categorias predefinidas.

Aqueles que se consideram fluidos em termos de género incorporam uma forma de ser, parecer e sentir que abrange uma vasta gama de identidades de género: masculino, feminino, neutro e não binário. Ao contrário da opinião comum, a fluidez de género não é nova, mas está presente há séculos em culturas como a indiana, a nativo-americana e a aborígene.

Esta liberdade na escolha da identidade de género surge também na transformação de Tomona e Inu-Oh no Japão medieval. Durante os eventos, ambos passam por uma metamorfose física, musical e espiritual que envolve o público numa experiência estática e rock. Inu-Oh revoluciona-se a si próprio e à disciplina de Sarugaku, desafiando as convenções sociais e escurecendo os outros praticantes e a companhia de teatro do seu pai.

Inu-Oh e Tomona (agora Tomoari) ultrapassam os obstáculos à livre expressão das identidades transgénero e/ou fluidas de género. Adotam um visual que mistura o vestuário tradicional japonês com o estilo glam rock das décadas de 1970 e 1980 na América e na Europa, que tem as suas raízes na década de 1950. Ambos ostentam cabelos compridos e maquilhagem vistosa, lembrando artistas famosos como Bowie, Freddy Mercury e Iggy Pop.

A relação entre os dois sugere tons sentimentais, bem como colaboração artística. O espetador é convidado a explorar a forma como as diferentes identidades se entrelaçam no enredo, considerando referências intertextuais, mensagens e estilos de género. O filme convida a uma exploração interseccional da forma como as diferentes identidades emergem no contexto do filme.

Quebrar tradições com arte: uma rebelião descolonizadora

Para compreender plenamente “Inu-Oh”, é essencial ir ao cerne da mensagem que Yuasa quer transmitir: descobrir o que está por detrás das transformações do homem e do mundo é crucial para compreender plenamente o conceito de liberdade.

No filme, o poder expressivo da música vai além do homem e da realidade controlada pelos poderes históricos hegemónicos. Através do rock, o passado, o presente e o futuro cruzam-se, colocando em diálogo a diversidade humana e os ideais políticos. A rebelião musical dos protagonistas transforma a música, a política, as artes e até Kyoto numa fusão surreal de tradição, folclore e modernidade.

Por exemplo, durante a atuação de Inu-Oh de “Burial Mound of Arms”, que narra o destino dos Heike na batalha de Dan-no-ura, notam-se elementos coreográficos que fazem lembrar o videoclip “Thriller” de Michael Jackson. A dança e a arquitetura do palco, com os braços de Heike a moverem-se como membros de zombies, criam um ritmo teatral envolvente.

A cada atuação, o corpo de Inu-Oh transforma-se, libertando-se da maldição do pai. Isto acontece porque traz à luz as histórias reprimidas dos Heike, devolvendo-as ao povo japonês e permitindo que os espíritos do clã atinjam o nirvana. Inu-Oh transforma-se a si próprio e ao mundo que o rodeia.

O mesmo se aplica a Tomona, que, no seu papel de aedo japonês, narra as façanhas de Inu-Oh. Ao transgredir as regras musicais e comportamentais da época, ele chega à verdade sobre o parricídio do seu passado.

Não vamos revelar o final, mas podemos concluir com as palavras da Wired, que chamou ao trabalho de Yuasa “o mais belo concerto de rock animado dos anos 1300”, e as de William Bibbiani, que o descreveu como “a melhor ópera rock com maldição demoníaca, assassino em série, tragédia política japonesa feudal do ano”.

☑️ Teste os seus conhecimentos

Questionário de compreensão de leitura. Inu-Oh: o rock japonês entre a interseccionalidade, o género fluido e a descolonialidade.

Passo 1 de 4

Em que período histórico se passa a longa-metragem Inu-Oh de Masaaki Yuasa?
saltar para o conteúdo