O apartheid na Palestina, as raízes profundas da guerra

Palestina Livre”: Palestinianos grafitam parte do muro israelita que rodeia a cidade de Belém, na Cisjordânia. © Montecruz Photo/Flickr/CC. Cortesia de Opera Mundi

Escolha o seu nível de leitura:

PADRÃO

O apartheid na Palestina, as raízes profundas da guerra

Escrito por Josep Carles Rius

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, condenou os atrozes ataques do Hamas, mas disse que "não surgiram do nada", o que lhe valeu duras críticas em Israel. No entanto, é essencial contextualizar a tragédia. E aqui vem à mente a palavra apartheid, que deu nome à discriminação da população na África do Sul

Apartheid (“separação” em língia africana) é o nome dado ao sistema de segregação racial na África do Sul e na Namíbia, em vigor entre 1948 e 1992. Este regime baseava-se em leis que discriminavam a população negra e indiana da África do Sul. Foi impulsionado pelos descendentes dos colonos europeus que queriam manter os seus privilégios em relação à população indígena. Nelson Mandela simboliza a resistência à opressão e o diálogo que levou à erradicação do apartheid.

A Convenção sobre o Apartheid, adoptada pelas Nações Unidas em 1973, e o Estatuto de Roma que criou o Tribunal Penal Internacional (1998) definem este regime como um crime contra a humanidade: “Actos desumanos cometidos com o objetivo de estabelecer e manter o domínio de um grupo racial de pessoas sobre qualquer outro grupo racial de seres humanos e de os oprimir sistematicamente”. Por outras palavras, o apartheid é “um regime institucionalizado de opressão” que tem como objetivo “manter esse regime”.

Entre os “actos desumanos” identificados na Convenção e no Estatuto de Roma contam-se a “transferência forçada”, a “expropriação de propriedade territorial”, a “criação de reservas e guetos separados”, a negação do “direito de sair e regressar ao seu país” e o “direito a uma nacionalidade”. Trata-se, concluem, de um crime contra a humanidade “a privação intencional e grave de direitos fundamentais, contrária ao direito internacional, com base na identidade (racial, nacional ou étnica) do grupo ou da coletividade”.

Podemos utilizar o termo “apartheid” para explicar as acções do Estado israelita em relação à população palestiniana? A melhor resposta pode ser dada por alguém que esteja familiarizado com os dois contextos históricos, o da África do Sul e o de Israel e da Palestina.

Benjamin Pogrund cresceu na África do Sul. Começou a sua carreira de jornalista em 1958, escrevendo para o The Rand Daily Mail, em Joanesburgo. Era o único jornal que relatava a opressão da população negra e indiana. Documentou a tortura de prisioneiros e o massacre de Sharpeville, em 21 de março de 1960: a polícia disparou contra uma manifestação de protesto contra o apartheid, matando 69 pessoas, a maioria das quais mulheres e crianças. O seu trabalho como jornalista custou-lhe numerosas condenações, incluindo penas de prisão. Pogrund emigrou com a sua mulher para Israel em 1997. Vive em Jerusalém.

Durante décadas, Benjamin Pogrund rejeitou a aplicação do termo apartheid a Israel. A sua tese, defendida numa série de artigos e conferências, era que “quem sabe o que foi o apartheid e o atribui a Israel hoje é, na melhor das hipóteses, ignorante e ingénuo e, na pior, cínico e manipulador”.

Em 10 de agosto de 2023, Bejamin Pogrund assinou um artigo no diário Haaretz sob o título: “Durante décadas, defendi Israel contra as acusações de apartheid. Já não posso”. Em Israel, assisto agora ao apartheid com que cresci na África do Sul. A tomada de posse fascista e racista do governo israelita pelo atual primeiro-ministro (Benjamin Netanyahu) é o presente que os inimigos de Israel esperavam há muito tempo”.

No artigo, Pogrund denuncia que “negamos aos palestinianos qualquer esperança de liberdade e de uma vida digna. Acreditamos na nossa própria propaganda de que alguns milhões de pessoas aceitarão docilmente a inferioridade e a opressão perpétuas. O governo está a levar Israel a ter um comportamento desumano e cruel que não tem defesa. Não preciso de ser religioso para saber que isto é uma traição vergonhosa à moral e à história judaicas”.

Shlomo Ben Ami, antigo ministro dos Negócios Estrangeiros dos governos trabalhistas, embaixador e professor, considera que em Israel “estamos a viver e viveremos o apartheid de uma forma muito mais intensa à medida que o tempo passa, porque a população tornar-se-á maioritariamente árabe. Israel vai assemelhar-se cada vez mais à África do Sul do apartheid, mas sem uma solução sul-africana. Não há cenário possível em que a minoria judaica alguma vez ofereça o poder à maioria árabe.

Do Mediterrâneo ao rio Jordão, o que temos”, diz Ben Ami, “é um Estado dominado por uma ‘raça-mestra’ que é a judaica, onde os palestinianos não têm direitos. Um apartheid. Israel diz que é uma ocupação militar, como a da França na Argélia ou a da Inglaterra noutros territórios, e que, como tal, é temporária, até haver uma solução. Trata-se de um logro. No momento em que a negociação política morre, o argumento deixa de ser válido”.

O relatório da Human Rights Watch

A Human Rights Watch publicou um relatório em 27 de abril de 2021, resultado de anos de trabalho no terreno. Com base na sua investigação, a Human Rights Watch conclui que o governo israelita “demonstrou a sua intenção de manter o domínio judaico-israelita sobre os palestinianos em todo o território de Israel e nos territórios ocupados, incluindo Jerusalém Oriental. Esta intenção tem sido acompanhada por uma opressão sistemática dos palestinianos e por actos desumanos cometidos contra eles. Quando estes três elementos (domínio, opressão e actos desumanos) se conjugam, constituem o crime de apartheid”.

A Human Rights Watch considera que “estas políticas privam intencional e severamente milhões de palestinianos de direitos fundamentais, incluindo a residência, a propriedade privada e o acesso à terra, aos serviços e aos recursos, de uma forma generalizada e sistemática, em virtude da sua identidade como palestinianos”.

Tal como aconteceu na África do Sul, o apartheid é sustentado por lei. A Human Rights Watch recorda que “a Lei da Cidadania de Israel, de 1952, cria uma realidade em que um cidadão judeu de qualquer outro país que nunca tenha estado em Israel pode mudar-se para lá e obter automaticamente a cidadania, ao passo que um palestiniano expulso da sua terra e a definhar há mais de 70 anos num campo de refugiados num país vizinho não o pode fazer”.

Esta lei ainda está em vigor. O relatório da Human Rights Watch recorda que: Em 2005, Ariel Sharon, então primeiro-ministro, argumentou que “não há necessidade de se esconder atrás de argumentos de segurança. A existência de um Estado judaico é necessária”. Benjamin Netanyahu, na altura ministro das Finanças, já referia que “em vez de facilitar as coisas para os palestinianos que querem obter a cidadania, devíamos tornar o processo muito mais difícil, para garantir a segurança de Israel e uma maioria judaica”. Em março de 2019, desta vez como primeiro-ministro, Netanyahu declarou: ‘Israel não é um Estado de todos os seus cidadãos, mas sim o Estado-nação do povo judeu, e apenas dele’.”

O relatório da Human Rights Watch conclui: “Durante demasiado tempo, a comunidade internacional fechou os olhos à realidade cada vez mais transparente no terreno. Todos os dias nasce uma pessoa em Gaza numa prisão a céu aberto, na Cisjordânia sem direitos civis, em Israel com um estatuto inferior por lei e nos países vizinhos efetivamente condenada ao estatuto de refugiado para toda a vida, tal como os seus pais e avós antes deles, apenas porque são palestinianos e não judeus. Um futuro baseado na liberdade, na igualdade e na dignidade para todas as pessoas que vivem em Israel e nos territórios ocupados continuará a ser difícil de alcançar enquanto persistirem as práticas abusivas de Israel contra os palestinianos”.

O cenário: Cisjordânia e Gaza

Qual é o contexto geográfico e humano em que, segundo a Human Rights Watch, foi estabelecido um regime de apartheid? Na Guerra dos Seis Dias de 1967, Israel ocupou a Cisjordânia, Gaza, Jerusalém Oriental, os Montes Golã sírios e o Sinai egípcio. Hoje, apesar das numerosas condenações da ONU, mantém a ocupação, exceto no Sinai, que foi devolvido ao Egipto em 1979, após a assinatura dos acordos de paz de Camp David.

Os territórios palestinianos da Cisjordânia e de Gaza estão separados um do outro por Israel. Desde 2007, a população de Gaza está sujeita a um bloqueio que torna extremamente difícil a saída de pessoas e a entrada de bens de primeira necessidade, transformando a Faixa na maior prisão a céu aberto do mundo. Cerca de dois milhões de pessoas – um milhão das quais crianças – vivem amontoadas numa prisão com 41 quilómetros de comprimento e 10 quilómetros de largura. Desde 2004, foi bombardeada por Israel em numerosas ocasiões, tendo algumas ofensivas provocado mais de um milhar de mortos palestinianos, na sua maioria civis. A mais grave foi a desencadeada após o atroz ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro de 2023. Mais de 8.000 palestinianos foram mortos, um terço dos quais crianças.

Na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental vivem mais de 500.000 colonos judeus que ocupam terras palestinianas e controlam a maior parte dos aquíferos. O território é comparado a uma espécie de queijo Gruyère, com aldeias palestinianas isoladas, separadas umas das outras e da própria Jerusalém Oriental por um muro, constantes postos de controlo do exército e estradas exclusivamente israelitas. A crescente construção de novos colonatos ilegais, conduzida por colonos judeus sob a proteção do exército israelita, frustra efetivamente a possibilidade de um futuro Estado palestiniano. E cria um cenário de violência constante entre as duas comunidades.

As raízes do ódio

Jeremy Milgrom, rabino israelita e ativista pela paz, pergunta numa entrevista qual a origem de tanto ódio, de tanta dor. “O maior erro que cometemos desde 1967 foi a terrível ocupação. Mas, na realidade, o problema é anterior a 67 e mesmo a 48. E é uma coisa complexa em que tenho pensado muito: como dizer às pessoas que os terroristas que cometeram o terrível massacre de 7 de outubro de 2023 são filhos e netos de refugiados que foram expulsos da terra onde se situa o kibutz que foi atacado. Estes terroristas regressaram com o coração cheio de desejo de vingança pela vida que eles e as suas famílias tiveram. Nós, israelitas, não fizemos qualquer esforço para satisfazer as suas justas exigências. E quando não se respeita a necessidade básica de justiça, não se vai encontrar uma resposta civilizada”.

Tudo isto”, diz Jeremy Milgrom, “é algo que nunca ouvi dizer em público, mas penso que muita gente sabe. Não estou a justificá-los, trata-se de compreender o que aconteceu. A raiva que sentimos agora contra o Hamas deve-se à humilhação, à dor, mas também porque existe um sentimento de culpa muito profundo, que escondemos durante todos estes anos, pelos refugiados. Fingimos que eles já não eram um problema, que tinham desaparecido e que os podíamos esquecer. Mas sabíamos que isso não era verdade.

“Para compreender como é que os seres humanos se podem tornar bárbaros capazes de agir de uma forma tão brutal – não para o justificar, mas para o compreender – é preciso estar consciente, e penso que muitos israelitas estão conscientes, de que viver em Gaza é viver numa panela de pressão e que, quando esta explode, explode de uma forma horrível”, defende Jeremy Milgrom.

As palavras de António Guterres

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, expressou uma opinião semelhante e foi severamente criticado pelas autoridades israelitas. Os ataques do Hamas não surgiram do nada”, afirmou. Os palestinianos vivem há 56 anos sob uma ocupação sufocante, as suas terras foram gradualmente engolidas pelos colonatos e as suas esperanças de uma solução política desvaneceram-se, mas as suas queixas não podem justificar os atrozes ataques do Hamas. Nem o castigo coletivo da população palestiniana [como resposta israelita]”.

Em resposta às críticas em Israel, Guterres recordou que “condenei inequivocamente os actos de terror sem precedentes e horríveis perpetrados pelo Hamas em 7 de outubro em Israel. Nada pode justificar a morte deliberada, os ferimentos e o rapto de civis, ou o lançamento de rockets contra alvos civis”.

Alguns dias antes, o principal responsável pelos negócios estrangeiros da UE, Josep Borrell, tinha declarado que “tal como podemos dizer que é uma tragédia abominável matar jovens que estavam a celebrar a vida, não podemos dizer o mesmo da morte de crianças em Gaza? Como é que o luto por uma tragédia me tira a força moral para lamentar outra? Pelo contrário, dá-ma.

Gideon Levy, um reputado jornalista israelita empenhado na paz, escreveu que “em 7 de outubro de 2023, Israel acordou para uma realidade diferente, que deveria finalmente extinguir a arrogância e a complacência do país. Deveria demonstrar, de uma vez por todas, a impossibilidade de escapar a quaisquer consequências de continuar a aprisionar indefinidamente mais de dois milhões de pessoas numa jaula gigante (Gaza), enquanto outros três milhões de pessoas vivem indefinidamente sob a tirania militar (Cisjordânia)”.

Actividades complementares

Uma breve história animada da questão palestiniana
Explicar a guerra entre Israel e Gaza

FACIL

O apartheid na Palestina, as raízes profundas da guerra

Escrito por Josep Carles Rius

O apartheid na Palestina: uma história complexa

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, falou sobre a difícil situação na Palestina, afirmando que os ataques do Hamas não surgiram do nada. Esta afirmação gerou polémica em Israel. Para compreender o que se está a passar, é importante conhecer o termo “apartheid”, que teve origem na África do Sul e foi utilizado para descrever um sistema de segregação racial entre 1948 e 1992.

O sistema do apartheid baseava-se em leis que discriminavam a população negra e indiana da África do Sul. Foi promovido pelos descendentes dos colonos europeus que queriam manter os seus privilégios em relação à população indígena. Nelson Mandela tornou-se um símbolo de resistência e diálogo que ajudou a pôr fim ao apartheid na África do Sul.

A Convenção das Nações Unidas sobre o Apartheid e o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional definem o apartheid como um crime contra a humanidade, envolvendo actos desumanos cometidos para manter o domínio de um grupo racial sobre outro.

Coloca-se a questão de saber se podemos aplicar o termo “apartheid” à situação em Israel e na Palestina. Para responder a esta questão, consideremos a opinião de Benjamin Pogrund, um jornalista sul-africano que viveu sob o apartheid na África do Sul e que mais tarde se mudou para Israel. Durante muito tempo, rejeitou a ideia de que Israel praticava o apartheid. No entanto, em 2023, mudou de opinião e afirmou que Israel estava a seguir um caminho semelhante ao do apartheid sul-africano.

A situação na Palestina centra-se na Cisjordânia e em Gaza, duas zonas geográficas separadas por Israel. Gaza está sob um bloqueio desde 2007, o que conduziu a uma situação de sofrimento para a sua população. Na Cisjordânia, mais de 500.000 colonos judeus ocupam terras palestinianas e controlam recursos vitais, dificultando a criação de um Estado palestiniano.

 

O relatório da Human Rights Watch alerta para o perigo

A Human Rights Watch publicou um relatório em que afirma que Israel demonstrou a sua intenção de manter o domínio judaico sobre os palestinianos em Israel e nos territórios ocupados, o que descreve como um crime de apartheid. Este crime baseia-se na privação intencional e grave dos direitos fundamentais dos palestinianos.

Cisjordânia e Gaza

Em 1967, Israel ocupou várias zonas durante uma guerra. Embora as Nações Unidas não tenham concordado com esta ocupação, Israel ainda controla algumas destas zonas, exceto o Sinai, que foi devolvido ao Egipto em 1979.

A Cisjordânia e Gaza são dois locais onde, de acordo com a Human Rights Watch, existe um sistema de segregação do tipo apartheid. Estas zonas estão separadas por Israel. Em Gaza, existe um bloqueio desde 2007 que dificulta a saída de pessoas e a entrada de alimentos. Isto fez de Gaza um lugar onde muitas pessoas vivem num espaço muito pequeno, como uma grande prisão a céu aberto. Também tem havido bombardeamentos por parte de Israel, com muitos civis feridos ou mortos, incluindo crianças. O pior foi em 2023.

Na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, há mais de 500.000 colonos judeus que ocupam terras que originalmente pertenciam aos palestinianos e controlam a água. A região é comparada a um queijo suíço porque há aldeias palestinianas isoladas, separadas por um muro e estradas exclusivas de Israel. Além disso, a construção de novos colonatos ilegais tem aumentado, tornando difícil aos palestinianos terem o seu próprio Estado no futuro e causando muita violência entre as duas comunidades.

A origem do ódio

Jeremy Milgrom, rabino israelita e defensor da paz, pergunta-se porque é que há tanto ódio e sofrimento na região.

O problema não começou em 1967, mas é anterior a essa data, mesmo antes de 1948. Explica que algumas das pessoas que cometeram actos terríveis em 2023 são descendentes de refugiados que foram expulsos das suas terras. Estes descendentes sentem muita raiva e desejo de vingança devido às dificuldades que eles e as suas famílias enfrentaram.

Jeremy Milgrom considera que os israelitas não fizeram o suficiente para responder às reivindicações justas destas pessoas e, quando a justiça não é respeitada, as pessoas reagem por vezes de forma violenta.

As palavras de António Guterres

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, expressou a sua opinião sobre a situação e foi criticado por Israel. Guterres afirmou que os ataques do Hamas não surgiram do nada, uma vez que os palestinianos vivem sob ocupação há muito tempo e as suas esperanças de uma solução pacífica desvaneceram-se. No entanto, também condenou os actos de terror do Hamas em Israel e afirmou que não há justificação para ferir civis ou disparar foguetes contra alvos civis.

O líder da UE, Josep Borrell, também lamentou a morte de crianças em Gaza e sublinhou que era tão triste como a morte de jovens noutros locais.

Um jornalista israelita empenhado na paz, Gideon Levy, referiu que a situação em 2023 deverá fazer com que Israel se aperceba da realidade da prisão de muitas pessoas em Gaza e da tirania militar na Cisjordânia, o que deverá fazer com que o país se aperceba das consequências desta situação.

Uma breve história animada da questão palestiniana
Explicar a guerra entre Israel e Gaza

☑️ Teste os seus conhecimentos

Teste de compreensão escrita - O apartheid na Palestina, as raízes profundas da guerra

Passo 1 de 3

Como é que o relatório da Human Rights Watch compara a situação em Israel e na Palestina?
saltar para o conteúdo