Inquilinos neo-pobres: quando o aluguer é superior ao salário mínimo

Panorâmica da cidade de Barcelona, ​​município que já atinge a renda média de 1.124,62€. Foto de David Zorrakino.

Escoge tu nivel de lectura:

ESTÁNDAR

Inquilinos neo-pobres: quando o aluguer é superior ao salário mínimo

Escrito por Laura Casamitjana

Cidades como Barcelona e Lisboa são exemplos do problema estrutural do acesso à habitação: preços exorbitantes e oligopólios imobiliários que deixam a maioria dos inquilinos em risco de pobreza e os jovens condenados à precariedade.

No Idealista, o portal com mais ofertas de apartamentos, foram publicados 2100 apartamentos na cidade de Barcelona no último mês – os números oscilam muito ligeiramente todos os dias, a média mantém-se igual. Destes apartamentos publicados, a grande maioria, quase 60%, ultrapassa os 1500 euros. No lado oposto do orçamento, encontramos 182 apartamentos por menos de 1.000 euros, ou seja, 8,6% dos apartamentos publicados. No entanto, se formos para a gama superior, os apartamentos por mais de 3.000 euros, há 192 no portal, 9,14% do total. A oferta de habitação de luxo é maior do que a de apartamentos moderadamente acessíveis a quem aufere um salário mínimo.

Os últimos dados fornecidos pela Incasòl mostram que o preço médio anual do aluguer de uma habitação em Barcelona era de 1 124,62 euros. Tendo em conta que o salário mínimo em Espanha no mesmo ano é de 1080 euros brutos, a recomendação de atribuir um limite de 30% do rendimento à habitação está longe de ser cumprida. O Banco de Espanha alertou no seu relatório anual de 2022 que “em 2021, 48,9% dos agregados familiares espanhóis que vivem em habitações arrendadas estavam em risco de pobreza ou exclusão social – a percentagem mais elevada da UE”. No mesmo estudo, o banco espanhol analisa que “os preços elevados das rendas, em comparação com o rendimento do trabalho, aumentam a proporção da população em risco de exclusão social e das famílias com capacidade de despesa limitada noutros bens e serviços”.

Juventude, precariedade perpétua

Para os jovens, a situação é particularmente difícil. No primeiro semestre de 2023, apenas 16,3% dos jovens conseguiram sair da casa da família, quase metade da média europeia (31,9%), segundo o Conselho Espanhol da Juventude. Registou também a “idade média de emancipação mais elevada em Espanha nos últimos 20 anos: 30,3 anos”.

Quase metade dos jovens espanhóis ganhou menos de 1.500 euros por mês no ano passado e três em cada dez menos de 955 euros, segundo o estudo económico da OCDE sobre a Espanha 2023. Só para arrendar uma casa, o CJE indica que um jovem teria de gastar 93,9% do seu salário líquido anual, e o preço médio do arrendamento em Espanha no primeiro semestre de 2023 é o mais elevado desde que há registos: 944 euros por mês.

Poucos proprietários com muitas casas, o controlo da oferta faz subir os preços

As metrópoles concebidas como centros nevrálgicos estão sujeitas a uma tensão causada por vários factores: o desequilíbrio entre a oferta e a procura de habitação, que por sua vez gera mudanças demográficas súbitas. Precisamente o paradoxo é que onde se encontram as habitações mais caras é onde a maior parte das pessoas procura arrendar, exigido pelo centro gravitacional da atividade económica em que se transformam as grandes cidades. No caso de Barcelona, o turismo também desempenha um papel fundamental: segundo dados do INE, em agosto de 2023 havia 7531 habitações registadas como alojamento turístico – sem contar com as que funcionam de forma não regulamentada. Este fenómeno significa um desvio de apartamentos que não podem ser utilizados como habitação permanente, limitando ainda mais a oferta para este fim. O instigador da subida abismal dos preços é o parque habitacional, que está sujeito a uma tendência para a rentabilidade e o lucro e não como um direito: a concentração da propriedade é cada vez mais acentuada.

Apesar de um número muito elevado de proprietários possuir uma casa (84,0%), de acordo com o relatório do Observatori Metropolità de l’Habitatge a Barcelona, os números alarmantes são os dos proprietários de mais do que uma casa. Extraindo dados do mesmo estudo: os proprietários de 5 ou mais habitações representam 2,2% do total de proprietários (11.777) e possuem 23,2% das habitações (184.111). Os proprietários de mais de 10 alojamentos representam 0,9% do total de proprietários (4.572) e acumulam 17,2% dos alojamentos (136.324). Os proprietários de mais de 15 alojamentos representam 0,5% do total de proprietários (2.593) e detêm 14,0% do parque (111.140). Quanto ao parque de habitação pública, representa apenas 1,8% do total, apesar de ser uma das cidades com mais habitação pública em Espanha.

A este esquema juntam-se os bancos que possuem habitações, incluindo o “banco mau” Sareb, que em meados de 2023 tinha 767 casas em Barcelona. Os fundos de investimento, também conhecidos como “fundos abutre”, compram frequentemente habitações para obterem rendimentos económicos: um caso notório foi o do fundo “Blackstone”, que o meio de comunicação La Direta revelou numa investigação em 2022, como proprietário de mais de 5550 casas na Catalunha, 891 em Barcelona. Tanto os bancos como os fundos têm apartamentos vazios, facto que favorece uma menor oferta e um aumento forçado dos preços, como denunciou o Sindicat de Llogateres em 2022, só o Blackstone tinha “40% dos seus apartamentos vazios”.

A concentração de imóveis e a gestão recorrente das omnipresentes agências imobiliárias – só em Barcelona, o portal Indomio regista 180 imóveis – fazem com que os preços sejam fixados de acordo com a sua própria bitola. Para tentar atenuar a situação, a Catalunha será a primeira comunidade a aplicar a Lei da Habitação, que estabelece um limite máximo para os preços das rendas a partir de fevereiro. Barcelona faz parte dos municípios declarados como “municípios em crise” e o limite máximo das rendas será regido pelo índice de referência fixado.

Os elevados preços dos alugueres são um problema nas grandes cidades europeias. Foto de Pixabay.

Novo bairro de lata em Portugal

Por outro lado, agências como a Uniplaces, a HousingAnywhere ou a Spotahome, que oferecem alugueres destinados a estudantes estrangeiros (como a Erasmusu, agora absorvida pela Spotahome) ou também aos chamados “nómadas digitais”, retiram do mercado habitações que poderiam ser alugadas de forma permanente. O sistema, concebido como uma espécie de Airbnb de longa duração, permite alugar apartamentos ou quartos com pouco esforço, durante os meses escolhidos e com uma visita virtual (não é possível ver os apartamentos fisicamente antes de entrar). As plataformas cobram uma comissão e só oferecem os apartamentos a título temporário, orientando o seu mercado para as pessoas que estão de passagem.

Uma das capitais europeias onde a Uniplaces tem uma grande oferta é Lisboa, metrópole de um dos países que tem o chamado “visto de nómada digital” – tal como Espanha -. No caso dopaís luso, um dos requisitos para o obter é ganhar pelo menos quatro vezes o salário mínimo português por mês. Com esta condição, é de esperar que as agências especializadas em alugueres para estrangeiros inflacionem os preços e, por sua vez, afectem todo o problema do acesso à habitação. Viver num país com um nível de vida muito mais baixo por um salário mais elevado é uma pechincha, mas não para a população local.

A pouco mais de meia hora de carro de Lisboa, uma vila atrai turistas com a sua paisagem bucólica. É a praia de Carcavelos, uma das mais populares da região, com um ótimo ambiente: bares de praia, música, boas ondas. É Cascais, um concelho que tem todos os ingredientes para se tornar um objeto de especulação.

Nos bastidores, a realidade: na Quinta dos Ingleses, um parque local, está a surgir uma colónia de tendas como alternativa desesperada aos preços abusivos. Dados dos especialistas imobiliários Properstar indicam que o aluguer de um apartamento em agosto de 2021, em Cascais, custava 15 euros por metro quadrado. Dois anos mais tarde, em agosto de 2023, o preço subiu para 25 euros por metro quadrado.

O mais acessível, um apartamento estúdio sem quartos, tem o menor preço de aluguer a 1167 euros em média. Fazendo a média dos apartamentos em Cascais, os dados do portal imobiliário mostram que o preço médio de um apartamento é de €1917. O salário mínimo em Portugal em 2023 é de 886,7 euros – 63 euros acima do ano anterior. Embora o limite tenha sido aumentado, é claro que não é suficiente: alugar um apartamento médio em Cascais custa 116% mais do que o salário mínimo.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) refere no seu relatório de setembro de 2023, sobre a avaliação da habitação, que o valor médio das habitações foi de “1197 euros/m2 em agosto de 2023, um aumento de 6,3% face ao mês homólogo do ano anterior”. Aponta ainda para duas zonas sob alarmante pressão económica: “Os valores mais elevados foram observados no Algarve (2178 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (2059 euros/m2)”.

Cascais é o retrato da tensão insustentável na Área Metropolitana de Lisboa. As barracas surgem como o novo bairro de lata, num local de preços descontrolados. Ao mesmo tempo, o investimento estrangeiro mostra uma fixação pela localidade: segundo dados do Idealista, Cascais é o quarto município português mais procurado por estrangeiros. Os norte-americanos lideram a lista, com casas entre os 300 mil e os 600 mil euros a serem 32% procuradas por eles.

O concelho de Loulé, o mais populoso da região algarvia, também tem atraído a atenção do dinheiro estrangeiro. Com cerca de 72.000 habitantes – de acordo com os últimos dados, de 2021 – atraiu o segundo maior capital estrangeiro – atrás da capital Lisboa – com os compradores britânicos a liderar o caminho e os norte-americanos e alemães em termos de habitação de luxo. A situação na região do Algarve, a região mais a sul de Portugal, é limítrofe, uma vez que regista os preços mais elevados do país, tal como referido no relatório do Instituto Nacional de Estatística português. A situação em Lisboa e arredores, e portanto em Portugal, é a história de um flagelo partilhado com outras grandes cidades europeias.

ACTIVIDADES COMPLEMENTARIAS

FÁCIL

Inquilinos neo-pobres: quando o aluguer é superior ao salário mínimo

Escrito por Laura Casamitjana

Cidades como Barcelona e Lisboa são exemplos do problema estrutural do acesso à habitação: preços exorbitantes e oligopólios imobiliários que deixam a maioria dos inquilinos em risco de pobreza e os jovens condenados à precariedade.

Em Espanha, o portal com mais ofertas de habitação é o Idealista. No último mês, publicaram 2100 imóveis disponíveis. Mas, por detrás destes números, há uma situação complicada, com rendas que estão longe de ser acessíveis para muitos.

Cerca de 60% destas novas habitações publicadas têm um preço superior a 1500 euros por mês. No outro extremo da escala, apenas 182 imóveis têm rendas inferiores a 1.000 euros, o que representa uns modestos 8,6% do total. E para quem procura o mais luxuoso, 192 casas têm rendas superiores a 3000 euros, o que representa 9,14%. Isto revela uma realidade curiosa: há mais opções de habitação de luxo do que casas a preços moderados para salários base.

Incasòl (um organismo público da Generalitat de Catalunya que gere o território e promove o desenvolvimento urbano e territorial da região) refere que a renda média anual em Barcelona atingiu os 1124,62 euros. Se compararmos este valor com o salário mínimo em Espanha no mesmo período (1080 euros brutos), verificamos um claro desequilíbrio. O Banco de Espanha alerta para a realidade de que quase metade dos agregados familiares espanhóis que arrendam casa estão em risco de pobreza ou de exclusão social devido aos preços elevados.

Juventude, precariedade perpétua

Os jovens enfrentam um cenário particularmente difícil. No primeiro semestre de 2023, apenas 16,3% conseguiram tornar-se independentes da casa da família, quase metade da média europeia (31,9%), de acordo com o Conselho Espanhol da Juventude. Além disso, a idade média de emancipação em Espanha atingiu os 30,3 anos.

O estudo económico da OCDE diz-nos que quase metade dos jovens espanhóis ganhava menos de 1500 euros por mês no ano passado, e três em cada dez menos de 955 euros. Para arrendar uma casa por conta própria, um jovem teria de gastar 93,9% do seu salário líquido anual. Esta situação é ainda mais complicada pelo facto de o preço médio do arrendamento em Espanha no primeiro semestre de 2023 ser o mais elevado jamais registado: 944 euros por mês.

Poucos proprietários com muitas casas, o controlo da oferta faz subir os preços

No jogo imobiliário, a concentração de imóveis nas mãos de poucos proprietários e a influência de factores externos, como o turismo, criam tensões no mercado. Dados do INE mostram que, em agosto de 2023, existiam 7531 fogos destinados a alojamento turístico, limitando ainda mais as opções de residência permanente. A concentração de imóveis é clara nos números: 84,0% dos proprietários têm pelo menos um imóvel, mas o problema está naqueles que têm vários imóveis.

Além disso, bancos como o Sareb e fundos de investimento, como o Blackstone, afectam o mercado ao deixarem parte das suas propriedades vazias, forçando assim o aumento do preço, uma vez que a oferta é menor. A concentração da propriedade e a gestão imobiliária também afectam os preços, criando um círculo vicioso.

Para fazer face a esta situação, a Catalunha será a primeira a aplicar a Lei da Habitação, estabelecendo limites para os preços das rendas a partir de fevereiro. Barcelona, classificada como “município em situação de stress”, verá o seu limite de renda regido por um índice de referência.

Os elevados preços dos alugueres são um problema nas grandes cidades europeias. Foto de Pixabay.

Novo bairro de lata em Portugal

Há agências imobiliárias que se concentram em oferecer opções para estudantes estrangeiros e “nómadas digitais”. A sua proposta permite-lhe alugar facilmente apartamentos ou quartos sem grande esforço, seleccionando os meses desejados e fazendo visitas virtuais, uma vez que não os pode ver fisicamente antes de entrar.

Em Lisboa, uma destas plataformas tem uma oferta significativa, sobretudo porque a cidade faz parte dos países que oferecem o chamado “visto de nómada digital”. Para obter este visto em Portugal, é necessário um rendimento mensal de pelo menos quatro vezes o salário mínimo português. Esta condição, apesar de benéfica para os nómadas, pode inflacionar os preços, uma vez que aumenta o preço das habitações (ao cobrarem mais, estão dispostos a pagar mais), prejudicando os locais que têm um salário português. Viver num país com um custo de vida mais baixo mas com salários mais elevados pode ser benéfico para o assalariado estrangeiro, mas não tanto para a população local.

A uma curta distância de Lisboa, Cascais apresenta-se como uma cidade atractiva para os turistas, com as suas praias, bares de praia e ambiente animado. No entanto, a realidade é diferente. Na Quinta dos Ingleses, um parque na zona, surgiu um acampamento de tendas como solução desesperada para os preços elevados. De acordo com os dados da Properstar, alugar um apartamento em Cascais em agosto de 2021 custava 15 euros por metro quadrado, mas dois anos mais tarde, em agosto de 2023, o preço subiu para 25 euros por metro quadrado. Mesmo os estúdios sem quartos, a opção mais acessível, têm um preço médio de aluguer de 1167 euros.

Estes preços são significativamente mais elevados do que o salário mínimo em Portugal, que em 2023 era de 886,7 euros, mais 63 euros do que no ano anterior. A renda média de um apartamento em Cascais é 116% superior a este salário mínimo.

O relatório de setembro de 2023 do Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre as avaliações de habitações destaca que o valor médio das habitações foi de 1197 euros/m2 em agosto de 2023, um aumento de 6,3% face ao ano anterior. Refere que o Algarve e a Área Metropolitana de Lisboa são zonas particularmente afectadas pela pressão económica, com valores por metro quadrado mais elevados.

Cascais é um exemplo da tensão insustentável na Área Metropolitana de Lisboa. As barracas surgem como resposta desesperada aos preços fora de controlo. Apesar disso, o investimento estrangeiro continua interessado na vila, segundo dados do Idealista, o que faz de Cascais o quarto concelho português mais procurado por estrangeiros. Os norte-americanos lideram a procura, mostrando interesse em casas avaliadas entre 300 mil e 600 mil, com uma preferência de 32%.

Na região do Algarve, o concelho de Loulé tem atraído a atenção de investidores estrangeiros, sobretudo britânicos. Esta popularidade tem um preço, pois a região regista os preços mais elevados do país, segundo o relatório do Instituto Nacional de Estatística. A situação em Lisboa e arredores reflecte um problema comum a outras grandes cidades europeias.

☑️ Comprueba tus conocimientos

Perguntas de compreensão da leitura - Inquilinos neo-pobres: quando o aluguer é superior ao salário mínimo

Passo 1 de 3

Qual é a percentagem de imóveis publicados no último mês em Barcelona com rendas superiores a 1500 euros?
saltar para o conteúdo