Influenciadores e divulgadores científicos: três entrevistas

Três influenciadores científicos italianos. Da esquerda para a direita: Saudino, Schettini e Bressanini

 

Escolha o seu nível de leitura:

PADRÃO

Influenciadores e divulgadores científicos: três entrevistas

Escrito por Stefania De Cristofaro

Os canais sociais com conteúdos culturais estão a ficar loucos em Itália. Entrevistámos três "estrelas da Web": Vincenzo Schettini, Matteo Saudino e Dario Bressanini

A ciência online tem cada vez mais adeptos. Em Itália, há um número crescente de utilizadores de vídeo-aulas transmitidas nas redes sociais, com explicações, experiências, definições, fórmulas matemáticas e anedotas, que provocam sorrisos e despertam a curiosidade de alunos e alunas. 

E os professores mais bem sucedidos tornaram-se verdadeiros “influenciadores” que são entrevistados na televisão, participam em conferências e, nalguns casos, fazem verdadeiras digressões pelas escolas e teatros italianos.

Especialmente entre as raparigas e os rapazes do ensino secundário, há um boom de “gostos” para os professores que se tornaram divulgadores da ciência, protagonistas de uma nova forma de fazer cultura, especialmente para as disciplinas STEM (abreviatura de Science, Technology, Engineering, Mathematics).

Tal como os especialistas em moda, desporto ou culinária são capazes de reunir milhões de seguidores, alguns destes professores empreendedores também fazem proselitismo no Instagram, Youtube, Facebook, Tik Tok e Spotify.

A “web star” da Física

Vincenzo Schettini é professor de física num liceu da província de Bari, mas é hoje uma estrela das redes sociais, com mais de três milhões de seguidores. É também a estrela de uma digressão teatral com lotação esgotada em todas as datas e é autor de um livro intitulado “La Fisica che ci piace” (A Física de que gostamos), vencedor do prémio Elsa Morante 2023 e um best-seller.

O segredo do seu sucesso?  “Não há segredos”, declara o Prof. Schettini. “Schettini. Simplesmente nos meus vídeos transparece a minha personalidade e os meus sentimentos, e não apenas uma noção estéril”.

“Nos meus vídeos, vê-se que me divirto com as crianças e, quando nos divertimos, atraímos também a atenção e a curiosidade”, continua o professor. – Quem vê um dos meus vídeos começa a perguntar-se: mas porque é que eles se estão a rir? E como aqueles que geralmente são obrigados a estudar física choram quase sempre, muitas vezes ficam para ouvir a minha palestra”. 

“Os estudantes, por serem muito jovens, nem sempre sabem o que fazer com a Internet. A Internet tem um potencial incrível mas, ao mesmo tempo, pode tornar-se um sítio muito perigoso, e é por isso que tem de ser governada. Por isso, penso que o Ministério da Educação deveria emitir directrizes especiais”.

História: não só Barbero

Toda a gente em Itália conhece o professor Alessandro Barbero, graças ao qual muitos descobriram (ou redescobriram) a sua paixão pela história medieval. Mas, curiosamente, é um influenciador involuntário que não tem canais sociais próprios. Os milhões e milhões de visualizações das suas conferências são carregados pelos seus alunos e admiradores.

Outro rosto conhecido da popularização histórica é Matteo Saudino, professor num liceu de Turim, mas conhecido do grande público como BarbaSophia. Herdou a paixão pelas histórias do seu avô partidário e descobriu o canal social graças à sugestão de um aluno. “O professor deve, antes de mais, amar a sua disciplina e transmitir a paixão aos alunos, deve ter empatia e paciência, porque os percursos de aprendizagem são longos e tortuosos”, afirma o professor que começou com aulas no Facebook. “O professor deve ser capaz de apontar certas perspectivas e, assim, ser um educador. Para o fazer, tem de se expor e também dizer o que pensa, dar respostas e pistas de reflexão: tem de ser um ponto de referência. Tem de deixar um rasto, quer em termos da disciplina que ensina, quer em termos de comportamento e de paixão”, salienta Saudino. “O principal é o facto de darem a todos as ferramentas para se formarem: o que importa refletir é que são grandes caixas de ferramentas e contentores. Todos têm mais oportunidades para tirar partido em termos de conhecimento, compreensão e formação. Em segundo lugar, podem despoletar uma linguagem mais fresca e estimular uma comunicação mais cativante. Temos também de considerar que as redes sociais permitem o desenvolvimento da interdisciplinaridade”.

Todos loucos por química

Dario Bressanini, professor na Universidade de Como, define-se como o químico amigo do bairro: foi um dos primeiros a criar um blogue de orientação científica no início dos anos 2000: “Ciência na cozinha”. 

“A certa altura, os jovens deixaram de ver televisão ou, se quisermos, os meios de comunicação tradicionais deixaram de ser dirigidos a eles, pelo que havia e continua a haver uma procura de conteúdos não ditos. Os popularizadores, portanto, mostraram que havia uma procura não expressa desse tipo de conteúdo científico”, diz o professor, explicando as razões do sucesso das aulas nas redes sociais. “Entre os meus primeiros seguidores, havia rapazes de 14 anos que agora me escrevem a dizer que optaram por continuar os seus estudos na universidade.  Alguns até se licenciaram em disciplinas científicas”. 

“A contribuição para a educação que a popularização da ciência pode dar é notável: se for bem feita, estimula a curiosidade de alguns alunos, que por vezes é um pouco repelida por programas ministeriais que, na minha opinião, são velhos”, argumenta. “A partir do momento em que se consegue despertar a curiosidade dos jovens, a ciência, a química ou a física deixam de ser concebidas como disciplinas abstratas e aborrecidas por causa das fórmulas a aprender de cor, para serem apreendidas na realidade quotidiana. Se conseguirmos isso, os jovens apaixonam-se. E se se apaixonam, vêem a educação de uma forma diferente. 

E estudam com prazer, interesse e motivação.

Actividades complementares

FACIL

Influenciadores e divulgadores científicos: três entrevistas

Escrito por Stefania De Cristofaro

Os canais sociais com conteúdos culturais estão a ficar loucos em Itália. Entrevistámos três “estrelas da Web”: Vincenzo Schettini, Matteo Saudino e Dario Bressanini.

A ciência online tem cada vez mais adeptos. Em Itália, cresce o número de utilizadores de vídeo-aulas difundidas em redes sociais como o Instagram, YouTube, Facebook, Tik Tok e Spotify, com explicações, experiências, definições, fórmulas matemáticas e anedotas, que provocam sorrisos e despertam a curiosidade de alunos e alunas, sobretudo nas disciplinas STEM (abreviatura de Science, Technology, Engineering, Mathematics).

A “estrela da Web” da Física

Vincenzo Schettini ensina Física num liceu da província de Bari, mas é agora uma estrela das redes sociais, tendo ultrapassado os três milhões de seguidores.

O segredo do seu sucesso?  “Não há segredos”, diz o Prof. Schettini. – Schettini. “Simplesmente nos meus vídeos transparece a minha personalidade e os sentimentos que tenho, não apenas uma noção estéril.”

“Os estudantes, por serem muito jovens, nem sempre sabem o que fazer na Internet. A Internet tem um potencial incrível mas, ao mesmo tempo, pode tornar-se um lugar muito perigoso, e é por isso que tem de ser governada. Por isso, penso que o Ministério da Educação deveria emitir directrizes especiais”.

História: não só Barbero

Toda a gente em Itália conhece o professor Alessandro Barbero, graças ao qual muitos descobriram (ou redescobriram) a sua paixão pela história medieval.

Outro rosto conhecido da popularização histórica é Matteo Saudino, professor num liceu de Turim, mas conhecido do grande público como BarbaSophia.

O professor”, diz Saudino, “deve, antes de mais, amar a sua disciplina e transmitir a sua paixão aos alunos, deve ter empatia e paciência, porque os percursos de aprendizagem são longos e tortuosos. Para o fazer, tem de se expor e também dizer o que pensa, dar respostas e pistas de reflexão: tem de ser um ponto de referência. Tem de deixar um rasto, quer em termos da disciplina que ensina, quer em termos de comportamento e de paixão”.

Todos loucos por química

Dario Bressanini, professor na Universidade de Como, define-se como o químico amigo do bairro: foi um dos primeiros a criar um blogue científico no início de 2000: “Ciência na cozinha”.

“A certa altura, os jovens deixaram de ver televisão ou, se quisermos, os meios de comunicação tradicionais deixaram de ser dirigidos a eles, pelo que havia e continua a haver uma procura de conteúdos não ditos. Os divulgadores, portanto, mostraram que havia uma procura não expressa desse tipo de conteúdo científico”, diz Bressanini.

“A contribuição para a educação que a divulgação científica pode dar é notável: se for bem feita, estimula a curiosidade de alguns alunos que, por vezes, é um pouco rejeitada pelos programas ministeriais que, na minha opinião, são antigos”, defende. “A partir do momento em que se consegue despertar a curiosidade dos jovens, a ciência, a química ou a física deixam de ser concebidas como disciplinas abstractas e aborrecidas, devido às fórmulas que têm de ser aprendidas de cor, e passam a ser apreendidas na sua realidade quotidiana e na sua multidisciplinaridade. Se conseguirmos isso, os jovens apaixonam-se. E se se apaixonam, vêem o ensino de uma forma diferente.

E estudam com prazer, interesse e motivação.

☑️ Teste os seus conhecimentos

Questionário para a compreensão - Influenciadores e divulgadores científicos: três entrevistas

Passo 1 de 3

De acordo com os três professores italianos entrevistados, quais são as razões para o sucesso das aulas em linha?
saltar para o conteúdo