Músculos, carros, mentalidade de milionário: a fraude do self-made man

A escola de Llados, chamada “Tu1millon”, reúne jovens que fazem uma peregrinação – os que pagam mais – a Miami para a sua Lourdes pessoal | Foto still de “Tu1millon”.

Escolha o seu nível de leitura:

PADRÃO

Músculos, carros, mentalidade de milionário: a fraude do self-made man

Escrito por Laura Casamitjana

Os esquemas Ponzi e os esquemas em pirâmide são fraudes com uma longa história. Agora, numa forma de masculinidade reacionária, de corpo hipertrofiado, de ostentação e de "mente de tubarão", chegam aos jovens através das redes sociais.

Burpees às 5 da manhã, duches frios, desenvolvimento pessoal, músculos dopados, lamborghinis (ou como ele carinhosamente lhes chama, lambos), mansões, barcos e mulheres (que para ele são apenas mais um produto da sua noção de sucesso). As “barrigas” e os “mileuristas” vivem numa matriz para Amadeo Llados, um guru que baseia o seu modelo de negócio no facto de ser um “online fitness coach”, onde vende uma experiência: a sua mentalidade e estilo de vida. As redes sociais estão cheias de homens que falam de disciplina e de “seguir o caminho” para “escapar ao sistema”. A escola de Llados, denominada “Tu1millon”, reúne jovens que fazem uma peregrinação – os que pagam mais – a Miami para a sua Lourdes particular: a mansão do líder supremo que lhes promete serem milionários, na verdade, promete-lhes que se vão “tornar no homem que querem ser”.

Com uma irradiação da mais tóxica – e ao mesmo tempo frágil – masculinidade, o discurso de Llados envolve aqueles que procuram o mito da virilidade perdida, do self-made man:“Llados não é mais do que a última excrescência de uma reação de homens neo-machos, como Jordan Peterson ou Andrew Tate, que escaparam pelo buraco aberto entre um patriarcado que não acabou de morrer e um feminismo que não acabou de nascer”,analisa o filósofo Adrià Porta sobre a personagem.. Com um perfil histriónico e uma espécie de síndrome de salvador, chega com uma mensagem para fazer as pessoas “acordarem”. Através das redes sociais, as imagens de uma vida de luxo fazem com que os recrutas funcionem como uma espécie de franchisados que mostram o mesmo nível de vida para angariar mais clientes, tendo o elemento Llados como elemento centralizador.

Um dos seus seguidores mais jovens – um rapaz de 16 anos – explica no seu canal do YouTube que quer deixar a escola porque não aprende nada e que quando chega às aulas já fez duas horas de “desenvolvimento pessoal” que lhe dá muito mais. Outro dos seguidores com maior alcance, que se tornou viral quando apareceu numa reportagem da Equipo de Investigación (La Sexta), diz-nos sem rodeios que se mudou e cortou relações com toda a sua família e amigos. Quanto à promessa de se tornar milionário, trabalha como caixa e diz que “está-se nas tintas para o dinheiro”, investindo grandes quantias em cursos da Llados e confiando no processo que o levará ao supostamente cobiçado primeiro milhão.

“Fazer burpees não gera dinheiro, fazer burpees gera o homem que vai gerar dinheiro”, é uma das frases de Llados para justificar o facto de os seus alunos não se tornarem milionários – na verdade, nem sequer ficam com dívidas: um seguidor tornou-se viral por dizer que ia pagar a compra e o cartão foi recusado.

Padrões psicológicos comuns dos recrutas

O comportamento sectário tem alguns padrões que podem ter ressonância no caso de Llados, um dos quais é a juventude dos recrutas. De acordo com um artigo da revista “Papeles del psicólogo”,os jovens são mais vulneráveis a este tipo de discurso, pois “quando o sujeito ainda se encontra nas fases evolutivas de construção, definição ou estabilização da sua identidade pessoal em relação à dos seus educadores ou pares, está mais recetivo a todo o tipo de alternativas comportamentais e, sobretudo, àquelas opções que facilitam uma clara e rápida distinção”. Outra caraterística comum dos seguidores de gurus do fitness é o momento de crise – é fácil encontrar testemunhos que dizem coisas como “estava perdido até encontrar LLados”, ou mesmo o caso de um homem que explica que costumava tomar comprimidos para a ansiedade e que, desde que frequenta os cursos, deixou de os tomar porque “não precisa deles”. “recrutador” como elemento a ser idolatrado é um fator chave que também se verifica neste caso, especialmente com o seu carácter próximo dos alunos – ao mesmo tempo agressivo em algumas das suas aulas, justificando este comportamento como necessário para que os alunos progridam – o que faz com que estes se sintam parte do projeto do “líder”.

VÍDEO PROMOCIONAL

Evento Tu1millon

Comprar fumo, vender fumo

Uma das perguntas mais recorrentes é qual é o produto que a Llados vende. ão cursos que, na verdade, não oferecem nada de concreto: “mentoria ao vivo todos os sábados. Crie o homem que admira e respeita. Fuja do sistema como um coach online. Mude o seu ambiente. Aprender a mentalidade de milionário”. Estes são alguns dos módulos que oferece no seu curso “Tu1Millon”, cujo preço é de uns modestos 1800 euros. O suposto caminho para se tornar um milionário de sucesso custa milhares de euros em diferentes cursos de formação.

Os esquemas Ponzi baseiam-se na promessa de elevados retornos para aqueles que decidem investir. Os riscos baixos e os rendimentos elevados são a chave para persuadir facilmente as pessoas, mas em muitos casos as táticas de venda emocionais também entram em jogo para manipular e atrair novos membros. Os juros gerados pelo capital depositado ou emprestado são pagos com o dinheiro contribuído pelos novos investidores, pelo que estamos a falar de um modelo muito semelhante a um esquema em pirâmide. “O sistema só funciona se o número de novas vítimas aumentar. Nesta fraude há sempre um ‘centralizador’ de vítimas que interage diretamente com elas”, explica a Association of Certified Fraud Examiners (ACFE) sobre o sistema..

Num esquema em pirâmide, os participantes recrutam novos membros e pagam uma taxa que vai diretamente para os que estão no topo. Num esquema Ponzi, os investidores dão o seu dinheiro ao fraudador, que promete rendimentos que são efetivamente pagos com o dinheiro dos novos investidores e não com lucros legítimos. Enquanto num esquema em pirâmide o dinheiro flui para cima através da estrutura, num esquema Ponzi o dinheiro flui lateralmente entre os investidores, mantendo estruturas operacionais muito semelhantes.

A mãe do modelo da pirâmide existe há quase meio século: a Herbalife, a empresa que se define como “marketing multinível que desenvolve, promove e vende produtos relacionados com a nutrição” – especialmente “dietas de emagrecimento”. Nesta dinâmica empresarial, as vendas são efetuadas através de indivíduos recrutados para serem “distribuidores independentes”. Ora, o sistema de marketing multinível baseia-se no facto de os distribuidores poderem ganhar comissões não só sobre as suas próprias vendas, mas também sobre as vendas geradas pelos distribuidores que recrutam e pelos distribuidores dos seus níveis inferiores (ou seja, como referiu a ACFE, “o sistema só funciona se o número de novas vítimas aumentar”).

Um sistema semelhante foi utilizado pela IM Academy, o esquema fraudulento disfarçado de “academia de Forex” investigado pelo jornalista Carles Tamayo em vários capítulos do seu canal no YouTube. De acordo com alguns ex-participantes, muitos menores chegaram a gastar o seu dinheiro neste esquema em pirâmide, que se tornou um tema recorrente de discussão entre os adolescentes nas escolas secundárias. Como diz um deles: “podemos não confiar num estranho, mas se um amigo nos vende o projeto, é diferente”. A febre das criptomoedas e da negociação em Forex era, neste caso, o “produto a vender”, vídeos de gurus com uma vida ostensiva que convidavam milhares de pessoas a comprar os seus cursos. Uma imagem que faz lembrar o vendedor de fumo da moda, Amadeo Llados. Uma imagem recorrente nas fraudes em pirâmide que pretendem oferecer uma via de escape a todas as pessoas que, devido a circunstâncias pessoais diferentes, mordem o isco.

Actividades complementares

FACIL

Músculos, carros, mentalidade de milionário: a fraude do self-made man

Escrito por Laura Casamitjana

Os esquemas Ponzi e os esquemas em pirâmide são fraudes com uma longa história. Agora, numa forma de masculinidade reacionária, de corpo hipertrofiado, de ostentação e de “mente de tubarão”, chegam aos jovens através das redes sociais.

Amadeo Llados, conhecido como um “treinador de fitness online”, criou um movimento que atrai seguidores com promessas de sucesso milionário e um estilo de vida luxuoso. A sua mensagem, que abraça a masculinidade extrema, seduz os jovens que procuram afirmar a sua virilidade e alcançar a riqueza.

O discurso de Llados envolve aqueles que procuram o mito da virilidade perdida, do self-made man:“Llados não representa mais do que a última excrescência de uma reação de homens neo-machos, como Jordan Peterson ou Andrew Tate, que escorregaram pelo buraco aberto entre um patriarcado que não acabou de morrer e um feminismo que não acabou de nascer”,analisa o filósofo Adrià Porta sobre a personagem.. Com um perfil histriónico e uma espécie de síndrome de salvador, chega com uma mensagem para fazer as pessoas “acordarem”. Através das redes sociais, as imagens de uma vida de luxo fazem com que os recrutas funcionem como uma espécie de franchisados que mostram o mesmo nível de vida para angariar mais clientes, tendo o elemento Llados como elemento centralizador.

Um dos seus seguidores mais jovens – um rapaz de 16 anos – explica no seu canal do YouTube que quer deixar a escola porque não aprende nada e que quando chega às aulas já fez duas horas de “desenvolvimento pessoal” que lhe dá muito mais. Outro dos seguidores com maior alcance, que se tornou viral quando apareceu numa reportagem da Equipo de Investigación (La Sexta), diz-nos com toda a clareza que se mudou e cortou relações com toda a sua família e amigos.. Quanto à promessa de se tornar milionário, trabalha como caixa e diz que “está-se nas tintas para o dinheiro”, investindo grandes quantias em cursos da Llados e confiando no processo que o levará ao supostamente cobiçado primeiro milhão.

Llados justifica a sua abordagem com frases motivacionais como “Fazer burpees não faz dinheiro, fazer burpees faz o homem que vai fazer dinheiro”, mas a realidade para muitos seguidores é diferente destas promessas. Apesar disso, a sua influência e estilo de vida luxuoso continuam a atrair mais seguidores que procuram replicar o seu sucesso, tornando-se numa espécie de franchise da sua filosofia de vida.

Padrões psicológicos comuns dos recrutas

Oscomportamentos sectários envolvem frequentemente os jovens. Um artigo publicado na revista “Papeles del Psicólogo” explica que os jovens são mais suscetíveis a este tipo de influência porque se encontram numa fase de definição da sua identidade e estão mais abertos a novas ideias que lhes dão uma sensação de rápida diferenciação.

Entre os seguidores de Amadeo Llados, há pessoas que estão a passar por momentos difíceis. Muitos dizem que estavam perdidos até encontrarem Llados, e há mesmo casos de pessoas que deixaram de tomar medicamentos para a ansiedade porque dizem que já não precisam deles desde que começaram a seguir os seus cursos.

O “recrutador” ou líder torna-se muitas vezes uma figura admirada, especialmente quando mostra proximidade com os seus seguidores e, ao mesmo tempo, uma abordagem agressiva do seu ensino, argumentando que tal atitude é necessária para o progresso dos seus alunos. Isto faz com que os seguidores se sintam parte do projeto do líder e reforça a sua lealdade para com ele.

VÍDEO PROMOCIONAL

Evento Tu1millon

Comprar fumo, vender fumo

Uma das principais questões sobre a proposta de Llados é o que ele está realmente a vender. Os seus cursos não oferecem resultados tangíveis, mas sim uma série de módulos que prometem transformar os seus alunos em milionários de sucesso, escapando ao sistema como coaches online e adotando uma “mentalidade milionária”. Tudo isto está incluído no seu curso “Tu1Millon”, que custa 1800 euros, o que levanta a questão de saber se o caminho para o sucesso tem mesmo de custar tanto dinheiro em formação.

Isto leva-nos aos esquemas Ponzi e em pirâmide, que se baseiam na promessa de elevados rendimentos para quem investe, utilizando o dinheiro dos novos investidores para pagar aos antigos. A Association of Certified Fraud Examiners (ACFE) descreve este processo como um sistema que só funciona se forem acrescentadas mais vítimas ao esquema.

Num esquema em pirâmide, os participantes recrutam novos membros e pagam uma taxa que vai diretamente para os que estão no topo. Num esquema Ponzi, os investidores dão o seu dinheiro ao fraudador, que promete rendimentos que são efetivamente pagos com o dinheiro dos novos investidores e não com lucros legítimos. Enquanto num esquema em pirâmide o dinheiro flui para cima através da estrutura, num esquema Ponzi o dinheiro flui lateralmente entre os investidores, mantendo estruturas operacionais muito semelhantes.

Este tipo de modelo também tem sido visto em empresas multinível como a Herbalife, onde os distribuidores ganham comissões não só sobre as suas vendas, mas também sobre as vendas geradas pelos distribuidores que recrutam. Outro caso é o da IM Academy, uma “academia de Forex” que foi investigada como um esquema de pirâmide no canal do YouTube do jornalista Carles Tamayo.. Nestes casos, foi vendida a ilusão de ganhar dinheiro rápido com criptomoedas e negociação Forex, semelhante à imagem que Amadeo Llados projeta.

A realidade é que estes esquemas são recorrentes no mundo dos esquemas em pirâmide, oferecendo uma via de escape para aqueles que procuram uma solução rápida para os seus problemas financeiros ou pessoais.

☑️ Teste os seus conhecimentos

Questionário de compreensão de leitura. Músculos, carros, mentalidade de milionário: a fraude do self-made man

Passo 1 de 3

Porque é que, segundo o texto, os jovens são mais suscetíveis a comportamentos sectários?
saltar para o conteúdo