Jornalismo Cidadão: Noticiar as emergências sociais e ecológicas

Protestos na Tunísia após a Revolução de Jasmim. Foto de Engin Korkmaz.

Escolha o seu nível de leitura:

PADRÃO

Jornalismo Cidadão: Noticiar as emergências sociais e ecológicas

Escrito por Antonella D'Autilia

No jornalismo participativo, os cidadãos tornam-se produtores e não apenas consumidores de notícias. Uma participação "de baixo para cima" que pode ir desde a integração de notícias já publicadas até formas de divulgação de notícias diretamente pelos próprios cidadãos.

Um caso inicial de grande visibilidade do jornalismo cidadão remonta à catástrofe do furacão Katrina (2005), quando a população local, através de blogues e das redes sociais, conseguiu fornecer uma cobertura noticiosa em tempo real da catástrofe, compensando a falta de informação dos principais meios de comunicação social. Do mesmo modo, durante a Primavera Árabe, os cidadãos jornalistas informaram o mundo sobre os acontecimentos revolucionários em curso com a simples ajuda de smartphones, contornando a censura do governo local.

Outros exemplos podem ser encontrados nas ONG indianas de jornalismo cidadão: Video Volunteers, um promotor de meios de comunicação comunitários, e CGnet Swara, uma plataforma online que permite aos habitantes das florestas de Chhattisgarh fornecerem informações atualizadas sobre a região central de Gondwana, na Índia. Como refere a académica Paromita Pain, embora não sejam movimentos com visibilidade global, estas realidades em locais limitados da Índia estão a dar um grande contributo para a defesa dos direitos civis, estimulando as comunidades locais a reivindicar as suas necessidades.

Jornalismo participativo e subalternidade: o caso de Taranto

O jornalismo cidadão também está intimamente ligado aos movimentos pela justiça climática. Um exemplo diz respeito à cobertura noticiosa da crise ecológica na zona industrial SIN, em Taranto, causada pela presença da antiga indústria siderúrgica ILVA, atualmente Arcelor Mittal. Neste caso, os cidadãos jornalistas atuam como um contrapúblico subalterno, apresentando-se como uma alternativa às notícias dominantes e adotando formas de divulgação de notícias que têm sido descritas como “comunitárias” ou “hiperlocais”. Na realidade, oferecem uma perspetiva única e um conhecimento específico sobre a situação socioambiental do local, em virtude do facto de viverem em primeira mão as consequências da poluição. Porque é que o contrapúblico subalterno é a forma mais adequada de definir os jornalistas cidadãos de Taranto? Porque o processo de colonização industrial, ambiental e cultural em que Taranto foi inserida pode ser visto como o desejo de ver este lugar como um segundo mundo, uma parte imperfeita da Europa que precisa de ser modernizada.

Se quisermos pensar desta forma, os cidadãos de Taranto têm muito em comum com uma das imagens mais avassaladoras da literatura pós-colonial: a do “subalterno” referida por Gayatri Spivak. A académica indiana deu à subalternidade o rosto da mulher, aquela que na história foi mais afetada pelas lógicas de alteridade. Mas o subalterno de Spivak não é apenas a mulher do Sul Global, mas todas as pessoas cuja identidade é a marca de uma ausência nas fronteiras históricas e geográficas da cidadania. Os subalternos são todas as pessoas cujo espaço no discurso público foi colonizado pelos discursos dominantes. Para explicar esta proximidade, é necessário colocar no centro deste discurso o que está no centro da comunicação dos jornalistas cidadãos de Taranto, nomeadamente a intenção de trazer à tona a face humana de uma emergência climática.

Jornalismo cidadão em Brooklyn (Nova York) n 2011. Foto copyright free.

O jornalismo cidadão e o papel das mulheres

As mulheres de Taranto opuseram-se a esse papel através da justiça ambiental e do jornalismo cidadão. A análise das suas mensagens revela um papel preponderante nas mobilizações comunicativas sobre o ambiente, face à imobilidade da comunicação pública. Como escreveu Laura Guidi, são pontos de vista subjetivos e situados que falam dos corpos das mulheres, dos seus filhos atacados por venenos. Basta pensar nas mães da associação Tamburi Combattenti que divulgaram nas redes sociais o problema do gás radão nas escolas e as condições ambientais das salas de aula nos Dias de Vento (Winter Days), bem como toda uma série de questões críticas que afetam a vida das crianças que vivem perto das fábricas. O Comitato Cittadini e Lavoratori Liberi e Pensanti, agora ativos na frente das necessidades educativas especiais, envolveu-se em inúmeras campanhas de informação desde que a ativista Sabrina Fersini assumiu a sua presidência. A pediatra Anna Maria Moschetti efetuou um importante trabalho de informação e de divulgação dos problemas de saúde das crianças dos bairros de Tamburi e Paolo VI. Carla Luccarelli e a associação Giorgio Forever colocaram em evidência os problemas ligados à hospitalização e aos cuidados inadequados das crianças com doenças oncológicas e desenvolveram um projeto para a criação de um centro de investigação oncológica pediátrica, que se concentra no tratamento dos tumores na adolescência. A Associação de Pais de Tarantini é fruto da iniciativa de um grupo de mulheres e, entre outras atividades, divulga notícias sobre as condições da infância em Taranto, além de oferecer espaços de intervenção aos pais de jovens vítimas da poluição.

Outra realidade do jornalismo cidadão é representada pelo website VeraLeaks, onde, entre os muitos artigos que são publicados diariamente, existe, por exemplo, uma notícia em que todos os documentos sobre motivações no julgamento ambiental contra Soldado foram socialmente disseminados. Outros exemplos deste género podem ser encontrados nas plataformas de Legamjonici ou Il Tacco d’Italia, onde a prática diária do jornalismo cívico integra experiências bem sucedidas de jornalismo cidadão através de uma circularidade de informação com sites de redes sociais e outros canais transmédia. O Tacco d’Italia foi a primeira organização na Apúlia, em 2006, a criar uma comunidade de jornalismo cidadão: um diálogo construtivo baseado em relatórios, denúncias, material foto-documental, graças à conceção de uma plataforma proprietária que permitia o anonimato dos denunciantes. Dir-se-ia, portanto, que o trabalho destes jornalistas consegue criar espaços de escuta e de palavra, lugares de enunciação, diriam os estudiosos decoloniais.

Actividades complementares

FACIL

Jornalismo Cidadão: Noticiar as emergências sociais e ecológicas

Escrito por Antonella D'Autilia

No jornalismo participativo, os cidadãos tornam-se produtores e não apenas consumidores de notícias. Uma participação “de baixo para cima” que pode ir desde a integração de notícias já publicadas até formas de divulgação de notícias diretamente pelos próprios cidadãos.

O jornalismo cidadão representa um sistema de informação em que os cidadãos assumem o papel de produtores de notícias em vez de meros consumidores. Esta participação da base para o topo manifesta-se através de diferentes maneiras que variam desde o comentário e o complemento de artigos publicados em websites até à redação e divulgação de notícias diretamente pelos cidadãos.

Um caso de grande visibilidade de jornalismo cidadão ocorreu durante o furacão Katrina, em 2005, quando a população local, através de blogues e das redes sociais, conseguiu fazer uma cobertura em tempo real da catástrofe, colmatando as lacunas de informação dos meios de comunicação tradicionais. Além disso, durante a Primavera Árabe, os cidadãos ajudaram a informar o mundo sobre os acontecimentos revolucionários em curso através da utilização de smartphones, contornando a censura dos governos locais.

Em contextos como na Índia, existem ONG dedicadas ao jornalismo cidadão, como a Video Volunteers e a CGnet Swara. Estas organizações promovem os meios de comunicação comunitários e fornecem plataformas digitais para que as pessoas de determinadas regiões partilhem atualizações sobre a sua comunidade. Como refere a académica Paromita Pain, embora estes movimentos possam não ter visibilidade global, desempenham um papel significativo nos direitos civis e no incentivo às comunidades locais para divulgarem as suas necessidades.

 Jornalismo participativo e subalternidade: o caso Taranto

O jornalismo cidadão também é relevante nos movimentos pela justiça climática. Em Itália, por exemplo, é possível encontrar exemplos concretos desta prática através dos microcosmos digitais de várias associações antipoluição que surgiram em locais de elevado risco ambiental (SIN). Neste tipo de iniciativas, os cidadãos funcionam como alternativa à informação dominante e adotam formas de divulgação de notícias que têm sido definidas como “comunitárias” ou “hiperlocais”.

Uma abordagem que tem muito em comum com uma das imagens mais avassaladoras da literatura pós-colonial: a do “subalterno” referida por Gayatri Spivak. A académica indiana deu à subalternidade o rosto da mulher, aquela que na história tem sido mais afetada pelas lógicas de alteridade. Mas o subalterno de Spivak não é apenas a mulher do Sul Global, mas todas as pessoas cuja identidade é a marca de uma ausência nas fronteiras históricas e geográficas da cidadania. Os subalternos são todas as pessoas cujo espaço no discurso público foi colonizado pelos discursos dominantes. Para explicar esta proximidade, é necessário colocar no centro deste discurso o que está no centro da comunicação dos jornalistas cidadãos de Taranto, nomeadamente a intenção de trazer à luz a face humana de uma emergência ambiental.

Jornalismo cidadão em Brooklyn (Nova York) n 2011. Foto copyright free.

O jornalismo cidadão e o papel das mulheres

As mulheres de Taranto empenharam-se ativamente, assumindo um papel central nas mobilizações comunicativas sobre o ambiente, tendo-se oposto à imobilidade da comunicação pública. Como escreveu Laura Guidi, são pontos de vista subjetivos e situados que falam dos corpos das mulheres, dos seus filhos atacados por venenos. Como no caso das mães da associação Tamburi Combattenti que divulgaram o problema do gás radão nas escolas e as condições ambientais das salas de aula em Dias de Vento (Wind Days), bem como toda uma série de questões críticas que afetam a vida das crianças que vivem perto das fábricas. Ou associações como a Giorgio Forever, Genitori Tarantini e o Comitato Cittadini e Lavoratori Liberi e Pensanti, que ajudaram a trazer à luz os problemas de saúde e as questões críticas relacionadas com a poluição.

As formas de jornalismo cidadão adotadas por estas associações estão fortemente ligadas a práticas de ciência cidadã e de monitorização ambiental. A utilização de sites como o VeraLeaks, que partilha documentos e informações relevantes, ou o Legamjonici ou o Tacco d’Italia, onde a prática quotidiana do jornalismo cívico integra experiências bem sucedidas de jornalismo cidadão através da circularidade da informação com sites de redes sociais e outros canais transmédia, são exemplos de como estas organizações utilizam a tecnologia para divulgar informação.

De um modo geral, o trabalho das mulheres de Taranto contribuiu para a criação de espaços de escuta e de fala, oferecendo uma narrativa alternativa à dominante e conseguindo criar espaços de escuta e de partilha, lugares de enunciação, diriam os estudiosos decoloniais.

☑️ Teste os seus conhecimentos

Questionário de compreensão de leitura. Jornalismo Cidadão: Noticiar as emergências sociais e ecológicas

Passo 1 de 4

Em que é que o jornalismo cidadão difere do jornalismo tradicional?
saltar para o conteúdo