Israel, uma potência militarista e “testada em combate”

Soldados das FDI se preparam para atividades terrestres em Gaza – fotógrafo da Unidade do Porta-Voz das FDI

Escolha o seu nível de leitura:

PADRÃO

Israel, uma potência militarista e “testada em combate”

Escrito por Laura Casamitjana

Com despesas militares crescentes e tecnologia de ponta, Israel destaca-se num contexto de forças assimétricas no conflito árabe-judaico. Para além do seu armamento "testado em combate", o seu investimento em defesa recebe um impulso significativo de aliados como os Estados Unidos. O Estado palestiniano desenvolveu várias táticas de guerra que vão para além da artilharia.

O Global Fire Power 2023 coloca Israel entre os 20 países com maior potencial militar. Embora a classificação seja mais uma vez encabeçada pelos Estados Unidos e por grandes potências como a Rússia e a China, é surpreendente que um país com apenas 9,5 milhões de habitantes ocupe uma posição tão proeminente.

Os números finais do Instituto Internacional de Investigação para a Paz de Estocolmo (Sipri) para 2022 apontam para uma despesa militar de Israel de 23,406 mil milhões de dólares, ou seja, 4,5% do PIB do país.  Numa base per capita, a despesa militar foi de 2.623 dólares. Este valor é muito superior à média de algumas das principais potências: A despesa militar per capita da Rússia foi de cerca de 600 dólares e a da China de 200 dólares.

Mesmo antes da criação do Estado judaico, em 1948, o movimento sionista caracterizava-se por um elevado grau de organização paramilitar. Por exemplo, após as revoltas árabes dos anos 30, a sociedade judaica mantinha cerca de 15.000 pessoas treinadas na disciplina militar. A assimetria entre a força das forças de defesa israelitas e palestinianas tornou-se cada vez mais evidente, como se viu nas intifadas – pedras contra tanques – e como se vê hoje.

Um Silicon Valley militar no Médio Oriente

Três empresas do Estado judaico ocupam as 34 primeiras posições na lista das 100 empresas de armamento mais importantes do mundo, publicada pela Defense News. Se há algo que distingue as armas israelitas, é o facto de ostentarem uma marca que garante a sua macabra eficácia: “testadas em combate”. A mais-valia assenta no sangue, porque, ao longo dos anos do conflito árabe-judaico, os palestinianos têm sido o tubo de ensaio para o desenvolvimento e a inovação de máquinas de morte. Israel é conhecido como o Silicon Valley militar do Médio Oriente.

Uma das mais poderosas empresas de armamento israelitas é a Rafael Advanced Defense Systems Ltd., fundada em 1948, no mesmo ano do Estado judaico. Foi responsável pela construção do “Iron Dome”, um sistema de macrodefesa capaz de intercetar ataques aéreos. A infraestrutura é composta por um radar sofisticado que mapeia e rastreia as ameaças e por um sistema de comando e controlo constituído por operadores que podem decidir se devem ou não disparar intercetores para neutralizar os ataques. O equipamento mais visível são os intercetores e os lançadores móveis, constituídos por artilharia com sistemas de orientação avançados.

Com esta cúpula de defesa líder mundial, Israel está a demonstrar a sua tecnologia dominante, mais uma vez comprovada em conflito. O custo do sistema correspondeu às expectativas: só os Estados Unidos investiram “mais de 200 milhões de dólares para ajudar Israel a pagar o sistema”, segundo a BBC.

Os Estados Unidos, a primeira potência militar do mundo, são um colaborador convicto de Israel. Só em 2020, injetou 3,8 mil milhões de dólares no Estado do Médio Oriente. Este dinheiro faz parte de um pacote aprovado pela administração Obama para a década de 2017-2028, que inclui um montante financeiro de 38 bilhões de dólares para ajuda militar a Israel.

Embora o Iron Dome seja um testemunho da disposição belicosa de Israel, o seu bastião de “90 por cento de eficácia”, algo correu mal com a ofensiva do Hamas em 7 de outubro. A surpresa e a intensidade do ataque – apesar dos seus meios muito mais rudimentares – significou que uma IDF confiante não foi capaz de responder com a sua macroinfraestrutura.

A guerra em Gaza é a prova deste desequilíbrio: Israel dispõe de armamento de última geração; a Palestina não tem um exército regular. Enquanto Israel se estabeleceu como um Estado independente em 1948, reconhecido pela comunidade internacional, e criou as suas Forças de Defesa de Israel (IDF) – além de ter iniciado a corrida ao armamento com a criação da Rafael Advanced Defence Systems Ltd – a Palestina estava dividida e não chegou a ser um Estado. Na década de 1990, com a assinatura dos Acordos de Oslo, foram criadas estruturas de segurança palestinianas, mas o desenrolar do conflito e a divisão geográfica – controlada por diferentes fações e governos – nunca conduziram a uma organização militar unificada para a Palestina.

Violência para além da artilharia

A militarização vai para além das armas habituais, soldados, tanques, mísseis. A militarização está também no conceito de punição e na cultura do pânico. Em várias ocasiões, Israel utilizou outros tipos de armas, como no caso da guerra de 2008 em Gaza: o exército utilizou fósforo branco, um produto químico altamente nocivo que viola o direito humanitário. Outra forma de violência é a chamada “skunk water“, uma combinação de químicos que emitem um odor extremamente desagradável. Segundo testemunhos recolhidos pela Al-Jazeera junto de pessoas sujeitas a esta prática coerciva, a Skunk Water emite algo como “o cheiro de esgoto misturado com cadáveres em decomposição”.

O líquido, desenvolvido pela empresa israelita Odortec, é supostamente não letal e é utilizado para “dissuasão de multidões”. No entanto, a exposição à água de gambá provoca vómitos graves, respiração anormal, dores de estômago e nos olhos, irritação da pele e até queda de cabelo. A sua suposta não letalidade e os danos permanentes que pode causar são debatidos, tal como denunciado pela escritora e analista palestiniana Yara Hawari, que, juntamente com várias vozes palestinianas, salienta que a água de gambá também tem sido utilizada para tentar forçar as famílias palestinianas a abandonar as suas casas.

Para obrigar os palestinianos a mudarem-se e assim aumentar os colonatos judeus, Israel impõe a destruição das casas. O sistema serve como “castigo exemplar” e como mecanismo para confiscar mais terras. Esta prática, a “política de demolição de casas”, não só “ameaça a existência do povo palestiniano” como é “um castigo coletivo que viola o direito humanitário”, condena a ONU. Só em janeiro de 2023, “Israel demoliu 132 estruturas na Cisjordânia ocupada, 34 das quais eram casas palestinianas”, refere o relatório da ONU. Entre 2009 e 2019, “Israel demoliu mais de 1.100 estruturas só no território ocupado de Jerusalém Oriental”, diz a Amnistia Internacional, citando dados do Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU. Esta política, que Israel disfarça com a premissa de “desmantelar células terroristas”, é na realidade uma resposta a uma dinâmica de destruição maciça. Para a Amnistia, “as autoridades israelitas têm usado medidas arbitrárias e desproporcionadas em nome da segurança para alargar o seu controlo sobre o território palestiniano e para expulsar a população palestiniana de áreas que consideram estratégicas”.

Actividades complementares

FACIL

Israel, uma potência militarista e “testada em combate”

Escrito por Laura Casamitjana

Com despesas militares crescentes e tecnologia de ponta, Israel destaca-se num contexto de forças assimétricas no conflito árabe-judaico. Para além do seu armamento “testado em combate”, o seu investimento em defesa recebe um impulso significativo de aliados como os Estados Unidos. O Estado palestiniano desenvolveu várias táticas de guerra que vão para além da artilharia.

Israel alcançou uma posição impressionante no top 20 dos países com maior potencial militar do mundo, de acordo com o Global Fire Power 2023. Apesar de os Estados Unidos encabeçarem a lista, seguidos de potências como a Rússia e a China, é notável que um país com uma população de apenas 9,5 milhões de habitantes esteja tão destacado.

De acordo com o Instituto Internacional de Investigação para a Paz de Estocolmo (Sipri), a despesa militar de Israel em 2022 foi de 23,406 mil milhões de dólares, ou seja, 4,5% do PIB do país. Isto traduz-se numa despesa per capita de 2.623 dólares, muito superior a potências como a Rússia (600 dólares per capita) e a China (200 dólares per capita).

Mesmo antes da criação do Estado judaico, em 1948, o movimento sionista tinha um elevado grau de organização paramilitar. As revoltas árabes da década de 1930 foram prova disso, com cerca de 15.000 judeus treinados em disciplinas militares. Esta assimetria de poder entre as forças de defesa israelitas e palestinianas tem sido evidente ao longo do tempo, desde as intifadas “pedras contra tanques” até à situação atual.

Um Silicon Valley militar no Médio Oriente

Israel é famoso por ser um centro de inovação militar no Médio Oriente, semelhante ao Silicon Valley no mundo da tecnologia. Três das suas empresas estão entre as melhores do mundo no sector do armamento. O que torna as armas israelitas especiais é o facto de terem provado a sua eficácia em combate real. Isto significa que foram testadas em situações reais de conflito, o que as torna fiáveis no seu poder destrutivo.

Uma das mais importantes empresas de armamento em Israel é a Rafael Advanced Defense Systems Ltd. Foi fundada em 1948, no mesmo ano em que o Estado de Israel foi criado. São os criadores do sistema de defesa antiaérea Iron Dome. Este sistema utiliza um radar avançado para detetar ameaças e uma equipa de pessoas que decide se deve disparar para impedir os ataques. O sistema utiliza mísseis avançados e lançadores móveis.

Apesar de possuir tecnologia de ponta, Israel tem recebido um forte apoio financeiro dos Estados Unidos. Em 2020, os EUA vão investir 3,8 mil milhões de dólares em ajuda militar a Israel. Isso faz parte de um plano aprovado pela administração Obama, que destinou 3,8 mil milhões de dólares para a década de 2017-2028.

Embora a Cúpula de Ferro tenha uma taxa de eficácia de 90 por cento, teve dificuldades durante o ataque do Hamas em 7 de outubro. O conflito em Gaza põe em evidência a enorme diferença de poder militar: Israel dispõe de tecnologia de ponta, enquanto a Palestina não tem um exército convencional. Esta situação remonta à criação de Israel em 1948 e à ausência de um Estado palestiniano reconhecido. Embora as estruturas de segurança palestinianas tenham sido criadas na década de 1990, a fragmentação geográfica e o controlo por diferentes fações e governos impediram a Palestina de ter um exército unificado.

Para obrigar os palestinianos a mudar e permitir a expansão dos assentamentos judaicos, Israel implementou uma política de demolição de casas. Isto é como um castigo e também permite-lhes tomar mais terras. Esta prática é considerada punição coletiva em violação do direito humanitário, de acordo com as Nações Unidas. Só em janeiro de 2023, Israel destruiu 132 edifícios na Cisjordânia, dos quais 34 eram casas palestinianas, de acordo com um relatório da ONU. Entre 2009 e 2019, Israel demoliu mais de 1.100 estruturas só em Jerusalém Oriental, de acordo com a Amnistia Internacional, citando o Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU. Esta política, que Israel diz ser para desmantelar células terroristas, na realidade parece ser uma forma de destruição massiva e uma maneira de tomar controlo de territórios palestinos e expulsar a população palestina de áreas estratégicas.

Violência para além da artilharia

A militarização não tem apenas a ver com armas e soldados; tem também a ver com a forma como as sanções são encaradas e com a cultura do medo. Em algumas ocasiões, Israel utilizou armas diferentes, como na guerra de 2008 em Gaza, onde utilizou algo chamado “fósforo branco”, um químico perigoso que viola as regras internacionais de guerra. Outra forma de violência é algo chamado “água de gambá”, uma mistura de químicos que cheira muito mal. Algumas pessoas que foram expostas a ela disseram que cheira a água suja misturada com cadáveres em decomposição.

A substância, produzida por uma empresa israelita chamada Odortec, não é suposto matar pessoas, mas provoca vómitos graves, problemas respiratórios, dores de estômago e nos olhos, irritação da pele e até queda de cabelo. Há um debate sobre se é tão inofensivo como se diz. A escritora e analista palestiniana Yara Hawari e outros palestinianos acusaram Israel de utilizar água de gambá para obrigar as famílias palestinianas a abandonar as suas casas.

Para obrigar os palestinianos a deslocarem-se e permitir a expansão dos colonatos judeus, Israel adotou uma política de demolições de casas. Esta prática tem por objetivo castigar os palestinianos e permite-lhes também ocupar mais terras. De acordo com as Nações Unidas, esta prática constitui um castigo coletivo e é contrária ao direito humanitário. Só em janeiro de 2023, Israel demoliu 132 estruturas na Cisjordânia, 34 das quais eram casas palestinianas, de acordo com um relatório da ONU. Entre 2009 e 2019, Israel demoliu mais de 1.100 estruturas só em Jerusalém Oriental, segundo a Amnistia Internacional, citando o Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU. Esta política, que Israel afirma ter como objetivo o desmantelamento de células terroristas, parece na realidade ser uma forma de demolição em massa e uma maneira de assumir o controlo do território palestiniano e expulsar a população palestiniana de áreas estratégicas.

 

 

☑️ Teste os seus conhecimentos

Teste de compreensão de leitura - A identidade militarista de Israel, o Estado Judeu “criado em combate”

Passo 1 de 3

Que tipo de arma utilizou Israel na guerra de 2008 em Gaza que violou o direito humanitário?
saltar para o conteúdo