As duas vitórias das campeãs do mundo

Jugadoras de la selección española de fútbol. Propietaria de la foto: Paula Estelayo

Escolha o seu nível de leitura:

PADRÃO

As duas vitórias das campeãs do mundo

Escrito por Noelia Román

A 20 de agosto, a seleção nacional de futebol feminino venceu o Campeonato do Mundo e, 30 dias depois, as campeãs cumpriram a promessa de mudanças profundas na Federação. Pelo meio, o chamado "caso Rubiales", o escândalo que expôs o machismo e os abusos de poder de que as mulheres eram alvo. A sua coragem provocou uma verdadeira revolução. Esta é a história de uma dupla vitória

Campeãs do mundo. Campeãs mundiais do desporto mais masculinizado do mundo. Campeões, apesar de tudo e face a tudo. Campeãs duas vezes, as jogadoras da seleção espanhola, ao decidirem voltar a levantar a voz perante o que não devia acontecer, mas continua a acontecer: o machismo, a infantilização e os abusos de poder sobre as mulheres; sobre as desportistas, também.

Este gesto das futebolistas espanholas coloca-as numa posição privilegiada para acelerar a mudança que têm vindo a exigir e de que o futebol tanto precisa. Com a sua falta de jeito, o antigo presidente da federação espanhola de futebol, Luis Rubiales, serviu-lhes a mudança num prato. Elas não perderam a oportunidade e, como Megan Rapinoe e as suas colegas, nos Estados Unidos e Ada Hegerberg, na Noruega haviam feito antes delas, assumiram a sua responsabilidade social.

“Acabámos de ganhar um Campeonato do Mundo, mas não se fala muito disso, porque estão a acontecer coisas que eu não gostaria de deixar passar em branco. Como sociedade, não devemos permitir abusos de poder numa relação de trabalho ou desrespeito. Estamos contigo, com a minha colega Jenni [Hermoso] e com todas as mulheres que sofrem o mesmo. Espero que continuemos a trabalhar para que esta sociedade melhore”, disse Aitana Bonmatí, depois de receber o prémio que a proclamou a melhor jogadora da UEFA da época passada.

Referia-se ao caso Rubiales, o beijo roubado a Jennifer Hermoso pelo agora ex-presidente da federação na cerimónia de entrega de medalhas da final do Campeonato do Mundo, que, juntamente com o gesto obsceno do presidente no camarote VIP do evento, ofuscou injustamente os feitos desportivos das 23 jogadoras que disputaram o campeonato e ajudaram a abrir caminho à Austrália e à Nova Zelândia.

É uma pena e, ao mesmo tempo, um bom sinal: a sociedade evoluiu o suficiente para que, nesta altura, acontecimentos como este não possam ser ignorados. Ilustram a realidade das mulheres futebolistas no nosso país, mas não só: as mulheres, desportistas ou não, são vítimas habituais do machismo e dos abusos de poder dos nossos superiores, na sua maioria, homens. O comportamento de Rubiales apenas serviu para tornar visível esse facto numa área que muitos homens ainda consideram ser do domínio exclusivo dos machões, como o antigo presidente da Federação e os seus correligionários deixaram claro no dia da final e nas suas subsequentes aparições públicas.

Foi assim que a popularidade do próprio futebol e os avanços culturais do feminismo nos últimos anos fizeram o impensável: provocaram uma agitação política, social e jurídica de proporções internacionais. A pressão política e social que obrigou Rubiales a demitir-se e o processo judicial que o antigo presidente enfrenta atualmente – não queria demitir-se, mas acabou por fazê-lo por razões de conveniência – não teriam acontecido há cinco anos. O gesto teria sido considerado normal, sem provocar qualquer tipo de reação institucional ou social. Tal como os muitos comportamentos machistas que normalizámos no nosso quotidiano.

Felizmente, são cada vez menos. A onda feminista tem vindo a desmascará-los. Em 2017, o movimento #metoo/#me too abriu a porta à denúncia pública das agressões e abusos sexuais contra as mulheres. Tornou-se viral nas redes sociais sob esse hashtag, na sequência das alegações de abuso sexual contra o produtor de cinema norte-americano Harvey Weinstein. Desde então, tem sido utilizada por centenas de milhares de mulheres em todo o mundo para se declararem vítimas de assédio, agressão ou abuso sexual. Algumas são famosas (Lady Gaga, Mira Sorvino, Patricia Arquette ou Juliette Binoche); a maioria é anónima. Nasceu no mundo do cinema e do espetáculo e, de uma forma menos massiva, estendeu-se à cultura em geral, à política e a outros domínios.

Também em 2017, em Espanha, a sentença do chamado processo “La Manada” provocou uma reação viral de milhares de mulheres. O gatilho foi um artigo da diretora do jornal Público, Virginia Pérez Alonso, no qual ela contava uma agressão que sofreu quando era adolescente. A iniciativa da jornalista Cristina Fallarás de partilhar o artigo nas redes com o hashtag #cuéntalo permitiu que milhares de mulheres expusessem os seus casos como vítimas do machismo. Em agosto do ano passado, a aprovação da “lei do sim é sim” conseguiu fazer do consentimento expresso o elemento principal no julgamento de casos de abuso ou agressão sexual, transferindo assim a perspetiva de género para o sistema judicial. O debate aceso que teve lugar antes e depois da promulgação da lei contribuiu para despertar consciências e feminizar a visão social que temos do abuso sexual e do abuso de poder. Tanto assim é que as futebolistas internacionais espanholas falam agora de uma posição de poder e não de vítimas, como demonstra o seu slogan: “Acabou”.

Por todas estas razões, a evolução do caso Rubiales, que chegou ao Parlamento Europeu, e a realização do Campeonato do Mundo são avanços que devem ser celebrados. E muito.

Evolução meteórica

Não esqueçamos que, pouco antes do escândalo, os jogadores espanhóis tinham ganho o seu primeiro Campeonato do Mundo contra todas as probabilidades. Era apenas a sua terceira participação num Campeonato do Mundo (Canadá 2015, França 2019 e Austrália e Nova Zelândia 2023) e estavam muito atrás de países como os Estados Unidos, a Inglaterra, a Holanda, a Alemanha e o Japão, que já tinham vencido a competição.

Como é que se explica este salto da obscuridade para o topo em apenas quatro anos? A grande melhoria de alguns clubes da liga feminina espanhola, a qualidade das jogadoras mais jovens, o profissionalismo crescente, mas ainda precário, da liga feminina.

Entre o último Campeonato do Mundo e este, o Barcelona afirmou-se como uma das melhores equipas da Europa, conquistando quase todos os seus títulos nacionais, duas Ligas dos Campeões (2020/21 e 2022/23) e sendo finalista de outra. Competir contra os melhores da Europa tornou as jogadoras azulgranas melhores, e elas formam a espinha dorsal da seleção espanhola: nove das 23 jogadoras. Os exemplos mais evidentes são Alexia Putellas e Aitana Bonmatí. Entre a França 2019 e a Austrália 2023, Putellas foi duas vezes eleita a melhor jogadora do mundo. É provável que Bonmatí siga as suas pisadas esta época, tendo já sido eleita a jogadora do ano e a melhor jogadora do Campeonato do Mundo.

O Barça beneficiou da decisão do Real Madrid de criar uma equipa feminina e contratar algumas das melhores jogadoras da Europa. Nem que seja por uma questão de correção política ou por razões comerciais (os patrocinadores viram a popularidade económica e social das equipas femininas), o facto de os dois maiores clubes espanhóis replicarem a sua rivalidade na liga feminina eleva o nível da competição. Se clubes históricos como o Atlético de Madrid, o Levante e a Real Sociedad investirem mais nas suas equipas femininas, o crescimento será ainda maior.

Ainda é uma luta. As futebolistas da Liga F tiveram de entrar novamente em greve para conseguir um novo acordo que melhorasse as suas condições de trabalho. As suas reivindicações de mais profissionalismo e melhores salários foram confrontadas com argumentos que continuam a subestimar o potencial das competições femininas, apesar de os espetadores terem demonstrado repetidamente que o produto, quando apostado, gera interesse.

É, pois, surpreendente constatar o excelente desempenho das seleções nacionais jovens femininas, que nos últimos anos ganharam quase continuamente os Campeonatos da Europa (sub-17 e sub-19) e os Campeonatos do Mundo (sub-17). São cada vez mais as raparigas que praticam futebol desde muito jovens, quer em equipas femininas, quer em equipas mistas onde competem com rapazes até quase à adolescência. É o caso da campeã do mundo Ona Batlle na Unió Esportiva Vilassar. Aqui, as raparigas compensam a maior força dos seus companheiros de equipa com técnica e inteligência, e é exatamente isso que demonstram mais tarde em competições internacionais contra adversários muitas vezes fisicamente mais fortes.

A federação soube tirar partido desta evolução na sociedade – já não é um choque ver uma rapariga a jogar futebol – e nos clubes em geral, em benefício da seleção nacional. À sua maneira, Rubiales optou por aumentar os recursos consagrados às equipas femininas. Funcionou bem com as seleções jovens. Não é o caso da equipa principal. Após o Europeu de Inglaterra (2022), a maioria das jogadoras internacionais exigiu melhores condições para continuar a competir pela seleção nacional. O problema não era apenas o treinador Jorge Vilda, recentemente demitido. Queriam treinadores, nutricionistas, massagistas, psicólogos, profissionais e condições que estivessem à altura do desafio que se avizinhava, como é o caso da seleção masculina.

A luta foi dura e intensa. Muitas vezes subestimada e mal interpretada – as jogadoras não sabiam como expressar publicamente o que queriam – como uma birra de raparigas caprichosas. Nada podia estar mais longe da verdade. Tanto assim é que, antes do Campeonato do Mundo, Rubiales cedeu o suficiente para permitir que muitas das jogadoras que não tinham sido convocadas no ano passado regressassem à seleção nacional. Outras, como Mapi León e Patri Guijarro, mantiveram as suas posições e não participaram no recente Campeonato do Mundo.

Quinta privada de Rubiales

A concessão mínima de Rubiales explica muita coisa. O título inesperado, em parte. E o seu comportamento posterior, quase tudo. Como o homem de ontem que é, o antigo presidente da federação acredita que, se a seleção feminina é hoje campeã do mundo, isso se deve ao que fez por uma equipa que, como as outras, faz parte de um cortijo ou de uma quinta que ele geriu sem que ninguém o questionasse ou questionasse o que quer que fosse. Os únicos que o fizeram foram os jogadores que agora são campeões, e já o são há meses. Com o Campeonato do Mundo, a situação inverteu-se.

Na sua comparência perante a assembleia geral da federação, em que Rubiales tentou justificar o injustificável depois de até o atual presidente do governo, Pedro Sánchez, o ter chamado à responsabilidade pelo beijo não consentido, o dirigente exibiu descaradamente todas as características de um manual machista: negação, arrogância e superioridade moral, bem como um ego sobredimensionado que tentou esconder com uma patética vitimização.

Um homem assim é incapaz de compreender que as mulheres que ele e um dos seus correligionários (o treinador Jorge Vilda) tornaram campeãs do mundo não lhe prestam homenagem. Foi por isso que mostrou as virilhas no balneário, sem se importar onde estava, quem estava à sua volta ou que milhões de olhos (muitos deles crianças) em todo o mundo estavam a ver. Foi por isso que apalpou os jogadores na cerimónia de entrega dos prémios como se fossem os seus brinquedos. Foi por isso que deu um beijo na boca de Jennifer Hermoso e considerou-o “normal”. Foi por isso que se escandalizou e se sentiu vítima de uma caçada, quando a sociedade em geral o interpretou como um abuso. Foi por isso que se manteve – e continua a manter-se – inamovível na sua posição, dando pontapés e gritando como uma criança pequena a quem tiraram o brinquedo preferido.

A Federação era mais do que isso para ele. Era o seu reino, essa estrutura de poder entorpecente dominada por homens de outra era, onde estão em jogo tanto dinheiro e tantos interesses que até as vozes que já não se sentem confortáveis com o discurso do homem das cavernas se calam e o aplaudem submissamente.

A julgar pelos seus comentários posteriores, pode ser o caso do treinador da equipa masculina, Luis de la Fuente, que até se levantou para aplaudir quando Rubiales falou de “falso feminismo” e disse dias depois que não se reconhecia na pessoa que aplaudiu com tanto entusiasmo.

Vilda, o treinador da equipa feminina, também disse não partilhar algumas das opiniões de Rubiales, que também aplaudiu. Como sempre, isto aconteceu depois do evento, quando os políticos nacionais e a opinião internacional já tinham condenado a atitude do presidente e apelado às instâncias competentes para que tomassem medidas para o destituir do cargo.

Com algumas honrosas exceções (Borja Iglesias, Isco, do Sevilha, e o guarda-redes David de Gea), o futebol masculino permaneceu mudo durante dias. O seu silêncio foi eloquente. Tanto mais que as suas congéneres femininas emitiram um comunicado conjunto a declarar que “isto acabou”. Foram necessárias quase duas semanas para que a equipa feminina espanhola tornasse pública a sua posição: “Queremos repudiar o que consideramos ser o comportamento inaceitável do Sr. Rubiales, que não esteve à altura da instituição que representa. Estamos firme e claramente do lado dos valores que o desporto representa. O futebol espanhol deve ser um motor de respeito, inspiração, igualdade e diversidade, dando o exemplo no seu comportamento dentro e fora do campo”. A mensagem é irrepreensível. Agora só falta que todos acreditem nela e ajam em conformidade.

As reivindicações das mulheres

Em contraste com a imobilidade e a tibieza dos homens, as mulheres aproveitaram os holofotes que tinham ganho para denunciar e fazer ouvir as suas exigências. “Estou muito magoada com o que aconteceu depois da final”, disse a treinadora da Inglaterra, Sarina Wiegman, depois de receber o prémio de Treinador do Ano na Gala da UEFA. “Esta equipa [Espanha] devia ser celebrada e ouvida. Peço uma salva de palmas e dedico-lhes este troféu”, continuou. Na altura, Rubiales ainda era presidente – a FIFA tinha-o suspendido temporariamente – e a federação estava a fazer gestos de cosmética.

E é isso que os jogadores espanhóis continuam a denunciar. Enquanto o caso de Hermoso continua a avançar nos tribunais, os seus companheiros de equipa dizem que a demissão de Rubiales e a destituição de Vilda não são suficientes. Exigem uma verdadeira mudança na federação, que continua a ser dominada pelos capangas do antigo presidente, e na estrutura que envolve a seleção nacional feminina.

A nova treinadora espanhola, Montse Tomé, foi obrigada a adiar por vários dias o anúncio do seu plantel para o próximo desafio, a Taça das Nações, que antecede os Jogos Olímpicos de Paris, porque 21 das 23 jogadoras do Campeonato do Mundo e outras 18 internacionais mantiveram a sua posição de não regressarem à seleção nacional enquanto não lhes fossem asseguradas as mudanças estruturais que exigem.

“Os acontecimentos a que infelizmente todos puderam assistir não são únicos e ultrapassam as questões desportivas. Temos de ter tolerância zero para estes actos, pelo nosso companheiro, por nós e por todas as mulheres”, afirmam as jogadoras num novo comunicado. Na carta, as jogadoras enumeram as mudanças que pretendem ver: uma reestruturação da organização do futebol feminino (com a nomeação de um novo diretor e mudanças na equipa técnica); uma remodelação do gabinete presidencial e do secretário-geral (Andreu Camps); a demissão do presidente da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) (Pedro Rocha); uma reestruturação do departamento de comunicação e marketing; e uma reestruturação do departamento de integridade.

“Hoje é o início de uma nova fase. Estamos a mudar a estrutura e estou confiante de que faremos um bom trabalho, que estaremos num ambiente seguro e que os jogadores poderão desenvolver a sua profissão como merecem”, disse Montse Tomé depois de anunciar a lista de convocados, que inclui 15 campeões do mundo, 19 dos signatários da declaração que pedia a mudança e quatro dos 15 que não regressaram à seleção nacional para o Mundial (Mapi León, Patri Guijarro, Amaiur Sarriegi e Lucía García), mas não Jennifer Hermoso, “para a proteger”, segundo a treinadora.

“Proteger-me de quê, ou de quem?”, respondeu Hermoso numa declaração em que expressava a sua solidariedade para com as suas colegas de equipa. As jogadoras também deixaram claro que a sua posição não tinha mudado, que tinham sido convocadas contra a sua vontade e que estavam a considerar não responder à chamada do treinador. A força com que responderam ao desafio da Federação levou o governo a intervir mais uma vez através do Consejo Superior del Deporte (CSD).

Após horas de reuniões entre as duas partes, chegou-se a um acordo para evitar o embaraço internacional que seria disputar a Taça das Nações sem os campeões do mundo: 21 dos 23 jogadores convocados vão disputar os dois próximos jogos. Mapi León e Patri Guijarro não jogarão. Os jogadores alegaram que tinham sido convocados quando foram declarados inelegíveis e não se sentiam em condições de jogar. Os jogadores conseguiram evitar ser sancionados pela sua recusa.

Não foi o único sucesso: chegaram a uma série de acordos em que a federação e o CDS se comprometem a “trabalhar em conjunto” e a uma comissão tripartida mista [federação, CDS e jogadores] para dar seguimento a esses acordos, em que o organismo governamental se compromete a avançar nas “políticas de género, igualdade salarial e melhoria das infraestruturas, bem como a clarificar a agressão sexual e a classificá-la como crime muito grave quando cometida no domínio do desporto”. A Federação comprometeu-se a efetuar sem demora as mudanças estruturais exigidas pelas futebolistas.

A batalha não termina aqui. As mulheres estão numa posição forte para acelerar as mudanças que pretendem e quebrar um novo teto de vidro e, como já demonstraram, estão dispostas a sacrificar-se para o fazer. Alexia Putellas, duas vezes vencedora da Bola de Ouro, deixou isso bem claro quando aceitou a Medalha de Ouro de Honra da Generalitat para o Barcelona Femení (futebol feminino): “Não vamos ficar por aqui. Estamos aqui para ficar e ajudar os que vierem depois de nós. Precisamos de consenso, coragem e liderança por parte das instituições. Não vos vamos desiludir”.

Actividades complementares

FACIL

As duas vitórias das campeãs do mundo

Escrito por Noelia Román

O dia 20 de agosto foi um marco na história do futebol feminino, quando a seleção espanhola conquistou o seu primeiro Campeonato do Mundo. E apenas 30 dias depois, estas talentosas atletas conseguiram mais do que um título desportivo. Quebraram barreiras e enfrentaram um escândalo que expôs o machismo e o abuso de poder que ainda existem no mundo do desporto.

O caso Rubiales: uma revolução silenciosa

O caso Rubiales foi o ponto de viragem que deu início a uma verdadeira revolução. Este escândalo expôs a discriminação de género e o abuso de poder que as mulheres enfrentam no mundo do futebol, bem como em muitas outras áreas da vida. As futebolistas espanholas não hesitaram em falar e lideraram um movimento que exigia igualdade e respeito.

Uma dupla vitória

As campeãs não só ganharam o Campeonato do Mundo, como também se tornaram um símbolo da luta contra o sexismo. Aitana Bonmati, a melhor jogadora de futebol da UEFA, foi muito direta: “Acabámos de ganhar o Campeonato do Mundo, mas não falamos muito sobre isso porque estão a acontecer coisas que não quero deixar passar em branco. Como sociedade, não podemos permitir abusos de poder numa relação de trabalho ou desrespeito. Estamos consigo e com todas as mulheres que estão a sofrer da mesma forma.

O beijo não consensual, prova de abuso

O escândalo foi desencadeado por um beijo não consensual que o então presidente da federação, Luis Rubiales, roubou a Jennifer Hermoso durante a cerimónia de entrega de medalhas do Campeonato do Mundo. Este gesto, juntamente com um comportamento obsceno no camarote VIP, ofuscou injustamente os feitos desportivos das 23 mulheres que participaram no torneio. Este episódio ilustra não só a realidade das futebolistas em Espanha, mas também a das mulheres em geral, que são frequentemente vítimas de machismo e abuso de poder.

O impato internacional do #MeToo e do #TellMeToo

O movimento #MeToo, que começou com as alegações de abuso sexual contra o produtor de cinema Harvey Weinstein, abriu a porta para que as mulheres denunciassem publicamente agressões e abusos sexuais. Em Espanha, o movimento #Cuéntalo tornou-se viral após o veredito do julgamento “La Manada”. Estes movimentos ajudaram a aumentar a consciencialização sobre o abuso de poder e a importância do consentimento em casos de abuso sexual.

A grande mudança e a celebração

O sucesso da seleção feminina no Campeonato do Mundo deve-se a uma série de fatores, incluindo a melhoria dos clubes da liga feminina espanhola, a qualidade das jovens jogadoras e o crescente profissionalismo da liga. Clubes como o Barcelona ganharam reconhecimento na Europa e a inclusão de uma equipa feminina no Real Madrid elevou o nível da competição.

A luta pela profissionalização

Apesar das suas conquistas, as futebolistas da F-League tiveram de recorrer a greves para melhorar as suas condições de trabalho. É frequente o argumento de que as competições femininas não suscitam interesse suficiente, apesar das provas em contrário. As futebolistas continuam a lutar pelo profissionalismo e pela igualdade de remuneração.

As categorias inferiores e a evolução da sociedade

As divisões inferiores das equipas nacionais femininas têm vindo a ganhar campeonatos europeus e mundiais nos últimos anos. Cada vez mais raparigas praticam futebol desde tenra idade, o que levou a um aumento da técnica e da inteligência das jogadoras espanholas. A federação aproveitou esta evolução para reforçar a equipa nacional.

Rubiales, a masculinidade desatualizada

O antigo presidente, Luis Rubiales, representava um estilo de liderança ultrapassado e machista. A conquista do Campeonato do Mundo mudou a perceção do futebol feminino e o seu sucesso tornou-se um símbolo da luta pela igualdade. As futebolistas mostraram que não estavam dispostas a aceitar abusos e desigualdades, e a sua coragem inspirou mudanças significativas.

Exigências das futebolistas para o futuro

Apesar da demissão de Rubiales, as jogadoras exigem uma verdadeira mudança na federação e na estrutura em torno da equipa. A luta ainda não terminou, mas estas campeãs do mundo estão numa posição de força para impulsionar a mudança e abrir novas oportunidades para as mulheres no futebol. A igualdade, o respeito e a profissão das futebolistas merecem ser celebrados e defendidos.

☑️ Teste os seus conhecimentos

Teste de compreensão de leitura – As duas vitórias dos campeões mundiais

Este formulário é um questionário para duplicar

Passo 1 de 3

Que dupla vitória alcançaram as campeãs mencionadas no texto?
saltar para o conteúdo