A caça aos jornalistas em Gaza

No conflito entre Israel e a Palestina, mais de um jornalista é morto todos os dias. GettyImages

Escolha o seu nível de leitura:

PADRÃO

A caça aos jornalistas em Gaza

Escrito por Patricia Simón

Pelo menos um terço dos jornalistas mortos na Faixa de Gaza pelos bombardeamentos israelitas encontraram a sua morte em casa, em muitos casos com as suas famílias. Nos últimos dias, membros proeminentes do governo israelita intensificaram a criminalização dos jornalistas de Gaza, equiparando-os ao Hamas.

“Bombardeiam a todas as horas e em todo o lado. Quando um hospital ou uma escola são bombardeados, vamos para lá porque temos de documentar as vítimas, entrevistar os sobreviventes. Mas sabemos que é muito arriscado, porque a qualquer momento podem voltar a bombardear. E os coletes e os capacetes são inúteis porque não nos protegem das bombas.

Sami Abu Salem responde às perguntas por WhatsApp, em breves notas de voz, no meio do ruído da multidão na rua, aproveitando o sinal de Internet. Passam horas antes de receber outra mensagem. “Quase não temos ligação. É difícil saber se os nossos camaradas estão bem e é muito difícil fazer uma reportagem como esta”, explica. 

Em 7 de outubro, o Hamas matou mais de 1200 pessoas, raptou mais de 240 e matou quatro jornalistas, dois dos quais se encontravam num kibutz perto da Faixa de Gaza e dois no festival de música Supernova. Desde então, o exército israelita matou pelo menos 11.000 pessoas – mais de 4.000 das quais crianças – na Faixa de Gaza. Entre as vítimas palestinianas contam-se agora mais de 40 jornalistas, o que faz da guerra de Israel contra Gaza o conflito com o maior número de jornalistas mortos no mais curto espaço de tempo. A invasão ilegal do Iraque em 2003, uma das mais mortíferas para os jornalistas – 283 desde 2003 – custou a vida a onze profissionais no primeiro mês de ocupação.

Mortos nas suas casas 

De acordo com os dados compilados pelo Sindicato dos Jornalistas Palestinianos e pelo Comité para a Proteção dos Jornalistas, pelo menos 12 jornalistas foram mortos em consequência dos bombardeamentos israelitas nos seus bairros e casas, onde se encontravam, na maioria dos casos, com familiares. Foi o caso de Abu Hassira, jornalista da agência noticiosa Wafa da Autoridade Palestiniana, morto a 7 de novembro num ataque israelita à sua casa que matou também 42 membros da sua família. 

Dois dias antes, Mohamed Al Jaja, jornalista da organização para a liberdade de imprensa Press House-Palestine, foi morto juntamente com a mulher e as filhas num ataque bombista à sua casa em Al-Naser, no norte de Gaza. Outro exemplo é o jornalista freelance Assad Shamlakh, cuja casa foi bombardeada a 8 de outubro, o primeiro dia da ofensiva, e que morreu juntamente com nove membros da sua família.

De acordo com Shorouq Assad, do Sindicato dos Jornalistas Palestinianos, pelo menos três jornalistas foram mortos nas suas casas depois de terem passado o dia a documentar os crimes cometidos pelo exército israelita. Foi o caso de Mohammed Abu Hatab, repórter de vídeo da Palestine TV. Morreu juntamente com 11 membros da sua família depois de a sua casa ter sido bombardeada no dia 2 de novembro. Viviam em Khan Yunis, no sul de Gaza, a região para onde Israel ordenou que a população do norte se deslocasse, supostamente para um local seguro.

Também Rushdi Al Sarraj tinha acabado de regressar à casa da família, depois de ter passado o dia a entrevistar sobreviventes dos ataques, quando começaram os bombardeamentos contra o edifício onde vivia a sua família. Tinha-se mudado para lá com a mulher e a filha alguns dias antes, pensando que teriam mais hipóteses de ficar em segurança. Segundo relatos posteriores de testemunhas, Al Sarraj protegeu com o seu corpo a mulher e a filha de um ano, que sobreviveram. Al Sarraj morreu durante o transporte na ambulância devido a ferimentos de estilhaços. No total, até 11 de novembro, doze jornalistas palestinianos foram mortos juntamente com as suas famílias.

“Israel sabe perfeitamente onde está tudo e todos em Gaza. Sabe por cartões de telemóvel, por satélite, por drone, pelas informações que recolheu. Um exemplo: quando bombardearam as instalações da empresa de telecomunicações palestiniana Jawal, cinco engenheiros foram repará-las. Pouco depois, foram mortos”, explica Assad, que tem mais de 30 anos de experiência como jornalista nos Territórios Palestinianos Ocupados.

Até à data, as investigações sobre os assassinatos de jornalistas em suas casas não conseguem esclarecer se foram em resposta a bombardeamentos de edifícios civis, um crime de guerra ou se visavam especificamente os repórteres. É prática corrente da maior parte dos serviços de aplicação da lei em todo o mundo utilizar a triangulação para identificar a localização de uma pessoa através do seu cartão SIM. Este tem sido, por exemplo, um dos métodos mais comuns utilizados pelos Estados Unidos para executar extrajudicialmente pessoas acusadas de terrorismo.

Em 2013, a imprensa alemã revelou como os serviços secretos alemães tinham transmitido ao Pentágono informações sobre os telemóveis de suspeitos de terrorismo e como o Pentágono os tinha aniquilado com drones no Paquistão. Em maio do mesmo ano, o líder da Jihad Islâmica, Ziyad al-Nakhalah, afirmou que os seis milicianos mortos durante uma operação israelita tinham sido localizados pelos seus telemóveis. 

Nas últimas semanas, vimos também jornalistas na Faixa de Gaza ou as suas famílias receberem telefonemas a avisá-los para abandonarem as suas casas se não quisessem sofrer as consequências dos seus ataques. Foi o caso da jornalista da Al Jazeera Youmna El Sayed. O seu marido recebeu uma chamada de alguém que se identificou como membro do exército israelita, pedindo-lhe que abandonasse a sua casa no norte de Gaza porque estava “num local perigoso”. Quando lhe perguntou onde poderiam fugir, tendo em conta os bombardeamentos e o facto de a estrada que conduz ao sul estar cheia de tanques, foi-lhe dito que não lhe podia dar essa informação, mas que tinham de partir imediatamente. 

Este ultimato foi feito cinco dias depois de os bombardeamentos terem matado a mulher, dois filhos pequenos e o neto de Wael Al-Dahdouh, o principal correspondente da Al Jazeera em Gaza. Na realidade, encontravam-se no campo de refugiados de Nuseirat, no centro de Gaza, para onde se tinham deslocado a partir do norte, seguindo as instruções israelitas. “Eles vingam-se de nós através dos nossos filhos”, declarou quando encontrou o corpo do filho.

De acordo com dados compilados pelo Sindicato dos Jornalistas Palestinos, pelo menos três outros parentes de jornalistas foram mortos: Mohamad Aloul perdeu seus quatro filhos, três irmãs e três sobrinhos; Atiyeh Darwish, seu irmão – em 2019, um atirador israelense deixou este mesmo jornalista sem um olho; e Moataz Azayzeh teve mais de 15 membros da família levados por bombardeios.

Bombardeamento de civis desarmados

“Temos casos de jornalistas que estavam a recolher testemunhos de sobreviventes e que foram diretamente visados. Três outros que foram viver para um hotel, pensando que estariam mais seguros, e viram bombas a cair mesmo à sua frente. Mas sejamos claros: os ataques contra os jornalistas não começaram há um mês, isto acontece há 75 anos”, explica Shorouq Asaad, membro do Sindicato dos Jornalistas Palestinianos. “Cobri centenas de manifestações ao longo das décadas. Nós, jornalistas palestinianos, vamos sempre juntos, com coletes e capacetes, com distintivos de imprensa, e, no entanto, somos alvejados com munições reais, com gás. Eu próprio fui seguido muitas vezes por atiradores furtivos. Nós, jornalistas palestinianos, sempre fomos alvos do exército israelita. Só que agora é mais brutal e perigoso. É por isso que mais de 60 gabinetes de imprensa na Faixa de Gaza, onde os jornalistas estão habitualmente instalados, foram bombardeados com mísseis.

Repórteres sem Fronteiras (RSF) denunciou ao Tribunal Penal Internacional os crimes de guerra cometidos contra jornalistas por Israel e pelo Hamas. A queixa descreve em pormenor os casos de oito jornalistas palestinianos mortos por bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza e de um jornalista israelita morto por membros do Hamas quando cobria o ataque ao seu kibutz, bem como os casos de dois palestinianos feridos e de ataques a gabinetes de imprensa na Faixa de Gaza.

Israel classifica os jornalistas de Gaza como terroristas 

Enquanto os bombardeamentos israelitas matam, em média, mais de um jornalista por dia, vários membros do governo de Netanyahu têm repetido publicamente que “não podem garantir a segurança” dos repórteres que trabalham na Faixa para agências internacionais como a France Press ou a Reuters. Ao fazê-lo, não só os exortaram a deixar de fazer reportagens, como também os diferenciaram dos profissionais que trabalham de forma independente ou para meios de comunicação árabes.

Enquanto Israel se vangloria de ter violado os princípios de proteção dos jornalistas consagrados no direito internacional, uma organização dedicada a fazer lobby junto dos meios de comunicação ocidentais chamada Honest Reporting – registada em Nova Iorque e também sediada em Telavive – publicou uma fotografia não datada de um fotojornalista freelancer com um dirigente do Hamas, acompanhando um artigo que acusava cinco jornalistas da Reuters, Associated Press, The New York Times e CNN de saberem antecipadamente dos planos do Hamas para cometer os atentados de 7 de outubro. 

Pouco depois, a Direção Nacional de Diplomacia Pública do Primeiro-Ministro israelita classificou os jornalistas como “cúmplices de crimes contra a humanidade” e apelou a uma “ação imediata”. O ministro da Defesa, Benny Gantz, afirmou no Twitter que, se os jornalistas sabiam antecipadamente do massacre, “não são diferentes dos terroristas e devem ser tratados como tal”. O deputado Danny Danon, do partido Likud do Presidente Netanyahu, apelou na mesma rede social à “eliminação” dos fotojornalistas “que participaram na cobertura do massacre”. O jornal mais lido em Israel, o Jerusalem Post, de extrema-direita, publicou artigos que descrevem os jornalistas de Gaza como propagandistas do Hamas.

As autoridades israelitas passaram da afirmação de que não podem garantir a proteção dos jornalistas em Gaza às ameaças de morte contra os jornalistas que cobrem o conflito, com base em suspeitas que, até agora, não são apoiadas por argumentos ou provas”, declarou o gabinete da RSF para o Médio Oriente. As declarações que desacreditam a integridade de toda uma profissão nesta base são inaceitáveis. Elas toleram e incitam à perseguição daqueles que arriscam as suas vidas para reportar as notícias. Condenamos estas declarações e reiteramos que visar jornalistas que cobrem conflitos é um crime de guerra

A crescente criminalização do jornalismo por parte de Israel surge numa altura em que o parlamento israelita aprovou uma alteração à lei antiterrorista que torna punível com um ano de prisão qualquer pessoa que “consuma sistemática e continuamente publicações terroristas”, que são definidas como “um apelo direto à prática de um ato de terrorismo” ou “palavras de louvor, simpatia ou encorajamento a um ato de terrorismo”. Uma definição confusa, pela qual dezenas de palestinianos da Cisjordânia e israelitas – incluindo palestinianos com cidadania israelita – já estão a ser detidos por publicações nas redes sociais ou perfis de WhatsApp que criticam os ataques a Gaza ou simpatizam com a dor da população. 

Entretanto, o Ministro da Informação de Israel classificou a Al Jazeera como um meio de “propaganda” de “organizações terroristas”, colocando-a de novo na ribalta. “Encontrámos um padrão nos bombardeamentos das estações de transmissão da Al Jazeera na Faixa de Gaza. É evidente que a consideram um alvo. E agora, com esta reforma legal, o que pretendem fazer é acusar de simpatia pelo terrorismo aqueles que seguem as notícias deste canal, para criminalizar os telespectadores”, adverte Alfonso Bauluz, jornalista e presidente de Repórteres sem Fronteiras-Espanha, numa conversa telefónica. 

Repórteres sem Fronteiras-Espanha demonstrou também, com amplas provas, que o ataque israelita que matou o jornalista libanês da Reuters Issam Abdallah e feriu outros quatro jornalistas no sul do Líbano foi deliberado. Dois helicópteros israelitas já os tinham sobrevoado anteriormente, eles e os seus veículos estavam claramente identificados com sinais de imprensa, havia total visibilidade devido à sua localização e porque estava claro, e eles estavam no topo da colina há mais de uma hora. A RSF não pôde incluir este caso na sua queixa ao Tribunal Penal Internacional porque o Líbano não é um Estado Parte.

No dia 5 de novembro, o exército israelita atacou com um drone os dois carros em que viajava o jornalista Sami Ayoub, no sul do Líbano, com a sua irmã, a sua sobrinha e as três filhas desta. Apenas Ayoub e a sua sobrinha, Huda Hijazi, sobreviveram ao ataque. “Antes, tinha-lhes dito para brincarem perto do carro, porque o drone estava em cima. Pensei que desta forma os israelitas saberiam que havia crianças no veículo”, disse Ayoub numa entrevista posterior. “As raparigas foram queimadas à frente dos meus olhos”, acrescentou.

“O que está a acontecer aos jornalistas palestinianos é um crime de guerra, parte de um genocídio, uma tentativa de encobrir a verdade, de esconder o trabalho que estão a fazer. Os nossos jornalistas devem ser protegidos pelo direito internacional”, lamentou Assad a partir de Jerusalém. “É uma pena que aqueles que falam da liberdade de imprensa e dos direitos humanos estejam agora calados com o seu silêncio cúmplice. Este silêncio é uma carta branca para Israel avançar. Espero que um dia possamos ir ao Tribunal Penal Internacional e punir todos os responsáveis pela morte de jornalistas. Peço proteção e segurança para que não percamos mais nenhum colega. Assad tenta manter-se informado sobre os seus colegas em Gaza, mas é difícil devido aos cortes contínuos da Internet na Faixa de Gaza. 

“A principal preocupação dos jornalistas em Gaza é conseguir comida, água e um sítio onde possam estar seguros. Mas não há nenhum”, acrescenta Assad, que recorda que há anos que Israel impede a entrada de coletes à prova de bala e capacetes na Cisjordânia e em Gaza. “Na passagem de Rafah, no Egipto, também há dezenas de equipamentos de proteção, mas não os deixam entrar”, acrescenta. 

“Com os seus bombardeamentos arbitrários, as forças armadas israelitas estão a eliminar um jornalista atrás do outro, sem restrições. Tudo isto enquanto os seus comentários inaceitáveis revelam um desrespeito flagrante pelo direito humanitário internacional”, declarou Jonathan Daghuer, diretor de Repórteres sem Fronteiras no Médio Oriente. O seu homólogo espanhol, Alfonso Bauluz, resume a situação: “Gaza tornou-se um cemitério de jornalistas”.

Mais de mil jornalistas e cerca de trinta organizações espanholas, mexicanas e internacionais assinaram um manifesto que apela a Israel para que ponha imediatamente termo aos bombardeamentos, proteja a população civil e os jornalistas, permita o acesso da imprensa internacional à Faixa de Gaza e peça ao Hamas que liberte imediatamente os reféns.

Jornalistas mortos por ataques israelitas em Gaza

7 de novembro de 2023

Yahya Abu Manih, morto num bombardeamento na Faixa de Gaza.

Mohamed Abu Hassira, morto juntamente com 42 membros da sua família num bombardeamento contra a sua casa em Gaza.

5 de novembro de 2023

Mohamed Al Jaja, morto com a mulher e as duas filhas num bombardeamento contra a sua casa no bairro de Al-Naser, no norte de Gaza.

2 de novembro de 2023

Mohammed Abu Hatab, morto juntamente com 11 membros da família num bombardeamento contra a sua casa em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza.

1 de novembro de 2023 

Majd Fadl Arandas, morto por um bombardeamento israelita no campo de refugiados de Nuseirat.

Iyad Matar, morto com a sua mãe num bombardeamento na Faixa de Gaza. 

31 de novembro de 2023 

Imad Al-Wahidi, morto juntamente com membros da sua família em bombardeamentos na Faixa de Gaza.

Majed Kashko, morto juntamente com membros da sua família num bombardeamento israelita na Faixa de Gaza. 

30 de outubro de 2023

Nazmi Al-Nadim, morto com membros da sua família num bombardeamento contra a sua casa em Zeitoun, no leste de Gaza. 

27 de outubro de 2023

Yasser Abu Namous, morto com a sua família num bombardeamento em Khan Yunis. 

26 de outubro de 2023 

Duaa Sharaf, morta com a filha na sua casa no bairro de Yarmouk, em Gaza.

25 de outubro de 2023

Saed Al-Halabi, morto num bombardeamento contra o campo de refugiados de Jabalia, no norte da Faixa de Gaza. 

Ahmed Abu Mhadi, morto num bombardeamento israelita.

Salma Mkhaimer, morta com a filha num bombardeamento israelita em Rafah, no sul da Faixa de Gaza.

23 de outubro de 2023

Mohammed Imad Labad, morto em bombardeamentos israelitas no bairro de Sheikh Radwan, na Cidade de Gaza. 

22 de outubro de 2023 

Roshdi Sarraj, morto em bombardeamento israelita na Faixa de Gaza. 

20 de outubro de 2023 

Mohammed Ali, morto por bombardeamento israelita na Faixa de Gaza. 

19 de outubro de 2023 

Khalil Abu Aathra, morto juntamente com o seu irmão em bombardeamentos israelitas em Rafah, no sul da Faixa de Gaza.

18 de outubro de 2023

Sameeh Al-Nady, morto em bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza. 

17 de outubro de 2023

Mohammad Balousha, morto em bombardeamento israelita no bairro de Al-Saftawi, no norte de Gaza. 

Issam Bhar, morto por bombardeamento israelita no norte da Faixa de Gaza. 

16 de outubro de 2023

Abdulhadi Habib, morto juntamente com vários membros da sua família por um ataque de míssil à sua casa perto do bairro de Zeitoun, no sul da cidade de Gaza.

14 de outubro de 2023

Yousef Maher Dawas, morto juntamente com a sua família por um míssil disparado contra a sua casa em Beit Lahia, no norte da Faixa de Gaza. 

13 de outubro de 2023

Husam Mubarak, morto por um bombardeamento israelita no norte da Faixa de Gaza. 

12 de outubro de 2023

Ahmed Shehab, morto juntamente com a sua mulher e três filhos por bombardeamento israelita contra a sua casa em Jabalia, no norte da Faixa de Gaza. 

11 de outubro de 2023

Mohamed Fayez Abu Matar, morto por bombardeamento israelita em Rafah, no sul da Faixa de Gaza.

10 de outubro de 2023

Salam Mema, morto por bombardeamento no campo de refugiados de Jabalia, no norte da Faixa de Gaza. 

Saeed al-Taweel, morto quando aviões de guerra israelitas atacaram uma área no bairro de Rimal, na cidade de Gaza, onde estão sediados muitos meios de comunicação social.

Mohammed Sobh, morto quando aviões de guerra israelitas atacaram uma zona do bairro de Rimal, na cidade de Gaza, onde estão instalados muitos meios de comunicação social.

Hisham Alnwajha, ferido por bombardeamentos israelitas no bairro de Rimal. Morreu dias depois.

8 de outubro de 2023 

Assaad Shamlakh, morto juntamente com nove membros da sua família num bombardeamento israelita contra a sua casa em Sheikh Ijlin, no sul da Faixa de Gaza.  

Mohammad Al-Salhi, morto perto de um campo de refugiados na Faixa de Gaza. 

Mohammad Jarghoun, morto em Rafah Oriental, no sul da Faixa de Gaza.

Ibrahim Mohammad Lafi, morto na passagem de Erez, na Faixa de Gaza. 

Artigo original do La Marea

Actividades complementares

FACIL

A caça aos jornalistas em Gaza

Escrito por Patricia Simón

Pelo menos um terço dos jornalistas mortos na Faixa de Gaza pelos bombardeamentos israelitas encontraram a sua morte em casa, em muitos casos com as suas famílias. Nos últimos dias, membros proeminentes do governo

“Os bombardeamentos estão a acontecer a toda a hora e em todo o lado. Quando atingem um hospital ou uma escola, vamos lá para documentar e falar com as pessoas que sobreviveram. Mas é muito perigoso porque podem voltar a bombardear a qualquer momento. Mesmo que usemos coletes e capacetes, eles não nos protegem das bombas.

Sami Abu Salem responde-nos via WhatsApp no meio do barulho da multidão na rua, aproveitando o sinal de Internet. Vai demorar muito tempo até recebermos outra mensagem, porque a ligação é muito má. É difícil saber se os nossos colegas estão bem e comunicar desta forma torna a reportagem muito complicada.

Em 7 de outubro, o Hamas matou mais de 1200 pessoas, raptou mais de 240 e matou quatro jornalistas, dois dos quais se encontravam num kibutz perto da Faixa de Gaza e os outros dois no festival de música Supernova. Desde então, o exército israelita matou pelo menos 11.000 pessoas na Faixa de Gaza, das quais mais de 4.000 eram crianças. Mais de 40 jornalistas palestinianos também perderam a vida, o que faz desta guerra o conflito com mais jornalistas mortos no mais curto espaço de tempo. A invasão ilegal do Iraque em 2003, um dos períodos mais mortíferos para os jornalistas, custou a vida a onze profissionais no primeiro mês de ocupação.

Mortos nas suas casas

De acordo com informações recolhidas pelo Sindicato dos Jornalistas Palestinianos e pelo Comité para a Proteção dos Jornalistas, pelo menos 12 jornalistas foram mortos por bombardeamentos israelitas nas suas próprias casas, onde se encontravam, na maioria dos casos, com as suas famílias. Por exemplo, Abu Hassira, jornalista da agência noticiosa Wafa, foi morto a 7 de novembro num ataque israelita que também matou 42 membros da sua família.

Outro caso foi o de Mohamed Al Jaja, jornalista da Press House-Palestine, que foi morto juntamente com a mulher e as filhas num bombardeamento da sua casa em Al-Naser, no norte de Gaza. Assad Shamlakh, um jornalista freelance, também foi morto juntamente com nove membros da sua família quando a sua casa foi bombardeada em 8 de outubro, o primeiro dia da ofensiva.

De acordo com Shorouq Assad, do Sindicato dos Jornalistas Palestinianos, pelo menos três jornalistas foram mortos nas suas casas depois de terem passado o dia a documentar os crimes do exército israelita. Mohammed Abu Hatab, repórter de vídeo da Palestine TV, foi morto juntamente com 11 membros da sua família no dia 2 de novembro, quando a sua casa em Khan Yunis, no sul de Gaza, foi bombardeada.

Rushdi Al Sarraj regressava a casa depois de ter entrevistado sobreviventes dos ataques quando o bombardeamento começou no edifício onde vivia com a sua família. Apesar de se ter mudado para lá pensando que estariam mais seguros, al-Sarraj morreu durante a viagem de ambulância devido a ferimentos provocados por estilhaços. No total, até 11 de novembro, doze jornalistas palestinianos foram mortos juntamente com as suas famílias.

A investigação em curso não consegue determinar se estas mortes foram em resposta a bombardeamentos de edifícios civis, o que constitui um crime de guerra, ou se foram especificamente dirigidas contra jornalistas. Além disso, verificou-se que alguns jornalistas ou as suas famílias receberam telefonemas a avisá-los para abandonarem as suas casas para evitarem os ataques.

Estes factos fazem parte da difícil situação em Gaza, onde os jornalistas e as suas famílias enfrentam sérios riscos devido aos conflitos.

Bombardeamento de civis desarmados

“Temos casos de jornalistas que estavam a entrevistar pessoas que sobreviveram e que foram diretamente atingidas. Três outros foram viver para um hotel pensando que estariam mais seguros, mas viram bombas a cair mesmo à sua frente. Mas sejamos claros: os ataques contra os jornalistas não começaram há um mês, isto acontece há 75 anos”, explica Shorouq Asaad, membro do Sindicato dos Jornalistas Palestinianos. “Cobri centenas de manifestações ao longo das décadas. Nós, jornalistas palestinianos, vamos sempre juntos, com coletes e capacetes, com distintivos de imprensa e, no entanto, disparam contra nós com munições reais, com gás. Eu próprio fui seguido muitas vezes por atiradores furtivos. Nós, jornalistas palestinianos, sempre fomos alvos do exército israelita. Só que agora é mais brutal e perigoso. É por isso que mais de 60 gabinetes de imprensa na Faixa de Gaza, onde os jornalistas estão habitualmente instalados, foram bombardeados com mísseis.

Repórteres sem Fronteiras (RSF) denunciou ao Tribunal Penal Internacional os crimes de guerra cometidos contra jornalistas por Israel e pelo Hamas. A denúncia descreve os casos de oito jornalistas palestinianos mortos por bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza e de um jornalista israelita morto por membros do Hamas quando cobria o ataque ao seu kibutz. São igualmente relatados os casos de dois palestinianos feridos, bem como os ataques a gabinetes de imprensa na Faixa de Gaza.

Israel classifica os jornalistas de Gaza como terroristas

Enquanto decorriam os bombardeamentos israelitas, foi morto mais de um jornalista por dia, segundo os dados. Alguns membros do governo de Netanyahu afirmaram publicamente que “não podem garantir a segurança” dos repórteres na Faixa, especialmente os que trabalham para agências internacionais como a France Press ou a Reuters. Isto não só os incitava a deixar de fazer reportagens, como também os diferenciava dos profissionais dos media independentes ou árabes.

Como Israel ignorou os princípios de proteção dos jornalistas previstos no direito internacional, uma organização chamada Honest Reporting, com sede em Nova Iorque e Telavive, publicou uma fotografia de um fotojornalista freelance com um dirigente do Hamas. A organização alegou que cinco jornalistas da Reuters, Associated Press, The New York Times e CNN conheciam os planos do Hamas para os ataques de 7 de outubro. A Direção Nacional de Diplomacia Pública, ligada ao primeiro-ministro israelita, considerou-os “cúmplices de crimes contra a humanidade” e exigiu medidas imediatas. O ministro da Defesa, Benny Gantz, afirmou no Twitter que, se os jornalistas sabiam antecipadamente do massacre, “não são diferentes dos terroristas e devem ser tratados como tal”.

A criminalização dos jornalistas por parte de Israel está a aumentar, coincidindo com uma alteração à lei antiterrorismo que permite que aqueles que consomem sistematicamente “publicações terroristas” sejam punidos com até um ano de prisão. Isto levou à detenção de palestinianos e israelitas, incluindo palestinianos com cidadania israelita, por publicações críticas aos ataques de Gaza. Além disso, o ministro israelita da Informação descreveu a Al Jazeera como um canal de “propaganda” de “organizações terroristas”.

Os Repórteres sem Fronteiras condenaram estas acções como um crime de guerra. Os Repórteres sem Fronteiras condenaram estas acções como crime de guerra e chamaram a atenção para o facto de o repórter libanês da Reuters, Issam Abdallah, ter sido deliberadamente visado e para a aprovação da alteração no Parlamento israelita. O jornalista Sami Ayoub e a sua família foram atacados por um drone, o que resultou na morte de várias pessoas.

Mais de 1.000 jornalistas e várias organizações assinaram um manifesto que apela ao fim dos bombardeamentos, à proteção dos civis e dos jornalistas, ao acesso da imprensa internacional à Faixa de Gaza e à libertação dos reféns do Hamas.

Jornalistas mortos por ataques israelitas em Gaza

7 de novembro de 2023

Yahya Abu Manih, morto num bombardeamento na Faixa de Gaza.

Mohamed Abu Hassira, morto juntamente com 42 membros da sua família num bombardeamento da sua casa em Gaza.

5 de novembro de 2023

Mohamed Al Jaja, morto com a mulher e as duas filhas num bombardeamento contra a sua casa no bairro de Al-Naser, no norte de Gaza.

2 de novembro de 2023

Mohammed Abu Hatab, morto juntamente com 11 membros da família num bombardeamento contra a sua casa em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza.

1 de novembro de 2023 

Majd Fadl Arandas, morto por um bombardeamento israelita no campo de refugiados de Nuseirat.

Iyad Matar, morto com a sua mãe num bombardeamento na Faixa de Gaza.

31 de novembro de 2023 

Imad Al-Wahidi, morto juntamente com membros da sua família em bombardeamentos na Faixa de Gaza.

Majed Kashko, morto juntamente com membros da sua família num bombardeamento israelita na Faixa de Gaza.

30 de outubro de 2023

Nazmi Al-Nadim, morto com membros da sua família num bombardeamento contra a sua casa em Zeitoun, no leste de Gaza.

27 de outubro de 2023

Yasser Abu Namous, morto com a sua família num bombardeamento em Khan Yunis.

26 de outubro de 2023 

Duaa Sharaf, morta com a filha na sua casa no bairro de Yarmouk, em Gaza.

25 de outubro de 2023

Saed Al-Halabi, morto num bombardeamento contra o campo de refugiados de Jabalia, no norte da Faixa de Gaza.

Ahmed Abu Mhadi, morto num bombardeamento israelita.

Salma Mkhaimer, morta com a filha num bombardeamento israelita em Rafah, no sul da Faixa de Gaza.

23 de outubro de 2023

Mohammed Imad Labad, morto em bombardeamentos israelitas no bairro de Sheikh Radwan, na Cidade de Gaza.

22 de outubro de 2023

Roshdi Sarraj, morto em bombardeamento israelita na Faixa de Gaza.

20 de outubro de 2023 

Mohammed Ali, morto por bombardeamento israelita na Faixa de Gaza.

19 de outubro de 2023 

Khalil Abu Aathra, morto juntamente com o seu irmão em bombardeamentos israelitas em Rafah, no sul da Faixa de Gaza.

18 de outubro de 2023

Sameeh Al-Nady, morto em bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza.

17 de outubro de 2023

Mohammad Balousha, morto em bombardeamento israelita no bairro de Al-Saftawi, no norte de Gaza.

Issam Bhar, morto por bombardeamento israelita no norte da Faixa de Gaza.

16 de outubro de 2023

Abdulhadi Habib, morto juntamente com vários membros da sua família por um ataque de míssil à sua casa perto do bairro de Zeitoun, no sul da cidade de Gaza.

14 de outubro de 2023

Yousef Maher Dawas, morto juntamente com a sua família por um míssil disparado contra a sua casa em Beit Lahia, no norte da Faixa de Gaza.

13 de outubro de 2023

Husam Mubarak, morto por um bombardeamento israelita no norte da Faixa de Gaza.

12 de outubro de 2023

Ahmed Shehab, morto juntamente com a sua mulher e três filhos por bombardeamento israelita contra a sua casa em Jabalia, no norte da Faixa de Gaza.

11 de outubro de 2023

Mohamed Fayez Abu Matar, morto por bombardeamento israelita em Rafah, no sul da Faixa de Gaza.

10 de outubro de 2023

Salam Mema, morto por bombardeamento no campo de refugiados de Jabalia, no norte da Faixa de Gaza.

Saeed al-Taweel, morto quando aviões de guerra israelitas atacaram uma área no bairro de Rimal, na cidade de Gaza, onde estão sediados muitos meios de comunicação social.

Mohammed Sobh, morto quando aviões de guerra israelitas atacaram uma zona do bairro de Rimal, na cidade de Gaza, onde estão instalados muitos meios de comunicação social.

Hisham Alnwajha, ferido por bombardeamentos israelitas no bairro de Rimal. Morreu dias depois.

8 de outubro de 2023 

Assaad Shamlakh, morto juntamente com nove membros da sua família num bombardeamento israelita contra a sua casa em Sheikh Ijlin, no sul da Faixa de Gaza.

Mohammad Al-Salhi, morto perto de um campo de refugiados na Faixa de Gaza.

Mohammad Jarghoun, morto em Rafah Oriental, no sul da Faixa de Gaza.

Ibrahim Mohammad Lafi, morto na passagem de Erez, na Faixa de Gaza.

 

Artigo adaptado do original por La Marea

 

 

☑️ Teste os seus conhecimentos

Teste de compreensão de leitura - Caçando jornalistas em Gaza

Passo 1 de 3

Qual é a principal preocupação dos jornalistas em Gaza, segundo Shorouq Asaad?
saltar para o conteúdo